Estudando gramática para a Redação.

“Português depois de velho” foi o primeiro título que me ocorreu para esse artigo, ainda tenho dúvidas sobre qual a melhor escolha.

O estudo tradicional de gramática, baseado na análise de cada regra da língua, possui efeito limitado sobre sua capacidade de redigir. Na hora da prova, ele te ajudará a grafas as palavras, porém, não contribui muito ajudar a escolhê-las.

A redação de um bom texto não se aprende estudando gramática. Aprende-se lendo.

Quando o assunto é redação, mais especificamente, temas como coesão e coerência textual, tópico frasal, contradições, etc., nem sempre temos regras objetivamente postas. É muito mais um senso de estar certo ou errado, um soar bem ou soar mal das palavras. A pessoa simplesmente percebe quando o texto é ruim.

Essa percepção é obtida pela leitura. Ao ler boas construções, elas vão se incorporando ao seu vocabulário. O que for diferente, fora da norma, passa a lhe soar mal.

Não basta, entretanto, apenas ler por ler. É importante fazer uma leitura atenta à forma. Ler prestando atenção na grafia das palavras, nas construções verbais, as escolhas dos conectores, a distribuição dos assuntos pelos parágrafos, e em tudo mais de interessante com que você deparar.

Muitas vezes, deparamos com construções textuais estranhas. Nessas horas, gaste dois minutos, dê uma pesquisada, descubra se aquilo foi um erro ou se apenas você que não a conhece.

Um exemplo: o uso do verbo deparar. Não sei se repararam nos parágrafos acima, mas não usei a partícula “se”. “Deparou-se com um obstáculo” é a forma como todos aprendemos no colégio, certo? Recomendo continuar a escrever assim nas redações.

A revista Veja, porém, começou a escrever “deparar” sem “se”. Fui pesquisar, porque eles não são de errar essas coisas, e aprendi que os linguistas mais modernos defendem que deparar não comporta essa “se”. A regência correta seria apenas “deparar com”.

E assim ganhei mais um conhecimento para minha vida.

Nem sempre é preciso parar e pesquisar uma palavra, sua capacidade de redigir também vai melhorar quando você estiver lendo uma revista ou um livro e simplesmente gostar de uma frase. “Nossa, que belo estilo usaram aqui”. Em breve, você tentará usar a mesma construção em um texto seu. E, assim, cada dia uma coisa nova, para sempre, desde que continue curioso pelo melhor uso das palavras.

Metáfora final: alguém aí já lidou com decoração? Já leu revistas de decoração? Ao lidar com decoração, mais do que ler que “o azul interage bem com o amarelo porque são cores cujos espectros se anulam etc e tal”, o que queremos são as fotos! Não dá para tratar de decoração sem imagens.

Ver fotos e vitrines de decoração, para se inspirar, antes de arrumar o próprio apartamento, é um processo natural de aprendizado, tal como ler textos de outros autores antes de fazer sua própria redação.

É melhor do que lidar com regras abstratas, como a teoria que explica a combinação de azul com amarelo, ou as regras de colocação do “se” (vide terceiro parágrafo). Prof. Ricardo Wermelinger

Direito Tributário, Sistema Financeiro Nacional, Redação e Coaching

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo