Entrevistas

Lia Salgado


Lia Salgado, do Rio de Janeiro (RJ)

Lia Salgado, como quase todas as pessoas que visitam este site, é uma concursanda típica, da cidade do Rio de Janeiro (RJ), que passou pelas mesmas dificuldades da maioria dos candidatos, batalhou, estressou, pensou em desistir várias vezes, teve persistência no momento certo, superou obstáculos e, como resultado, foi aprovada em diversos concursos públicos.

Depois de aprovada, Lia Salgado resolveu contar sua história, como meio de incentivar outros candidatos, na árdua tarefa de preparar-se para concurso público. Nasceu, assim, a obra “COMO VENCER A MARATONA DOS CONCURSOS PÚBLICOS”, um sucesso de venda da Editora Ferreira – e que me impressionou muito, pela maneira otimista por ela encontrada para narrar sua difícil realidade, vivida durante a fase de preparação para concursos, um banho de estímulo na vida da gente.

Um comentário da Lia sobre sua preparação, durante uma de nossas conversas, mostra bem o espírito da obra: “ora, Vicente, problemas durante uma preparação todo mundo tem, e comigo não foi diferente, tive vários obstáculos; mãe de quatro filhos (hoje com 19, 16, 9 e 7 anos), sem marido e sem dinheiro, com contas para pagar, problemas de doença na família, tive que encontrar uma maneira de administrar essas dificuldades, paralelamente aos meus estudos”.

Fiquei apaixonado pela obra da Lia, especialmente porque, além de outros méritos, ela quebra diversos mitos sobre uma preparação para concurso, que eu tenho, há algum tempo, tentado combater aqui no site. Acho que ganhei uma grande aliada, contra balelas do tipo: de que forma eu, com filhos e trabalhando, vou concorrer com outros candidatos que se dedicam exclusivamente à preparação; não dá para preparar-se para concurso com três ou quatro filhos para cuidar etc. etc. etc.

Bem, no mais, leiam a seguir as respostas da Lia às minhas perguntas e, se você tem pensado que há problemas demais na sua preparação, é melhor fazer do livro da Lia sua obra de cabeceira...

Prof. Vicente Paulo: Como se deu o seu ingresso no mundo dos concursos? Com que idade você teve o seu primeiro contato com concurso público?

Lia Salgado: Bem, quando eu fiz dezoito anos, fiz vários concursos, mas isso foi em 1900 (risos). Não era a loucura que é hoje. Na verdade, retornei aos concursos há quatro anos e eu tinha 38 anos (lá se vai minha vaidade feminina...).

Prof. Vicente Paulo: E de lá para cá, quais foram as suas experiências com concurso?

Lia Salgado: Cronologicamente, passei para Fiscal de Posturas de Niterói e Banco do Brasil naquela época. Trabalhei 1 ano na Prefeitura, 14 no Banco e saí no Plano de Demissão Voluntária em 1996. Montei um ateliê de pintura em tecidos, que foi um sucesso (inclusive vários trabalhos para TV), mas não dava para sustentar a família. Assim, resolvi voltar à batalha em 2000. Fiz para o INSS, sem chances de aprovação. Depois, ICMS São Paulo, não fui para a 2ª fase. Pouco depois, ISS Niterói (RJ), fiquei em 44º lugar e eram 30 vagas. Finalmente, Controlador do Município do Rio de Janeiro e ISS. Graças a Deus (e a muita “ralação”), passei nos dois e ainda fui nomeada (1 ano depois) para Niterói. Ou seja, não tinha emprego algum e, de repente, tinha três, podia escolher...

Prof. Vicente Paulo: Houve algum fracasso durante a preparação para algum concurso, alguma grande frustração?

Lia Salgado: Quase morri quando não passei para o ISS Niterói. Deprimi e quase desisti. Achei que tinha feito o máximo possível e não havia sido suficiente. O que poderia fazer??? Aí vem a célebre frase: como concorrer (e vencer) com quem não é chefe de família, sem grana, filhos para cuidar, etc? Com relação aos concursos anteriores, sabia que ainda não estava preparada mesmo, mas quando você acha que tem chances reais de aprovação e “não leva”, é “brabeira”... Depois, como não havia mesmo outra solução, voltei aos estudos, buscando estratégias mais eficazes (inclusive e, principalmente, com relação a tempo).

Prof. Vicente Paulo: No início de sua preparação, quais foram os principais erros cometidos?

Lia Salgado: Em primeiro lugar, deixar acumular matéria. Era difícil abrir esse espaço na minha vida e o máximo que consegui foi freqüentar as aulas. No fim do Básico, tinha uma pilha de anotações e apostilas, e uma indigestão de informações... A outra coisa (talvez a pior) foi interromper os estudos em vários momentos (por motivos justos, é fato). Isso atrasou muito a minha aprovação. Acho que essa coisa de estudar para concurso, assemelha-se a subir uma duna de areia: se você pára de subir, começa a descer, porque a areia vai cedendo. Então, cada período de interrupção representou uma enorme perda em relação aos concorrentes.

