Dicas Valiosas de Estudo para Concursos!

Olá.


Permitam me apresentar. Sou carioca, advogado cível e trabalhista há quase 10 anos. Trabalho desde muito jovem, e saí de casa aos 14 anos para viver por conta própria. Já trabalhei com muitas coisas, fast food, alimentação, serviços, vendas no varejo... E fiz concursos. Fui oficial intendente (Administração) concursado da FAB por 6 anos, onde exerci funções na área de Supply Chain e Logística. Ainda militar me formei em Direito e fiz pós-graduação em Logística.


Sempre tive sonhos fora da vida militar (advogar, dar aulas, prestar consultorias, cursar mestrado e doutorado...). Fiz prova para a OAB e, aprovado, abandonei a vida militar e fui advogar na área trabalhista, fazendo inclusive uma pós-graduação em Direito do Trabalho. Apesar da advocacia, sempre “tive um pé” na Administração e nas Ciências Exatas, especialmente na Matemática, a qual me traz nostalgia e saudade dos tempos de cursinho.


Prestando consultorias me vi no desejo de fazer outra pós-graduação, desta vez em Gestão de Cadeia de Abastecimento, onde adquiri novos conhecimentos e uma visão um pouco mais diferenciada. No meio desta pós-graduação consegui ingressar no tão sonhado mestrado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Para tanto, fui aprovado no concurso de admissão em uma prova chamada GMAT. Mas eu não abandonei a pós-graduação para iniciar o mestrado, pois O QUE UMA PESSOA COMEÇA, ELA TEM DE TERMINAR SEM DESISTIR.


Então, durante um ano eu cursei uma pós-graduação e um mestrado ao mesmo tempo e foi muito difícil, mas sobrevivendo um dia após outro terminei os dois cursos, a Pós em Gestão de Cadeia de Abastecimento e o mestrado no ITA. Hoje sou advogado, atuante e militante, e dou aulas e palestras sobre os temas de que mais gosto. Amo meus trabalhos e me sinto realizado profissionalmente.


Sim, tudo isso relatado foi penoso, houve glórias e derrotas, sucessos e percalços. Mas valeu à pena não desistir, e eu faria outra vez, pois “portas se abriram” para mim, e quando eu vencia desafios novas oportunidades surgiam. Minha jornada tem mais etapas à frente, pois sou um eterno sonhador e gosto de desafios.

Dicas valiosas de Estudo


Tenha uma estratégia, um estudo muito bem planejado. Cada vez mais as provas de concursos abrangem um conteúdo maior e mais complexo devido à crescente competitividade.


Não adianta lamentar, é assim. Você tem de se adaptar e competir também, pois se outros conseguem, você consegue. Por isso a necessidade de um estudo sem perda de tempo, com foco, seriedade e perseverança. VOCÊ, CANDIDATO, PRECISA SER INCANSÁVEL! Não se dê desculpas nem justificativas para desistir, pois isso é o que fazem os fracos, eles se iludem. Não se iluda, encare a realidade. Você já viu esses barcos, grandes ou pequenos, em tempestades de ondas gigantes? Muitos atravessam oceanos por semanas, de um continente a outro, indo e vindo, enfrentando tempestades inacreditáveis.


Sabe o que fazem para não afundar? ENCARAM AS ONDAS DE FRENTE, pois se eles forem abalroados de trás ou de lado, afundam. Assim, o melhor que têm a fazer é encarar as ondas de frente. Você, candidato, é o capitão desse barco, você tem de encarar os desafios de frente, vencendo cada onda e cada batalha.


Não se preocupe com o tempo de aprovação. Não se preocupe com a pressão da família também. Infelizmente, por vezes a família pode até atrapalhar com pressão e cobrança excessivas. Você já terá cobrança constante lhe perseguindo até nos sonhos: de você mesmo. Preocupe-se com o objetivo final. Estabeleça metas realistas em termos de tempo de aprovação.


