Saia da vida do "se"! Mude, se está provado que não deu certo, ou que não é para você!!

Olá, caro aluno!


As suas escolhas de vida parecem erradas? Você acha que escolheu o foco errado? Acha que não deveria estar estudando para o concurso que escolheu?

Você prefere viver no mundo do "se" (se isso, se aquilo, se o outro, se quando etc.), ou mudar, e recomeçar?


Como se motivar para um recomeço?


Sei o quanto é difícil estudar para algo que não sabemos quando irá ocorrer, e se até mesmo irá ocorrer ou não. E quando esse algo chega, não conseguimos alcançá-lo.


Aprendi que para amenizarmos os prejuízos de uma escolha supostamente indevida, a solução é a otimização da rotina, e a escolha de um novo foco mais plausível e corriqueiro, esquecendo as amarras do passado.


Não adianta permanecer errando. Logicamente, devemos sempre tentar alcançar os nossos sonhos e objetivos.


E como saber se você o alcançaria algo se não tentá-lo?


Todos nós temos sonhos, e determinados cargos públicos às vezes fazem parte desses sonhos. Para algumas pessoas, o cargo escolhido vira obsessão, e o concursando acaba deixando passar oportunidades maravilhosas por estar preso a uma única opção.


Seguirmos os nossos sonhos é uma forma de motivação, mas podemos criar outras, e isso depende de você.


Só que temos que conciliar emoção e razão.


Se você estuda para um cargo que possui pouquíssimos concursos, e quando esses concursos são publicados, eles ainda vêm com raríssimas vagas, e você já o tentou por algumas vezes, por que não pensar em mudar o seu foco?


Eu já vivenciei algo assim quando da criação da Super-Receita em 2007, e em conjunto a transformação de milhares de auditores-fiscais da Previdência em auditores da RFB.


Essa transformação da Receita Federal do Brasil atrasou o concurso em dois anos, e o lapso entre o de 2005 e o de 2009 colaborou para um prejuízo emocional e estratégico muito grande para mim, o que, dentre outros motivos, resultou na minha reprovação!


Felizmente, não fiquei preso ao foco único, e após a reprovação de 2009, resolvi expandir as minhas possibilidades, o que deu certo.


Do mesmo modo, tenho uma aluna do Coaching presencial que sofreu com um foco único no cargo de Diplomata, um dos concursos mais difíceis e concorridos do país. O foco desse concurso acaba sendo quase que exclusivo em razão da peculiaridade dele.


Após algumas reprovações muito doídas, certas vezes por apenas uma questão, essa nossa amiga resolveu diversificar o foco, e não ficar batendo o martelo em um prego que não queria entrar. E os resultados dela estão muito bons. Já conseguiu uma aprovação e está bem próxima de outra, em um cargo com o mesmo subsídio do de Diplomata.


Às vezes não é para ser mesmo. Eu acredito que tudo funciona como experiência, e que o estudo nunca é perdido. O problema é personificar demais certos cargos, podendo até mesmo se frustrar quando tomar posse no mesmo.


Mas atenção! Não estou dizendo para atirar para todos os lados. A mensagem aqui é de mudança se você acha que escolheu errado. Foco é tudo, ok! Essa mudança deve ser feita uma ou duas vezes no máximo. Se mudar o tempo todo, com certeza o resultado não virá!


Eu costumo dizer que as atividades no serviço público são semelhantes, e isso colabora para que uma escolha errada possa resultar em uma certa no futuro, com atividades até mais interessantes do que as que você previa no seu cargo dos sonhos.


O que eu quero te passar é que se você tentou muitas vezes algo, e isso não deu certo, não fique se preocupando com