Entrevistas

Marcelo de Vasconcelos Czaya


Aprovado em 31º lugar para SEFAZ/RS - Auditor Fiscal da Receita Estadual 

Natural de Londrina, no Paraná, o Marcelo Czaya é um dos aprovados no último concurso da Sefaz/RS. Com apenas 25 anos, solteiro, formado em Administração de Empresas pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e atual morador de Campo Grande (MS), Czaya, além de estudar, adora esporte, cinema, sair com amigos e tocar guitarra.

Foram 3 anos de intensa preparação, com alguns erros e outros acertos. Agora, com a vida menos agitada, já que passou com folga dentro do número de vagas, o objetivo é se especializar nos temas do Direito Tributário e Legislações do ICMS.

Há 1 ano e 7 meses, para impulsionar e agilizar essa aprovação, ele resolveu contratar a ajuda do Coach Bruno Fracalossi. Não deu outra, logo vieram excelentes resultados. Claro, tudo fruto de muita dedicação, esforço e uma boa orientação.

Para esse concurso foram 3 meses de dedicação total. Como foi essa preparação? Isso é o que o Marcelo nos conta logo abaixo...

Confira a entrevista na íntegra:

Ponto dos Concursos – Marcelo, como conheceu o coaching do Ponto?

Marcelo Czaya – Eu sempre visitava o site do Ponto dos Concursos para ler notícias e artigos dos professores, inclusive os excelentes artigos do Bruno. Eu estudava sozinho, procurando bibliografias e métodos nos livros e na internet. Um dia, vi que o Bruno lançou o projeto de Consultoria/Coaching para concursos e achei bastante interessante ter alguém experiente auxiliando em minha preparação.

Gostei muito da proposta do Coaching, que sempre destacava a pessoalidade do acompanhamento, esperei até ter disponibilidade financeira (vendi um violão na época) e me matriculei.

Ponto dos Concursos – Como era sua preparação antes do coaching?

Marcelo Czaya – Eu considerava que minha preparação era boa antes. Estudava por ciclos e fazia muitos exercícios, mas não acompanhava a evolução dos meus estudos, sem contar erros como estudar com mais de um livro da mesma matéria ao mesmo tempo ou não fazer as revisões de modo adequado – coisas que só percebi após o coaching.

O Coaching me fez perceber a importância de estudar por apenas um tipo de material principal e apenas complementar com outros. A forma de revisar e a metodologia também mudaram, o padrão teoria-resumo-exercícios foi muito importante na minha preparação.

Ponto dos Concursos – Você seguia algum cronograma? Como era sua organização nesse sentido?

Marcelo Czaya – O Bruno elaborou um cronograma de acordo com a minha rotina e área escolhida. De segunda a sábado estudava 7 horas líquidas, uma matéria por hora. Ficava bastante animado em atingir a meta de horas de estudo. Claro que já aconteceu de eu não conseguir e certamente ficava frustrado. Quando isso acontecia, tentava compensar o dia “perdido” ou esquecia e seguia em frente.

Gostei muito da metodologia usada no Coaching. Estudava a teoria, fazia o resumo, lia todos os resumos feitos e fazia os exercícios (sempre tendo como meta o percentual de 80% de acertos).

Ponto dos Concursos – Como era sua rotina de feedbacks com o coach?

Marcelo Czaya – O acompanhamento era praticamente diário. O contato era bem pessoal. Quando eu tinha alguma dúvida ou dificuldade, logo entrava em contato e era respondido. A cada semana eu enviava uma planilha com a porcentagem de acertos, o Bruno analisava e fazia os devidos ajustes na minha rotina de estudos.

Ponto dos Concursos – Como, exatamente, você acredita que o coaching possa ter ajudado?

Marcelo Czaya – O coaching me ajudou em vários aspectos. Não só a parte técnica do coaching (metodologia, metas, cronograma, etc) foi importante, mas a parte emocional também.

O planejamento de estudos era todo elaborado pelo Bruno e meu único trabalho era estudar. A ansiedade diminuiu e a confiança melhorou. Aprendi a estudar de forma eficiente.

Erros como tentar estudar por muitos livros, não descansar e não revisar adequadamente foram corrigidos. Confiei mais na minha capacidade e passei a acreditar na aprovação.

Ponto dos Concursos – Quais foram seus maiores acertos nessa preparação?