Prof. Vicente Paulo: Em relação a toda a sua vida de preparação, qual o maior aprendizado? Qual a maior lição aprendida, que você repassaria a quem está iniciando os estudos?

Lia Salgado: A coisa mais legal que aprendi é que somos responsáveis pela nossa vida. Estamos acostumados a sentar e lamentar a sorte (ou a falta dela), como se fôssemos joguetes. É um pouco assustador, mas quando percebemos que podemos mudar a nossa vida, que é só decidir e fazer, isso é fantástico! É uma sensação de poder (no bom sentido), de ser capaz de enfrentar qualquer desafio, que modificou totalmente minha atitude diante da vida. 

Prof. Vicente Paulo: No geral, quais seriam os principais erros cometidos por candidatos durante uma preparação?

Lia Salgado: O primeiro deles, acho que é não acreditar. Em sua própria capacidade, na lisura do concurso, etc. É preciso mergulhar de cabeça e afastar as dificuldades. Resolver os problemas que tiverem solução e ignorar os outros. “Focar” a meta e seguir em frente. A segunda “mancada” é interromper os estudos. Mesmo que, em alguma situação emergencial, seja necessário reduzir o ritmo, não suspenda os estudos. Continue subindo lentamente a duna, mas não se deixe escorregar.

Prof. Vicente Paulo: Você é divorciada, mãe de quatro filhos, todos em idade que ainda precisam muito da presença materna (na época, tinham 3, 6, 13 e 16 anos). Como conseguir a conciliação entre dedicação continuada aos estudos e atenção aos filhos? Onde você encontrava tempo para estudar?

Lia Salgado: Era bastante complicado. Exigiu um tanto de criatividade (estudar perto deles, enquanto brincavam, dando “meia” atenção) e muita determinação. Também procurei conscientizar os mais velhos e fazê-los ver o que ganharíamos quando eu conseguisse a aprovação. Desta forma, conquistei a colaboração deles. Mesmo assim, as cobranças existiam, as queixas. Afinal, todos ali precisavam de mãe. Enfim, eu me fortalecia pensando que buscava uma vida melhor para todos nós. Quando chegamos nas últimas fases do ISS (foram 3), eu saía de casa e ia estudar em bibliotecas de universidades. Deixava o celular ligado para o caso de haver alguma emergência, e pedia aos mais velhos que cuidassem dos menores. Não foi fácil, mas valeu a pena. No fim, amadurecemos todos com isso.

Prof. Vicente Paulo: Você me disse, também, que enfrentou alguns problemas de ordem financeira e familiar durante o período de estudo...

Lia Salgado: Problemas financeiros?! Eu era chefe de família e não tinha como honrar nem as necessidades básicas. Meus pais ajudaram-me, mas isso também era doloroso, porque via que sacrificavam o que tinham. Também aprendi a humildade de saber pedir e saber receber. Mesmo para os estudos, contei com a ajuda de várias pessoas, e não havia dinheiro para livros etc. Era o básico mesmo. Às vezes, eu questionava a validade do que estava fazendo, mas aí pensava: se não fizer nada, teremos de conviver com essa situação de falta de tempo e dinheiro para sempre... Então, seguia em frente.

Prof. Vicente Paulo: O cargo que você atualmente ocupa (Fiscal do ISS/Rio de Janeiro) é um dos mais concorridos da cidade maravilhosa. Qual foi a estratégia para a aprovação? Qual fator foi decisivo na sua aprovação para esse cargo (cursinho preparatório? Orientações de amigos? Material didático?)?

Lia Salgado: Dedicação total, com todas as forças! Curso preparatório, claro; sou “filha da Academia dos Concursos Públicos” e fazia simulados todos os sábados. Estudava, pelo menos, 10 horas por dia, salvo quando tinha aula de algum módulo específico. Mas o domingo era de folga: praia, filhos etc, para agüentar o tranco da semana seguinte. Também tinha amigos “de fé”, com quem gostava de estudar. Isso tornava o dia mais divertido e ficava mais fácil enfrentar as dificuldades, porque um ajudava o outro. A terceira coisa era correr, pelo menos 3 vezes por semana. Para mim, era questão de sobrevivência, porque tenho depressão, mas considero fundamental para qualquer pessoa fazer atividade física, uma caminhada que seja. Melhora consideravelmente a concentração e o rendimento do estudo, sem falar no humor...

Prof. Vicente Paulo: O que te motivou a escrever a obra “COMO VENCER A MARATONA DOS CONCURSOS PÚBLICOS”? Em que momento você tomou essa decisão?