Não se desespere achando que tem de passar em 6 meses porque ouviu falar de uma pessoa que foi aprovada em poucos meses. Cada um tem seu tempo, para alguns 1 ano, para outros 2 anos, não importa, é a sua vida e seu futuro. Se você tem dificuldades de aprendizado, se trabalha, se tem filhos, se sustenta família, não use isso como desculpa. Dificuldades significam simplesmente que você terá que se dedicar mais, e que talvez precise de um pouco mais de tempo. Mas você tem perfeitas condições de atingir o objetivo.


Converse com pessoas que foram aprovadas, para ouvir suas histórias. Não somente histórias de vitória, mas de derrota também, pois a aprovação em concursos é muito difícil, é cair, levantar, aprender com os erros, se aprimorar... como um ciclo. Essas “lendas” de pessoas que estudavam um pouquinho, somente com resumos, e logo passavam em concursos, isso não existe. Após estas palavras de incentivo, vamos ao seu planejamento de estudo.

Planejamento de estudo (estratégia)

  • Imprima o edital do concurso, ou salve no computador, e leia-o inteiro. Pode ser de concursos anteriores, pois estudar para concursos requer antecipação. De pouco adianta estudar somente quando o edital for publicado, pois o tempo até o concurso é curto. Se fosse assim, qualquer pessoa estudaria um ou dois meses e passaria. Mas não existe isso.

  • Se você pretende fazer vários concursos diferentes, saiba que é melhor ter um foco. Faça concursos cujo conteúdo seja parecido, ou você abrirá muito o “leque” e irá despender pouca força de estudo em cada concurso. Então, por exemplo, se você quiser fazer concursos na área administrativa, faça concursos somente na área administrativa. Se você fizer concursos muito diferentes, como Auditor-fiscal, Auditor de Controle Externo do TCU,

  • Procurador da República, Oficial de Justiça, Analista de tribunal, etc., você vai se “embananar”, pois serão enfoques muito diferentes. Mire no máximo dois ou três bem parecidos, dentro da área que você quer, como gestão, auditoria, justiça...

  • Elabore uma agenda de estudo:

2ª feira de manhã: matéria 1

2ª feira à tarde: matéria 2

3ª de manhã(...)


É pouco produtivo ficar o dia inteiro ou dias seguidos em uma matéria apenas. É enfadonho, cansativo, rende pouco. Mas com o tempo, estudando com afinco, você vai se autoconhecendo. O estudo tem muito de autoconhecimento. Com o tempo, você vai percebendo qual o tempo limite para estudar um assunto ou matéria antes de mudar. Esse ponto de equilíbrio você vai descobrindo com o tempo.

  • Procure adquirir, se possível, todo o material de estudo. É importante você ver um pouco de cada, alternando. Não tente exaurir um tema ou assunto, pensando que não precisa estudá-lo mais. É necessário estar sempre vendo e revendo todo o conteúdo alternadamente, pois tudo precisa estar muito fresco na mente, a qual esquece facilmente o que foi visto há muito tempo.

  • Alterne leitura e exercícios, sejam de ciências humanas ou exatas. Por exemplo, se você traduz textos em inglês, isto é um bom exercício, mas tem de ler a gramática também, assim como na língua portuguesa. Se você estuda matérias ligadas ao Direito, faça exercícios também, mas sempre alternando leitura e exercícios.

  • Há sempre aquela matéria que gostamos muito. Aquela matéria que é terapia. Infelizmente concurso não se compõe somente de matérias que gostamos. Matérias de que você gosta menos e sabe menos precisam de reforço. De pouco adianta, por exemplo, sair da prova dizendo que gabaritou raciocínio lógico se foi mal em Português ou Inglês. Ficar constantemente reforçando matérias e assuntos que você já domina é uma “miragem”, não o ajudará muito. Você precisa reforçar constantemente as matérias em que você é mais fraco para atingir o mesmo nível das outras em que você é mais forte.

  • Mantenha um tipo controle ou lista com os nomes das matérias e assuntos mais difíceis, de acordo com suas estatísticas. Por exemplo, Combinatória, Probabilidade, Função Modular... Com o tempo e autoconhecimento, você vai saber quanto tempo a mais deve dispensar nestas matérias mais difíceis, e em conjunto com as estatísticas de erros e acertos você vai perceber evolução no aprendizado e pontuação nestas matérias e assuntos. Lembre-se: controle o que está acontecendo com você.

