Não estude disciplina, estude tópico.


Algumas pessoas dizem que o uso constante de celulares e outros eletrônicos está minando nossa capacidade de formular longos pensamentos e ter longas leituras. Tudo está muito dinâmico, entrecortado, sem dar margem à reflexão.


Seja isso consequência dos aparelhos eletrônicos ou uma predisposição natural da nossa mente, fato é que é difícil mesmo manter a concentração por longos períodos. Na vida moderna, especialmente para os concurseiros que trabalham e/ou têm filhos, isso pode ser uma impossibilidade prática real.


Não se pode, porém, usar isso como desculpa, porque a forma mais eficiente de estudar não exige longa duração, pelo contrário, pode ser feita em tiros de até 15 minutos.


Quando for estudar, não se preocupe com a matéria, se preocupe com o tópico. Um exemplo numa disciplina que todos devem conhecer: não sente para estudar direito administrativo. Nem mesmo para estudar ato administrativo. Sente para estudar os atributos do ato administrativo. Talvez, se o tempo for mesmo curto, sente para estudar a presunção de legitimidade dos atos administrativos, apenas isso.


É sempre bom ter algum parâmetro de tempo no nosso estudo, porém, melhor do que meta de tempo, é meta de conteúdo. Não sente para estudar 2 horas, nem 15 minutos. Se você tem apenas cerca de 15 minutos, sente para estudar legitimidade dos atos administrativos, que deve durar mais ou menos isso. Se tem duas horas, faça a mesma coisa. E, ao acabar esse tópico, estude a auto-executoriedade. Quando acabar, estude a imperatividade.


Para mostrar o valor dessa forma de encarar o estudo, proponho um teste, que tenta ter algum rigor científico: amanhã, ao deitar para dormir, enumere de cabeça o que você estudou no dia, só os tópicos.


Sabe quando a criança chega em casa e os pais perguntam: “o que você estudou hoje na escola?” Então, é a mesma coisa.


Provavelmente você terá uma certa dificuldade em enumerar tudo, especialmente se estudou bastante. Isso indica falta de retenção, pois os conhecimentos estudados no dia estão meio nebulosos, misturados na sua cabeça.


Agora, para o próximo dia de estudos, siga minha sugestão. Se é dia de direito administrativo, pegue o menor tópico possível da matéria e estude. Leia a teoria, faça umas questões rápidas, verifique as leis que tratam da matéria, se for o caso. Faça o recall da matéria (pra quem conhece essa técnica, o Igor sempre menciona).


A ideia é pegar um tema que leve de 15 a 30 minutos para ser esgotado, dependendo do tempo que você tem para estudar. Pode ser algo realmente curto, coisa de 5 minutos, para algo muito pontual. Ao acabar esse tema, se ainda tem tempo de estudo, faça uma pequena pausa, coisa de um ou 2 minutos, e escolha outro tema. Repita o processo enquanto durar seu tempo de estudo do dia.

Na hora de dormir, tente enumerar os tópicos que você estudou. Muito provavelmente, terá uma melhora em relação à capacidade de enumerar demonstrada na véspera.


Nosso cérebro fixa melhor o início e o fim das coisas, aquilo que está no meio tende a se misturar. Nos filmes longos, depois de um tempo em que assistiram, as pessoas costumam lembrar do início, aí sabem de pontos espalhados da história, muitas vezes confundindo a ordem em que ocorreram, e depois sabem como terminou.


Contém aí pra mim a história do Titanic ou Avatar e verão que é mais ou menos isso.


Quando você senta e estuda duas horas de direito administrativo, o cérebro vê isso como um filme. E acaba retendo o conhecimento de uma forma parecida com a que narrei.


Já ao tratar cada tema individualmente, o cérebro enxerga, digamos episódios de uma série. Daquelas séries curtas, de menos de 30 minutos, tipo Modern Family, Two and a half Man e Big Bang Theory. Cada episódio trata de um “mote”, um assunto fechado. Para descrever um filme, às vezes é preciso um tempão, mas um episódio desses... “sabe aquele em que o Adam anuncia que vai casar e se mudar, e o Charlie comemora?” Muito mais fácil de gravar.


Bom, pra fechar com chave de ouro: essa forma de estudar, além de ser muito eficiente, te permite aproveitar seu dia inteiro. Estude 15 minutos depois do café antes do trabalho. Transporte público? 15. Mais 15 entre um serviço e outro no período da manhã. Outros 15 no fim do horário de almoço. Mais 15 no meio da tarde, e outros no transporte público. 15 quando entrar em casa, e 15 antes de dormir.


Você estudou 8 tópicos em cerca de 2 horas. Talvez tenha aprendido os 5 elementos e mais 3 atributos do ato administrativo. Cada conhecimento é individual, mais bem fixado do que se estudasse tudo num fluxo único. E, para quem vê de fora, você nem é concurseiro. Não teve uma sessão de estudos “de verdade”, daquelas de mais de uma hora em silencia com o celular desligado.

Responda uma coisa: pegue esse exemplo de dia que descrevi acima, e veja se não dá pra trocar “estude 15 minutos” por “olhadinha no facebook”. Na prática, é isso que fazemos no nosso dia. Jogamos nosso tempo fora. Abandone essa e outras pragas e comece aproveitar seus curtos minutos ociosos de uma maneira que realmente vá te tornar um ser humano mais interessante, mais bem informado, mais preparado para arrumar um bom emprego.


Nunca canso de contar: ao me preparar para a OAB, separei uma matéria, ética, cujos tópicos são bem pequenos, para estudar apenas no ônibus. Nunca estudei essa matéria na vida estando parado em relação ao solo, rsrs. Tive sucesso na prova.


Hoje estou aprendendo noções de russo pelo mesmo método, ano que vem pretendo ir à Copa.


Isso pra mostrar que realmente acredito no que estou falando, pois uso em mim mesmo há muitos anos.


Espero ter contribuído um pouco com seus estudos!


Prof. Ricardo Wermelinger Direito Tributário, Sistema Financeiro Nacional e Coaching

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo