Entrevistas

Frank Norder


Frank Norder, de Florianópolis (SC)

Conheci o Frank Norder em uma das minhas idas até Florianópolis (SC) para ministrar um curso intensivo de Direito Constitucional. Na época, a proprietária do curso Êxito me adiantou que ele, pela seriedade e regularidade nos estudos, certamente seria aprovado no próximo concurso de Auditor do INSS.

Depois, quando falei com o Frank, já aprovado no concurso de Auditor do INSS, observei que, além da seriedade e persistência, ele tem muito a ensinar sobre uma boa preparação a outros candidatos: espírito de equipe (estudou muito tempo, todas as noites, com um grupo de colegas, em Florianópolis); escolha de bons materiais de estudo, planejamento (ele montou uma estratégia para fazer a prova do Cespe, em que um item errado anula um item certo) etc.

No aguardo do curso de formação, e no intento de repassar experiências para outros candidatos, o Frank, gentilmente, concedeu-me a seguinte entrevista:

Prof. Vicente Paulo: Qual a sua formação acadêmica? Você é casado? Tem filhos?

Frank Norder: Sou formado em Ciências Contábeis, 2º semestre de 1999. Sou casado desde de 07/1998, ainda não fizemos planos de filhos, mas futuramente com mais estabilidade com certeza irá entrar em nosso planejamento. Moro em São José – SC (gde Floripa), sou natural de Londrina – PR. Sou canceriano. Tenho 28 anos.

Prof. Vicente Paulo: Você me disse que começou sua vida de estudante para concurso no ano de 2000, preparando-se para o concurso de Auditor do INSS, concurso no qual você foi aprovado agora, em 2003. Na sua opinião, por que você não foi aprovado no concurso de 2001? Qual foi o seu maior erro nessa fase de início de preparação?

Frank Norder: Primeiro, antes de entrar para a faculdade, o meu sonho era ser um fiscal do INSS (nome popular). Passei a primeira etapa que era ter nível superior. Daí, em novembro de 2000, saiu o edital, e a partir desse momento comecei a estudar. Bom, eu achava que estava estudando, pois estudava de uma forma desorganizada, que eram duas horas no período da manhã, duas à tarde e duas à noite, e ainda lia legislação seca. Mesmo desta forma que estudei, fui muito longe. Porque fiquei a 5% do último colocado (60,28%) no AFPS/2000, prova realizada em 01/02/2001.

Depois do resultado, veio a fase que gostaria que ninguém passasse ou fizesse, pois deixei de estudar, devido ao desânimo de não ter obtido êxito em 2001. Fiquei dezoito meses me iludindo com a iniciativa privada. 

Não obtive a aprovação também devido à imaturidade em relação a concursos, sem material especializado e pessoas para você trocar idéias, fica difícil.

Prof. Vicente Paulo: Na sua opinião, de um modo geral, quais são os erros mais comumente cometidos por candidatos no início de uma preparação para concursos?

Frank Norder: Os principais são: não utilizam materiais direcionados; não resolvem as provas anteriores; não conhecem nem a banca que irá realizar a prova; e, na minha opinião, o mais importante, não planejam a forma de estudar.

Prof. Vicente Paulo: E no concurso de Auditor do INSS de 2002, o que aconteceu?

Frank Norder: Depois dos dezoito meses, em 15/07/2002, tomei uma das decisões mais importante da minha vida, DECIDI REALIZAR O MEU SONHO, CUSTE O QUÊ CUSTAR, SER UM AFPS. Comecei pelo planejamento. Estruturei o meu serviço de forma que ficasse com o período matutino exclusivamente para o estudo e longe do meu local de trabalho. Peguei o edital anterior, CESPE, e comecei a procurar material direcionado para estudar. Comecei pelas matérias que tive um mau aproveitamento em 2001, quer dizer direito civil e direito comercial. Mas em agosto de 2002, sai o edital do AFPS2002, agora, infelizmente, ESAF, mudaram as matérias e principalmente o estilo da prova. Tive que me adaptar, mas levei pedrada “di novo”. Coisas da vida, mas fui determinado, e sempre com meu objetivo traçado.

Prof. Vicente Paulo: Com a reprovação em dois concursos para o mesmo cargo (Auditor do INSS 2001 e 2002), você ficou muito abalado ou conseguiu manter tranqüilamente a regularidade dos estudos?

Frank Norder: Como citei, após o AFPS2000, fiquei muito decepcionado, me culpando demais, lamentações, achando falhas, criando situações, tudo aquilo que não se deve fazer. Depois de dezoito meses não estudando para concurso, tomei a decisão e voltei, mas a vida me pregou mais uma peça, ESAF. Mas estava mais maduro, com o objetivo sempre voltado para passar no concurso, AFPS, não dei muita importância com a reprovação de 2002, até porque estava determinado e com o objetivo sempre à frente.

Prof. Vicente Paulo: E no concurso de Auditor do INSS/2003, em que você foi aprovado, quais foram os seus maiores acertos? O que foi decisivo na sua aprovação, em relação aos concursos anteriores, nos quais você foi reprovado?

Frank Norder: Em novembro/2002 fiz um curso de extensivo no curso Êxito em Florianópolis que foi até junho de 2003. Foi nesse curso que peguei uma base mais sólida para concurso e que conheci as pessoas certas para montar um grupo de estudo, pessoas que têm um objetivo e trabalham conjuntamente. A partir de janeiro/2003, nós nos reuníamos todos os sábados, pois nos dias da semana à noite tínhamos aula. Nos sábados estudávamos as matérias principais, com peso dois. Em julho/2003, com o fim do curso extensivo, começamos a nos reunir todos os dias úteis da semana à noite, e nos sábados. Com material especializado, muitos indicados pelo professor Bonifácio, e matérias do ponto dos concursos, vemconcursos, previdênciaweb, editora Impetus, livros de Ricardo Ferreira, Fábio Zambitte e outros.

Agora sim era trabalhar e realizar o meu sonho. Com planejamento, dedicação e técnica de estudo, você é aprovado em qualquer concurso.

Prof. Vicente Paulo: A respeito de curso preparatório (fazer ou não fazer cursinho?) e material didático (até que ponto é importante a escolha?), quais seriam os seus comentários?

Frank Norder: Cursinho é importante para a pessoa que não tem base e nem orientação - é sempre interessante estar perto de um, pois é ali que sabemos das atualizações, dos cursos de finais de semana com professores de renome e competência nacional. Agradeço ao Curso Êxito a oportunidade de ter conhecido pessoalmente e ter assistido aulas suas (Vicente), do Marcelo Alexandrino e do Ricardo Ferreira. Material didático, peça chave, o coração de um ser humano, graças a indicações do professor Boni e a existência da editora Impetus, com seus autores magníficos, e aos sites especializados, conseguimos nos preparar em um nível suficiente para sermos aprovados.

Prof. Vicente Paulo: Em que disciplina você teve maiores dificuldades? Como foram superadas as dificuldades?

Frank Norder: Português, que coisinha complicada, sempre foi a minha maior dificuldade. Comecei a estudar português da base mesmo, o que é um substantivo, adjetivo; fiz aulas particulares com a professora Mônica; no cursinho, colei no professor Marcos e li algumas vezes o livro de gramática do Pasquale e Ulisses. Por ironia do destino, quem me salvou na prova AFPS2003 foi exatamente português. Eram três matérias (português, informática e administração pública, sendo esta matéria nova em relação aos editais anteriores) e foi português com um excelente aproveitamento de 12 pontos líquidos dos 20 disputados, numa prova em que a marcação de um item errado acarreta a anulação de um item certo. O retorno gratificante em uma matéria que tinha muita dificuldade.

Prof. Vicente Paulo: Na sua preparação para o concurso de Auditor do INSS/2003, quantas horas você estudava por dia?

Frank Norder: A quantidade de horas é relativa, pois o que importa é a qualidade do estudo. Estudava das 07h30mim com intervalo de 15 min para lanche e troca de matérias e ia até à 12h; à noite, iniciava às 19h, intervalo de 20 min, até 22h; sábado, no início era só de manhã, mas com a proximidade do edital começou a ser à tarde também, depois do edital aberto não escapava nem o domingo. Meu cronograma semanal incluía todas as matérias do edital, mas algumas eu via a cada 15 dias, pois tinha mais facilidade e, às vezes, o seu conteúdo era menor, exemplo era Ética da Administração, que no CESPE ficou tudo englobado em direito administrativo.

