Você é um especialista na banca? Cuidado!

Olá!


Se você está estudando para concursos públicos há mais tempo, provavelmente já se deparou com alguém afirmando que é muito importante resolver questões, principalmente da banca que irá organizar o certame que você está focando.

Essa realmente é uma excelente orientação!


Todavia, muito cuidado para não se tornar um especialista de banca única.

Mas o que é isso?


Especialista de banca única é o candidato que se limita a resolver questões da banca que será responsável pelo concurso que está almejando. Como as bancas costumam seguir um padrão em suas provas, o candidato conclui que a melhor estratégia é focar apenas em questões elaboradas pela instituição.

Em termos gerais, esse é um bom caminho a seguir. Entretanto, existem duas situações que devem ser levadas em consideração antes de tomar uma decisão nesse sentido:


1ª – O fato de a banca ter adotado, no passado, um determinado padrão para a elaboração de questões, não é garantia de que esse mesmo padrão seja seguido no futuro.


É muito comum as bancas promoverem alterações em seus quadros de examinadores. Quando isso ocorre, as questões passam a ser elaboradas em formato diferente, distinto do que foi utilizado nos concursos anteriores.

Se você acompanha de perto os concursos organizados pela Fundação Carlos Chagas, por exemplo, sabe muito bem do que estou falando. Em certames mais antigos, a banca tinha o hábito de cobrar questões bem simples, a maioria baseada no texto literal da legislação. Todavia, nos últimos concursos a FCC vem alterando bastante o seu padrão de questões, intensificando a cobrança de conteúdo doutrinário e, também, a jurisprudência dos Tribunais Superiores. Além disso, passaram a ser comuns questões com várias “pegadinhas”, o que tem dificultado bastante a vida dos candidatos.


2ª – A banca pode optar por cobrar conteúdos que até então não tinham sido explorados em provas anteriores.


Quando o candidato resolve uma grande quantidade de questões de uma mesma banca, consegue visualizar facilmente os tópicos “favoritos” da instituição e que foram mais cobrados em provas anteriores. Essa “descoberta” pode levar à conclusão de que o mais eficaz seria, portanto, focar somente nesses tópicos.

Entretanto, pode acontecer – e já aconteceu várias vezes – de a banca cobrar em provas alguns tópicos que até então não vinham sendo cobrados, apesar de inseridos nos respectivos editais. Nesse caso, se você se especializou nos temas mais cobrados pela instituição, deixando de lado (ou estudando pouco) assuntos não abordados em concursos pretéritos, provavelmente terá uma quantidade de erros superior à planejada, o que pode significar a sua reprovação.


Para evitar surpresas desagradáveis no dia da prova, recomendo que você continue resolvendo muitas questões da banca que irá organizar o seu concurso. Entretanto, resolva também questões elaboradas por outras bancas, que tenham abordagem semelhante. Isso permitirá que você resolva questões sobre o maior número possível de temas, inclusive sobre aqueles que ainda não foram objeto de cobrança pela sua banca, assegurando uma revisão mais ampla do conteúdo previsto no edital.


Além disso, essa estratégia garantirá que você interprete formas diferentes de abordagem de um mesmo conteúdo, favorecendo o seu raciocínio em diferentes situações. Essa prática certamente diminuirá as chances de você errar alguma questão em função de “pegadinhas”.


Se você está se preparando para concursos organizados pela Fundação Carlos Chagas, por exemplo, resolva também questões elaboradas pela VUNESP e Fundação Getúlio Vargas. Se o certame será organizado pelo CESPE, resolva também questões da ESAF, bem como da Fundação Getúlio Vargas (que é uma espécie de coringa...).


Seguindo essa orientação, você diminuirá bastante as chances de ser surpreendido, no dia da prova, com questões de nível muito superior às que você estava resolvendo ou sobre temas que você simplesmente não estudou, pois “achava” que não seriam cobrados.


Experimente, pois o resultado será positivo!


Conte comigo em sua jornada rumo à aprovação!!!


Prof. Fabiano Pereira Direito Administrativo

0 comentário