Lia Salgado: O livro foi escrito durante a fase de estudo para o ISS-RJ. Era um desabafo. Quando ia dormir, as coisas ficavam ecoando na minha cabeça e o jeito foi pôr no papel. Depois, eu curti a idéia, porque achei que poderia ser útil para quem estava passando por coisas semelhantes, afinal os problemas e dificuldades são parecidos. Os “desesperos”, também.

Prof. Vicente Paulo: Ao contrário de outras obras do gênero, sua obra é bem compacta, dá para ser lida numa sentada, num intervalo entre os estudos. Como tem sido o feedback dos leitores?

Lia Salgado: Os que têm chegado até mim são ótimos. Gostam da linguagem direta e da abordagem sincera. Também se sentem apoiados por verem que outros já passaram pela mesma dificuldade e venceram. As pessoas que não gostaram tiveram a delicadeza de não me contar (risos). 

Prof. Vicente Paulo: Se fosse para você apontar o maior mérito de sua obra, qual seria ele? Ou melhor: por que você acha que a sua história poderá ser útil para as pessoas? Por que um candidato deveria comprar e ler sua obra, em vez de gastar esse tempo e dinheiro com outros livros técnicos?

Lia Salgado: Principalmente, para acabar com o mito de que quem passa é especial, gênio etc. Costumo dizer que quase todos os aprovados têm uma história de muitas dificuldades. A única diferença é que eu coloquei no papel. Eu, por exemplo, tive de fazer o módulo de Contabilidade 6 vezes até conseguir entender aquela “coisa”. Isso mostra que qualquer pessoa pode vencer, é só ter determinação. Eu gostaria de poder dizer isso a todo mundo que pensa em desistir porque não foi aprovado. Bem, o outro motivo para comprar o meu livro é que eu tenho um só salário e 4 filhos. As coisas continuam difíceis (bem menos, é claro) e vocês podem ajudar a comprar o leite das crianças (risos).

Prof. Vicente Paulo: Li recentemente uma reportagem sobre sua obra na Revista Época, muito interessante. Você está se tornando uma popstar, é isso? (risos)

Lia Salgado: Claro que não! Só peço aos meus amigos para não deixarem eu ficar “besta” (risos). Claro que a divulgação é super legal para o livro, e também para alertar algumas pessoas que ainda não vislumbraram o concurso público como uma alternativa para suas vidas.

Prof. Vicente Paulo: Que mensagem você gostaria de deixar para aqueles candidatos que estão iniciando agora sua preparação para concursos?

Lia Salgado: O mais difícil, você já fez: tomou a decisão de mudar a sua vida. A estrada é bastante árdua, mas, no fim dela, tem o seu prêmio – a aprovação. É só uma questão de tempo e de você não desistir. Prepare-se, como um atleta, que busca a superação a cada dia. Mesmo que, no início, pareça quase impossível, continue.

Prof. Vicente Paulo: E para aqueles que já estão estudando há algum tempo e ainda não conseguiram a aprovação, qual seria o conselho?

Lia Salgado: Pense em sua vida daqui a 1, 5, 10 anos se você parar de estudar agora. O que está ruim, provavelmente estará pior e você terá um registro negativo de fracasso. Agora pense em sua vida daqui a 3 anos (numa hipótese pessimista) se você continuar até ser aprovado... Tudo terá valido a pena! Portanto, “NÃO PÁRE! VOCÊ ESTÁ CADA VEZ MAIS PERTO DA SUA VAGA! CAMINHE ATÉ ELA!”

Prof. Vicente Paulo: Acredito que muitos candidatos de todo o Brasil ficarão com vontade de comunicar-se contigo. Você concordaria em divulgar seu e-mail para esses contatos?

Lia Salgado: Posso fazer uma experiência, sem compromisso. Tempo ainda é uma questão delicada para mim, e não posso prometer responder a todos. Mas acho que gostaria de dar “uma força” para quem está nessa caminhada (e-mail: lia.salgado@ig.com.br ).

Prof. Vicente Paulo: Sempre quis ter no site Ponto dos Concursos um espaço para crônicas, para textos diversos a respeito de preparação para concursos públicos. Nada de Matemática, Contabilidade ou Direito, mas sim crônicas a respeito de uma preparação para concursos, tristezas e alegrias, altos e baixos, dificuldades e superação de obstáculos. Eu até que tento fazer isso, dentro do possível, com minhas já conhecidas broncas, mas acho que o meu estilo trator, “grosseiro de ser”, mais atrapalha do que ajuda! (risos). Você não gostaria de desenvolver um trabalho nessa linha no site? Que tal pensar a respeito? As portas estarão abertas, seria uma satisfação e tanto ter você por aqui, como cronista do Ponto dos Concursos – e certamente os candidatos do País inteiro agradeceriam... 

Lia Salgado: Prometo pensar a respeito, mas, é sempre o problema do tempo. Podemos conversar depois, em “off”.