Prof. Vicente Paulo: Você me disse que estudou muito tempo num grupo de estudo, com outros colegas de Florianópolis. Quantos dias da semana vocês estudavam juntos? Como foi essa experiência? Depois dessa experiência, você continua a favor de estudar em grupo ou daqui por diante optaria por estudar sozinho?

Frank Norder: Ao grupo de estudo, dedico uns 60% de importância, pois você explora, isso mesmo, explora, o raciocínio de seu colega, e ele faz a mesma coisa, porque temos um objetivo em comum, sermos aprovado em um concurso. O grupo, formado por grandes amigos hoje - Cláudio (aprovado no AFRF2003), Andréa (aprovada no TRF2003), Saul (futuro AFRF) e Sheyla (futura companheira AFPS) -, nesse meio tempo teve o Luciano (futuro AFRF) que teve que nos deixar para ir morar em São Paulo. 

Quem tem um objetivo de ser aprovado em um concurso DEVE montar um grupo de estudo de no máximo 5 pessoas, mas você tem que saber escolher as pessoas. Esse grupo será sua família durante a preparação, é ali que você vai encontrar estímulo, confidências, amizades e críticas construtivas, e, em alguns casos, você terá que ser também profissional a dizer àquilo que a pessoa ouvinte não quer ouvir, coisas duras, mas necessárias para que o grupo cresça de uma forma uniforme. O grupo de estudo nos dá a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas, como o André (namorado da Sheyla) e o Adriano (marido da Andréa). André foi aprovado para o Ministério da Saúde para um contrato temporário e o Adriano foi aprovado para técnico do INSS e aprovado no PRF2004 (hoje saiu o resultado).

Prof. Vicente Paulo: A prova do concurso de Auditor do INSS/2003 foi realizada pelo Cespe/UNB, em que a marcação de um item errado acarreta a anulação de um item certo. Você acha que existe alguma técnica para se fazer esse tipo de prova? O candidato deve “chutar” muito nas respostas ou não?

Frank Norder: Aqui está a solução do problema, pois estava estudando em longo tempo em cima do edital da ESAF, foi com a saída edital AFPS2003, que tive de optar AFRF ou AFPS, o edital do CESPE veio muito diferente do ano 2001. 

Demorei uns dois dias, mas vi que eu seria um AFPS e decidi pelo edital da AFPS. Fiz uma estratégia de estudo para as duas semanas anteriores à prova, sendo que a primeira só com exercícios CESPE, só exercícios, e na segunda só revisão dos assuntos por matéria que mais caíram nas últimas provas e assuntos que tinha potencial de cair, muitos desses assuntos eram indicados pelo pontodosconcursos e vemconcursos.

Lembrando, que eu estudava de manhã (em casa sozinho) e à noite (no grupo de estudo). Com exceção dessas duas semanas, consegui estudar no período vespertino também. Formam 15 dias de planejamento de como iria resolver a prova, a parte psicológica deve estar muito bem preparada no momento da prova, saber o quê fazer na prova.

Bom, minha prova teve 250 itens; como o último colocado em 2001 havia feito 60,28%, o meu objetivo era superar essa meta. Então, tinha que responder pelo menos 200 itens, porque se eu errasse 25 itens, ficaria com 60% da prova. Mas, realizando a prova, vi que ela estava muito difícil e complexa, bem diferente dos outros anos que o concurso foi realizado pelo CESPE. Fiz a prova em 3h15min. Fiz a contagem de itens que poderiam ficar sem resposta (utilizei o seguinte critério: se eu soubesse 80% do item, responderia; se ficasse abaixo disso, colocaria um ponto de “?”, com a resposta que achava ao lado de dentro do ponto de interrogação) e totalizou 94 itens com (?). Fiz um cálculo básico e vi que tinha que responder mais itens. Dos 94 itens, deixei sem resposta apenas 60 itens, mesmo acima do planejado que era 50 itens, mas com a certeza da decisão tomada; levei 45 min para fazer a revisão.