Marcelo Czaya – De forma geral os maiores acertos foram: o foco, a definição do que realmente queria, meu esforço correndo atrás de realizar e a escolha da área em que tinha afinidade – isso sem me importar com a opinião dos outros.

Lembro-me de um artigo do Bruno sobre não sair espalhando para todo mundo que está estudando para concursos e assim evitar certos conflitos que podem atrapalhar na preparação. É importante conversar com os familiares próximos para que saibam da sua situação de “concurseiro”.

Em relação ao estudo, acredito que foi fundamental aprender a manter o conteúdo já estudado na memória, o método de fazer e ler todos os resumos anteriores que o Coach apresentou também funcionou muito bem comigo.

Monitorar a evolução nos estudos e estudar por um material principal, seja livro ou PDF, em conjunto com outros tipos de materiais também foi essencial.

Gostar de estudar, para mim, foi fundamental, por isso disse sobre a importância de ter escolhido uma área com que me identifiquei. Claro que tinham matérias de que gostava menos, mas sempre me esforçava para gostar do assunto. Muitas vezes o problema não era o assunto em si, mas a forma do estudo. Uma matéria “chata” com um professor bom se torna interessante.

Ponto dos Concursos – Gostaria de fazer alguma outra observação sobre sua preparação?

Marcelo Czaya – Algo curioso e que me ajudou foi a ideia de colar post-it e quadros esquemáticos na parede do meu quarto. Sempre tinha bloquinhos na mesa de estudos e, quando surgia algum assunto que julgava importante, anotava e colava na parede.

Algumas vezes não me sentia muito confiante, principalmente quando reprovava ou ficava muito longe das vagas. Esse sentimento só atrapalha, o importante é seguir em frente, corrigir os erros e acreditar na aprovação.

 

Ponto dos Concursos – Gostaria de deixar algum recado para o coach Bruno ou fazer alguma observação sobre o acompanhamento prestado?

Marcelo Czaya – Com certeza. Gostaria muito de agradecer a ele pelo excelente trabalho feito e pelo grande apoio técnico e emocional. A sua ajuda e empenho foram muito importantes para as aprovações que obtive.

Lembro que qualquer problema que eu tinha nos meus estudos eu entrava em contato com o Bruno e ele, pacientemente, achava a melhor solução.

Nos 3 meses de acompanhamento, tive um grande salto de qualidade nos meus estudos e a influência do Coaching continuou na minha preparação.

Bruno, muito obrigado mesmo! Você se tornou um amigo. A jornada não foi fácil, mas valeu muito todo esforço. Você já me ajudava antes do coaching com os seus artigos e tenho certeza de que continua ajudando outros que estão nesse caminho. Foi uma honra ter sido orientado por você, que é uma grande pessoa e um excelente profissional.

Resumindo em uma frase de Henry Adams: ”Um professor sempre afeta a eternidade. Ele nunca saberá onde sua influência termina”.

Gostaria de agradecer também ao Ponto dos Concursos pelo espaço e espero que essa entrevista possa ajudar alguém de alguma forma.

 

Entrevista coach – Bruno Fracalossi

 

Ponto dos Concursos – Professor, quais foram os maiores desafios com a orientação do Marcelo?

Bruno Fracalossi – Assim como acontece com todos os meus filhos adotivos (coachees - risos), eu sempre reparo em uma característica principal quando um coachee se matricula e responde ao questionário.

O Marcelo me chamou a atenção pela simplicidade.

Alguns detalhes das respostas ao questionário dele me chamaram a atenção:

“Os objetivos são ter recursos para ajudar minha família, viajar, comprar um apartamento confortável, um carro que não dê problemas mecânicos econtribuir para o desenvolvimento do país.”

“Meu principal hobbie é tocar guitarra tanto com os amigos como em banda em bares (é minha profissão no momento).”

“Na faculdade era mais próximo dos professores, trabalhei um ano como voluntário em um projeto (PIBIC) sobre a qualidade do emprego no estado de MS, e outro ano como bolsista na continuação do projeto. Trabalhava no projeto porque gostava. Eram reuniões com professores e outros colegas, sempre debatendo e estudando aspectos interessantes da economia do Brasil e de MS.”

“Eu sou considerado “certinho” e “velho” pelos meus amigos e familiares. Gosto das coisas certas, gosto de tudo no seu lugar. Sou uma pessoa daquelas consideradas “8” ou “80”! Se gosto de algo, realmente gosto, mas se não gosto, não adianta insistir que não tem jeito.”

“A situação financeira aqui em Campo grande nunca foi muito fácil.”

Fiquei fã desse moleque de cara, assim que eu li essas respostas, principalmente pelo fato de ele querer ajudar a família (o que mostrou o bom caráter que ele tinha). Querer comprar um carro que não apresentasse problemas mecânicos (Simplicidade. Essa foi a melhor!) e contribuir para melhorar o nosso país.

Complementando, ele escreveu sobre como era um rapaz dedicado, comprometido, que não era rico em termos financeiros e que dava valor aos princípios morais e familiares.

O fato de ele ter uma banda também me chamou atenção, pois aquilo era o seu hobbie, o que nos ajudaria muito a aliviar o stress dos estudos. Ele também falou que praticava artes marciais e musculação, ou seja, o cérebro dele estava com um nível de serotonina adequado para uma forte preparação.

Ponto dos Concursos – Em seu ponto de vista, como coach, quais são as maiores dificuldades que os alunos encontram em uma preparação?

Bruno Fracalossi – Com certeza existem fatores comuns, mas também muitas particularidades! Eu já treinei centenas de alunos e lido com todos os tipos de comportamento e situações.

Tratar com pessoas de uma forma tão particular, com problemas tão latentes, e com tanta pressão como é a que um concurseiro é submetido, exige muito estudo de questões psicológicas e de programação neurolinguística.

O coach deve ter um preparo psicológico muito forte. Coaching não é terapia, mas apresenta muitas características dela. Eu sempre afirmo que um bom coach deve ter frequentado uma terapia cognitiva em algum momento de sua vida.

Mas a maior dificuldade na preparação dos meus alunos do coaching é disparado o fator ansiedade.

A ansiedade é o GRANDE MAL DOS CONCURSEIROS, isso é fato!

Acredito que pelo menos 80% dos meus alunos sofrem com excesso de ansiedade.

Muitos querem a aprovação para ontem! Muitos querem estudar 50 horas por semana! E sabemos que não é assim que funciona.

O estudo tem que ser feito de forma tranquila, disciplinada e constante. Temos que elencar metas plausíveis e que se adaptem da melhor forma às demais atividades da vida do aluno.

Eu sempre cobro dos meus alunos que eles vivam o presente, que não esperem ser aprovados em concursos para fazerem as coisas que eles gostam e que lhes dão prazer.

Conciliar tudo isso com os estudos faz ganhar tempo, e não perder.

Muitos deles não saem de casa, não praticam esportes, não fazem as coisas que gostam, pois ficam com a consciência pesada achando que deveriam estar estudando, mas não pode ser assim.

Se você cumpriu a sua meta, você pode muito bem se recompensar sem culpa. Isso faz muito bem! É só ter consciência e não exagerar na dose!

Isso vai diminuir a ansiedade e vai dar mais prazer em estudar e superar essa fase difícil da vida!

Ponto dos Concursos – O Marcelo era um aluno disciplinado? Como era sua rotina com ele?

Bruno Fracalossi – A minha tarefa com o Marcelo não foi tão difícil, pois ele era um rapaz muito tranquilo e dedicado, e conseguimos distribuir bem o tempo de estudos dele aliado aos hobbies e exercícios físicos.

A vantagem nesse caso foi a grande disponibilidade de tempo para os estudos, já que ele não estava trabalhando. Porém, a grande maioria dos meus coachees trabalham, sustentam família e ainda estudam, como eu também sempre fiz. Não se preocupe com isso então.

O nosso foco inicial era o concurso da Receita Federal, mas fizemos o ajuste para os fiscos estaduais com mais ou menos um mês de curso. Eu sempre costumo ressaltar que o aluno deve focar em uma área de concurso, e não em um concurso específico. Isso lhe permite aumentar o número de possibilidade de provas a serem feitas, o que vai resultar em maior chance de aprovação e menor pressão em uma só carreira. E eu digo isso por experiência própria, pois já cometi esse erro também. Leia o meu artigo abaixo para entender melhor como isso funciona:

https://www.pontodosconcursos.com.br/artigos2.asp?art=11691&prof=%20Prof%20Bruno%20Fracalossi&foto=brunofracalossi&disc=Ci%EAncia%20Pol%EDtica%20e%20Discursivas

No caso específico do Marcelo, chegamos ao consenso de que ele estudaria 42 horas líquidas semanais, marcadas no relógio, sendo 35 durante os dias úteis e mais sete aos sábados, conforme divisão de horários abaixo:

 

07:40 - 08:40

08:50 - 09:50

10:30 - 11:30

ALMOÇO

13:00 - 14:00

14:10 - 15:10

15:40 - 16:40

16:50 - 17:50

Nesses sets de uma hora cada, havia alternância de matérias para a melhor absorção dos conteúdos e para o descanso do cérebro. Tudo isso baseado em um programa metódico de planilhamento de informações com o uso de técnicas de Organização e Métodos que eu uso com os meus alunos.

Nem todo mundo dispõe desse tempo, mas isso não é nenhum empecilho para se conseguir a aprovação. Eu sempre digo aos meus alunos que estudar é qualidade e não quantidade.

Não adianta nada você ficar 10 ou 12 horas sentado em uma cadeira se o seu cérebro não conseguir absorver tudo o que você está lendo.

Eu, particularmente, sempre tive como meta 28 horas semanais de estudos. Sempre conciliei atividades físicas, prazeres que eu gostava de ter com os estudos e o trabalho.

O método do Marcelo se baseou na leitura inicial da teoria em conjunto com a produção de resumos extremamente sucintos (que pudessem ser lidos em no máximo 10 minutos por capítulo), revisões periódicas desses resumos e resolução de milhares de exercícios. Tudo isso em conjunto com a leitura permanente das principais jurisprudências do STF e STJ ligadas à área fiscal, além de leis secas.

Esse também foi o método que eu usei para ser aprovado na RFB e na CGU.

Ponto dos Concursos – Como é feito o contato com o aluno? Muita gente fica na dúvida, sem saber se é por videoconferência, por e-mail. Poderia nos explicar um pouco sobre como funciona esse serviço?

Bruno Fracalossi – O nosso contato é feito principalmente pelo nosso fórum privativo, no qual somente eu e ele temos acesso.

Ao se matricular, o aluno recebe uma ligação de boas-vindas e uma entrevista futura é agendada para definição do foco, análise do perfil, ajuste de horários e bibliografias, e dos métodos que serão adotados durante o projeto.

Dependendo do projeto que você contratar, também temos acessos constantes pelo telefone, skype, whatsapp e encontros presenciais.

Ponto dos Concursos – Teria alguma observação especial para fazer sobre a preparação do Marcelo?

Bruno Fracalossi – O Marcelo é um rapaz extremamente dedicado. Ele cumpriu o nosso planejamento de forma fidedigna, batendo 100% das metas estipuladas, e me deu os feedbacks de dois em dois dias e semanais de forma extremamente comprometida e disciplinada.

Ele me ajudou a ajudá-lo, e isso fez toda a diferença. O aluno que contrata o coaching tem que saber que o projeto pode fazer uma grande diferença na vida dele. Mas é ele quem vai estudar, e não o coach. O treinador tem a experiência para dar os atalhos que ele precisa para ser aprovado bem mais rápido. O aluno vai ser estimulado, acompanhado e motivado, mas ele tem que se comprometer a cumprir com disciplina e dedicação aquilo que o Coach lhe determinar.

E o Marcelo fez isso com extrema dedicação, tanto que o resultado veio!

Ponto dos Concursos – Gostaria de deixar alguma mensagem para o Marcelo?

Bruno Fracalossi – Grande Marcelo! Você é um moleque muito gente fina, dedicado, disciplinado e bom caráter! Foi um prazer fazer parte de sua conquista!

Você não sabe o tanto que eu fiquei feliz quando eu recebi o seu e-mail com aquele PASSSSEEEEIIIIIIIIII no título (risos)!

Você conseguiu a aprovação em um cargo TOP, com um salário maravilhoso, e em um Estado lindo como o Rio Grande do Sul! Você está com a vida profissional feita. E você ainda é muito novo!

A sua vida está só começando, e eu tenho certeza de que você será um esposo e um pai de família extremamente dedicado e comprometido, assim como você foi em nosso programa!

Compre o seu carro novo, ajude a sua família, tente melhorar o país naquilo que for possível e, principalmente, seja feliz, meu amigo!

Você merece!

Um grande abraço e conte sempre comigo!

Prof. Bruno Fracalossi


Equipe Ponto dos Concursos.