  • Faça um acompanhamento estatístico. A cada prova ou simulado, anote para cada matéria a quantidade e o percentual de erros e acertos. É importante inclusive acompanhar como evoluem seus erros e acertos. Faça tabelas, por prova, por assunto, por mês... Você precisa ter um controle absoluto do que está acontecendo, do que você sabe mais, do que você sabe menos, o quanto você sabe mais e o quanto você sabe menos. Quanto mais controle você tiver melhor. Isso parece um exagero, parece que o mais importante é sair estudando. Não saia estudando tudo de qualquer maneira. Seja sistemático. É muito comum, após um ano de estudo, o candidato se perder dentre o enorme universo de assuntos e não saber mais o que já foi visto e o que não foi visto. Você não pode se dar esse luxo, você tem de controlar tudo. A questão é: os melhores estudam com uma estratégia e obtém sucesso. Você será a pessoa que não vai fazer isso? Lembre-se, você tem de ser incansável! Se o seu concorrente estuda 8 horas/dia, você tem de estudar 10 horas/dia; se o seu concorrente resolve 50 questões em um dia, você tem de resolver 70, se o concorrente estuda de 2ª a 6ª, você tem de estudar sábado e domingo; se o seu concorrente faz controles, você faz controles melhores... É uma corrida. Com o tempo você vai atualizando as tabelas e controles, na medida em que seu estudo evoluir.

  • Como você fará muitos exercícios, marque os mais difíceis com algum tipo de sinal, um asterisco, uma caveirinha... É importante ter estes exercícios marcados para você ter fácil acesso e refazê-los de tempos em tempos, para você não esquecer. Também vale copiar em um caderno separado. Eu tinha um colega que tinha um caderno só com os exercícios mais difíceis de Matemática e Física. Ele chamava de “caderninho de magia negra”.

  • Faça simulados constantemente. Faça simulados grandes (com o tempo total da prova), mas faça também simulados pequenos. Você precisa se testar o tempo todo para saber o seu nível e buscar as melhorias. Por exemplo, se uma prova tem 100 questões em 4 horas (240minutos), faça simulados de 10 questões em 24 minutos, especialmente nas matérias em que você é mais fraco. Será útil para que você tenha noção do tempo para cada questão.

  • Tenha metas de estudo, para cada matéria, para cada assunto. Tenha metas de leitura e de exercícios também. Esteja sempre testando seus limites. Metas fáceis não são metas. Se você lê um assunto muito complicado, estabeleça uma meta de 50 páginas por dia, por exemplo. Na medida em que este assunto se tornar mais fácil, aumente a meta de leitura diária. Se você faz exercícios de matemática, por exemplo. Tenha uma meta de acordo com sua realidade em termos de exercícios diários, e se você melhorar, aumente a meta, Sempre buscando um novo limite. Obviamente há assuntos e tópicos que gerarão metas diferentes, e com o tempo você saberá dosar. Mas esteja sempre se aprimorando e estabelecendo novas metas, da mesma forma como faz um atleta. Não entre em “zona de conforto”, achando que já está bom, que já atingiu o nível da prova.

  • Grupos de estudo são um problema, obviamente porque tendem a virar “bate papo”. Quando eu era de grupos de estudo, sentávamos separados para não conversar, tínhamos metas diárias, e trocávamos questões resolvidas, compartilhávamos os caderninhos de “magia negra”, resolvíamos exercícios e dávamos dicas uns para os outros. Um se espelhava no que o outro tinha de melhor. Para isso é grupo de estudo, para um puxar o outro para cima (e não para baixo).