No meu planejamento, deixei 1h para preencher o gabarito, pois é ele que vale, e levei 55min sobrando 5min do tempo da prova. No momento da prova você tem que estar totalmente concentrado e com um único pensamento “fazer a prova e passar”. Nos momentos que antecedem a prova, na sala de aula, faça uma viagem positiva de olhos fechados, paisagens bonitas, céu azul, natureza encantadora, e outras paisagens ou lembranças bonitas; com isso você ficará mais leve na prova, seu espírito se sentirá mais confortável para realizar a coisa mais gostosa do dia – “fazer a prova”.

Prof. Vicente Paulo: Que mensagem você gostaria de deixar para aqueles candidatos que estão iniciando agora sua preparação para concursos?

Frank Norder: Procurem materiais direcionados, sites que comentem provas, resolvam as provas anteriores, façam qualquer tipo de concurso – só para pegar ritmo e técnica de prova-, planejem um horário de estudo, distribuam todas as matérias nesse horário, monte um grupo de estudo com pessoas sinceras que realmente possam se doar, tratem o seu sonho como se fosse um filho, e muita determinação e persistência.

Prof. Vicente Paulo: E para aqueles que já estão estudando há algum tempo e ainda não conseguiram a aprovação, qual seria o conselho?

Frank Norder: Nunca desistam, passar é apenas questão de tempo, procurem seus amigos que passaram, eles te darão inspiração, faça a sua autocrítica de seus pontos fortes e menos fortes, adapte-se se for preciso, peçam ajuda se precisarem (não é feio pedir ajuda, triste é ser uma pessoa que não tem a hombridade de pedir ajuda), faça o seu planejamento de estudos e comentem com as pessoas para saber qual a opinião delas, existem várias obras sobre isso, cito “Como passar em provas e concursos” de William Douglas, são 800 páginas, é investimento puro para conhecimento e técnica de estudo, monte seu grupo de estudo, e boa sorte que os frutos serão colhidos no futuro próximo com certeza.

Prof. Vicente Paulo: Muitíssimo obrigado pelo carinho, pela atenção em responder a todas essas perguntas, que Deus ilumine seus passos nessa nova caminhada – e, por favor, fique inteiramente à vontade para tecer outros comentários que julgar relevantes para os visitantes do Ponto dos Concursos.

Frank Norder: A coisa mais gostosa depois de passar em um concurso é agradecer.

Então, começo agradecendo principalmente ao meu sogro, Pedro Paulo, pela oportunidade de ter ingressado no mercado de trabalho (escritório de contabilidade); e à minha esposa, Andreza Terezinha dos Santos Norder, a ter suportado a minha ausência durante os meus estudos, a ter suportado o meu estado ansioso, nervoso, e determinado pelo estudo, a ter suportado a minha ausência em diversas festas da família, e ter dado o suporte no meu serviço.

Gostaria de agradecer, também, ao curso Êxito, em Florianópolis, por ter nos fornecido salas de estudo, os chazinhos da dona Lia; aos macetes do professor Bonifácio, um eterno concurseiro, indicações de livros e brincadeiras em sala de aula para descontrair.

Agradeço aos livros da editora Impetus, principalmente aos autores Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino, duas pessoas maravilhosas e muito simples, duas obras-primas da natureza que tive a sorte de cruzar em minha vida; a todos os sites especializados, principalmente ao pontodosconcursos, vemconcursos, previdenciaweb e ricardoferreira; a todos os professores que tive, em especial ao Boni, à Dra. Alayde e ao Marcos; a todos os amigos e parentes que de alguma forma contribuíram para a minha aprovação.

Finalmente, ao grupo de estudo, porque se não fosse ele, talvez não estaria aqui nessa entrevista.

Ficam aqui os votos de que o site pontodosconcursos seja sempre desta forma, claro, gratuito, colaboradores que sabem o que nós passamos durante uma preparação de um concurso.

Pessoal, esta foi a minha jornada de um ano e meio de planejamento e estudo direcionado, e valeu a pena - aproveitem tudo o que vocês tiverem para crescer, tanto profissional como pessoal.

Boa sorte a todos.

Muito abrigado.

Frank Norder