Entrevista com Aprovado - Geizy Cristina da Silva

Aprovada em 3º lugar para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil


Formada em Ciências Contábeis, casada, concursada do TRT/MG desde 2012, porém concurseira desde os 17 anos – quando passou no concurso dos Correios para atendente – a história da Geizy é uma boa dose de motivação e inspiração.


Os estudos dela para a Receita Federal começaram em 2011. Em 2012 foi lançado um edital, ela prestou o concurso, porém não conseguiu aprovação. Foi um baque e por alguns dias/meses pensou em desistir dessa preparação.


“No concurso de 2012 eu disse que não queria fazer essa prova nunca mais em minha vida porque achei que esse concurso era muito cruel. Sabia que era a primeira vez que eu estava fazendo a prova e não esperava passar logo de cara. Mas naquela prova consegui fazer o mínimo para ser convocada para a prova discursiva, mas não fiz 40% na prova de auditoria”, disse Geizy.


Em 2013 veio o casamento e, como nem tudo são flores, também a descoberta de que um dos irmãos estava doente. Duas coisas que a fizeram parar.


Tem um ditado que diz: nada como um DIA após o outro! Para a Geisy, o ditado foi assim: nada como um ANO após o outro!


Já no final de 2013 ela começou a se preparar novamente, traçou novos caminhos e formas com a ajuda de uma consultoria e conseguiu a sonhada aprovação, e com uma ótima colocação.


Vamos conferir a entrevista da 3ª colocada no concurso da AFRFB/2014?

Ponto dos Concursos - Geizy, desde quando estuda para concursos e como foi esse início da caminhada?


Geisy Cristina - Fiz meu primeiro concurso em 2002 para atendente comercial da ECT, quando eu ainda tinha dezessete anos. Foi o primeiro grande desafio da minha vida, já que o concurso era regional e não havia vaga na minha cidade, o que me obrigou a deixar minha família no interior e vir para Belo Horizonte.


Trabalhei nos Correios por oito anos, período em que ingressei na faculdade e concluí minha graduação em Ciências Contábeis. Durante esse período, prestei vários concursos para cargos de nível médio, como TJMG, ALMG, TCE-MG, BACEN, dentre outros. Sempre fazia um prova razoável, mas não conseguia ficar dentro do número de vagas. Isso só aconteceu nos concursos de 2009 para Assistente Técnico Administrativo do Ministério da Fazenda e para Técnico Judiciário do TRT 3ª Região, meu atual cargo.


Em 2011, quando me formei, iniciei minha preparação para o concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal, ao qual me dediquei até hoje.


Ponto dos Concursos – Quando começou já tinha um foco ou foi descobrindo aos poucos?


Geisy Cristina - Quando comecei na minha vida de concurseira não tinha foco algum. Nos primeiros anos, fiquei tentando passar em um concurso de nível médio que tivesse uma remuneração razoável e uma carga horária menor, de seis ou sete horas, para que eu pudesse continuar estudando para um concurso de nível superior.


Quando entrei para a Universidade, em 2006, já havia ouvido falar do cargo de Auditor-Fiscal da Receita Federal e comecei a sonhar com ele, ainda sem conhecê-lo muito bem. Aos poucos fui tendo mais contato com auditores (professores, amigos) e também com Direito Tributário, matéria que eu adoro, o que me fez desejar cada dia mais ser aprovada nesse concurso.


Ponto dos Concursos - Como foi sua preparação para esse concurso? Desde quando começou a estudar focada para a Receita?


Geisy Cristina - Comecei a estudar para a Receita em 2011. Fiz um cursinho presencial até julho de 2012, quando foi publicado o edital. Ainda faltavam várias matérias para estudar e, como o tempo era muito curto, passei a estudar em casa por meio de cursos online.


Como não fui aprovada, resolvi dar um tempo nos estudos porque os meses seguintes àquela prova foram muito conturbados. Estava com casamento marcado e tinha tudo ainda para organizar e, na mesma época, descobrimos que um de nossos irmãos estava doente, o que desestabilizou muito a nossa família.

No final do ano de 2013, quando tudo estava mais tranquilo, resolvi retomar os estudos. Estava determinada a estudar pra valer, queria muito ser aprovada logo para poder fazer as coisas de que gosto sem sentir remorso por não estar estudando. O que eu não esperava era que o edital sairia já no início do ano. Eu estava ainda na fase intermediária de estudos, então tive que aumentar muito o ritmo para conseguir fazer a prova.


Ponto dos Concursos – Qual foi sua motivação para se tornar servidora pública e para tentar um concurso tão concorrido e consequentemente difícil como o da Receita Federal?


Geisy Cristina - Quando entrei para o serviço público, em 2003, não tinha ainda resolvido o que queria para a minha vida, estava apenas entrando em um emprego novo. Mas depois que eu estava lá, percebi que não queria mais sair, principalmente por causa da estabilidade que o serviço público oferece.

Então comecei a pensar nas possíveis carreiras públicas que eu poderia seguir e, desde o início, me senti atraída pela carreira fiscal, principalmente pela boa remuneração. Comecei estudando para a Receita Federal e, depois de um tempo, resolvi que seria bom tentar outros fiscos também, estaduais e municipais. Porém, como o edital da Receita Federal saiu mais rápido do que eu esperava, não cheguei nem a estudar para outro concurso fiscal.