  • Fuja de todos os tipos de distrações durante seu período de estudo. Aquela “rapaziada do chopinho”? Melhor esquecer. A família faz muito barulho em casa? Ponha ear plugs (tampões) no ouvido, se tranque no banheiro, vá estudar na pracinha. Qual a importância do seu objetivo para você? Veja, não me leve a mal, sou um pouco conservador neste sentido, mas Facebook e WhatsApp não têm serventia para concursos, mesmo aos que dizem trocar questões, resoluções e experiências. O melhor método para aprovação em concursos ainda é o de 30 anos atrás: se isolar com caderno, livros e apostilas. Por mais que haja simulados on line, a internet e o celular são um “prato cheio para distração”. Se vai usar o PC, tablet ou laptop para resolver questões, recomendo salvar os exercícios e materiais e desativar a internet. Eu sou tradicional (para infelicidade da floresta amazônica), gosto de material impresso, para ler sublinhar, rabiscar, anotar, que possa usar na rua, em bibliotecas, em casa... Pois o concurseiro estuda em tudo quanto é lugar, ele almoça em 5 minutos e estuda até na cabine do banheiro, na hora do almoço, no intervalo... Se ele tem um intervalo de 15 minutos e puder resolver 5 questões neste tempo, isso vale muito!

  • Quando a prova estiver próxima, reveja os assuntos destacados como mais difíceis. Idem para os exercícios mais difíceis, faça-os novamente repetidas vezes. Cada exercício tem de ser refeito até estar na “massa do sangue”. Quanto mais próximo da prova, veja e reveja os assuntos e exercícios mais difíceis. Com o tempo e autoconhecimento você saberá quais assuntos devem ser revistos com 2 semanas de antecedência, com 1 semana de antecedência, com 2 dias de antecedência, com minutos de antecedência da prova... Por exemplo, algumas fórmulas muito difíceis de Estatística, ou de Matemática Financeira, minutos antes da prova eu as reescrevia repetidas vezes, para ficarem bem frescas na memória.

  • Estudar por resumos é bom, se for SEU RESUMO, feito por você. Um bom resumo é um resumo sistematizado, organizado, com as coisas mais difíceis selecionadas por você. Estudar por estes resumos de banca de jornal ou feitos por um colega não lhe ajudará, pois é você que deve selecionar o conteúdo do seu resumo. Da mesma forma que as tabelas de controle, os resumos que você faz, as suas anotações também devem evoluir, retirando as coisas que se tornarem fáceis, e acrescentando somente as coisas mais difíceis. Em uma lista de fórmulas matemáticas é interessante ir retirando as fórmulas que você já sabe bem e deixar somente as fórmulas mais difíceis, para você se desafiar e buscar sempre evolução, tentar sempre memorizar mais, entender mais.

  • Eu tinha uma lista de fórmulas feitas a lápis (Estatística, Matemática Financeira, Geometria, Álgebra, etc.), uma fórmula abaixo da outra, separadas por matéria, bem organizada. Fiz então várias colunas em branco ao lado das fórmulas. Então eu tirei várias cópias, e todos os dias eu tampava as fórmulas e ia preenchendo as colunas em branco. Fiz isso muitas vezes por semanas a fio no início 3 ou 4 folhas por dia. Depois fui diminuindo a frequência, e fazia uma a cada 2 dias, depois uma vez por semana, na medida em que eu me aprimorava. E um dia consegui decorar todas elas, mas ainda assim de vez em quando eu pego para refazer, e me escapa uma ou outra. Isso é porque temos de estar sempre vendo e revendo tudo. Sim, é bom quando você sabe desenvolver a fórmula sem decorar, mas na hora da prova, com tempo curto, você só pode se socorrer disso em uma ou outra questão, quando sua memória lhe trair. Assim, o ideal é saber cada fórmula na “massa do sangue”.

  • No caso do Direito, eu me confundia muito com artigos que eram parecidos. Então, de tempos em tempos eu selecionava todos os artigos de lei que eu achava parecidos e que me confundiam, e punha um embaixo do outro, indicando de onde eram, destacando com negrito os termos e palavras parecidas. Fazia isso também para jurisprudência e súmulas. E nesta hora vale tudo, até regrinhas mnemônicas. E tentava de toda forma reescrever sem olhar até memorizar tudo. Por exemplo, eu tenho trauma das competências na CF/88