Cada texto feito é uma barreira superada

José Cândido de Carvalho, autor de obras de destaque da literatura brasileira como “O Coronel e o Lobisomem” e “Se Eu Morrer, Telefone para o Céu” dizia que, ao contrário de Jorge Amado, que tinha inspiração 24 horas por dia, ele a possuía apenas de 3 em 3 meses e que escrever era um carregar pedras sem fim. Nas poucas entrevistas que concedeu, relatou esse grande escritor sua dificuldade com verbos, suas conjugações e seus conflitos constantes com os adjetivos. Mas nem por isso deixou de ser genial.


Conhecer a história de José Cândido nos levar a crer que o princípio básico e essencial para toda escrita é o mesmo: conhecer o assunto do qual se escreve ou, ao menos, ter uma breve noção sobre o mesmo.


E esse é o roteiro básico em todo ensino de redação para concursos. Se o aluno ou aluna já sabe sobre o que vai escrever, já temos o primeiro passo para seguirmos adiante.


Há alunos que têm dificuldade com gramática. Outros que se atrapalham na estruturação textual. Há os que possuem dificuldade tanto na gramática quanto na estrutura. E há os que conhecem demais o assunto do qual escrevem e acabam se perdendo. Certamente você possui ou já teve algumas dessas dificuldades. José Cândido de Carvalho possuía todas elas, mas conhecia sobre o que queria escrever; e isso foi seu diferencial.


As dificuldades do mencionado autor foram superadas a cada texto que fazia e a cada novo livro que publicava. Seus erros e dúvidas eram dirimidos com a prática e não o impediram de escrever, ao contrário, serviram de degrau para que pudesse se aprimorar.


O ensino de redação para concursos, da mesma forma, é escalonado em etapas, é dotado de técnicas e deve observar a dificuldade que cada aluno possui. Todos terão, em alguma oportunidade, dificuldade ao escrever, seja esta em menor ou em maior grau. Todavia, com o estudo e práticas constantes, além do bom uso das técnicas de redação, as barreiras podem ser superadas e o texto escrito com qualidade.


José Cândido foi membro da Academia Brasileira de Letras. Faleceu em 1989, quatro dias antes de publicar uma nova obra. Seis meses antes de falecer, em entrevista, disse que ainda possuía dificuldades ao escrever.


Portanto, alunos e alunos, aliem estudo e prática. Dificuldades sempre existirão. E que estas também sejam os degraus para sua caminhada rumo ao serviço público.


Prof. Walter Santos Discursivas

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo