Entrevistas

Hione Neves


Formada em Ciências Contábeis, a baiana Hione Neves, 33 anos, natural de Santo Amaro, logrou aprovação como Assistente em Administração da UFRB – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Hione, que é casada e tem um filho de 5 anos, foi aprovada em 23º lugar no concurso que oferecia 56 vagas.

Com a ajuda do coach Igor Oliveira e movida por grande vontade de melhorar de vida, Hione estabeleceu um foco, reviu suas formas de estudo e resolveu muitas questões para fixação dos conteúdos. O resultado de seu esforço veio em seguida: a aprovação!

Ponto - Hione, como foi a decisão de fazer um coaching para te auxiliar na preparação para um concurso público? Qual sua percepção do momento e o que mais te motivou?

Hione Neves - A minha história com concursos começa com o exemplo dos meus pais, ambos servidores públicos. Presto concurso desde quando ingressei na faculdade (2000). Tomei a decisão de estudar de verdade para concurso em 05/2013, contudo, os estudos só iniciaram com afinco em 07/2013. Inicialmente foquei no concurso do INSS, mas depois mudei o foco para bancos. Estudei de 07/2013 até a data da prova, que foi em 03/2014. Não obtive a aprovação. Como tinha estudado muito e não obtive resultado, sabia que precisava melhorar, mas não sabia em que e nem como, mesmo sendo bombardeada por tantas informações e dicas que a internet nos oferece. 

Trabalhando na esfera municipal, nomeada em um cargo efetivo com remuneração de um salário mínimo (a remuneração líquida só era maior por ter assumido um cargo comissionado do qual a qualquer momento poderia ser exonerada), me sentia completamente instável financeiramente, ou seja, eu precisava passar! Eu precisava mudar aquela situação!

Apostei todas as minhas fichas no coaching.

Ponto  - Quais eram suas maiores dificuldades e como o coach Igor Oliveira te ajudou?

Hione Neves - De cara a minha dificuldade foi definir o foco. No primeiro dia eu fiquei indecisa e queria mesclar carreira bancária com administrativa, rsrs. O Igor disse que na vida a gente tinha que aprender a tomar decisões rápidas e que aquele era um desses momentos. Lá fui eu e decidi com o coração apertado, mas fui, pois confiava nele.

Ponto  - Como você resume seu método de estudos antes e depois do Coaching?

Hione Neves - Antes estudava por video-aulas e pdf´s apenas. Após o coaching, o Igor abriu meus olhos para o mundo da resolução de questões. Tinha todas as ferramentas, mas não sabia usar, nem distribuir a quantidade mínima necessária.

Ponto  - Muitas pessoas não acreditam no trabalho personalizado de um coaching, conte-nos como foi sua preparação, como era sua rotina com o coach?

Hione Neves - O O Igor me passou um plano de estudos personalizado e com muitas dicas e técnicas de como estudar. Definimos o núcleo duro de disciplinas e seguimos com foco no INSS. Em seguida saiu o edital da UFRB. Conversamos sobre o edital que apresentava disciplinas muito similares às do INSS, desse modo, estudando para esse concurso, eu não sairia do meu foco. Eu disse a ele: tenho chances reais de passar, são 56 vagas! Ele me disse o que eu precisava fazer. Eu fui lá e fiz.

Ponto - Gostaria de deixar alguma dica para quem continua se preparando em busca da aprovação ou alguma observação importante de sua preparação?

Hione Neves - Acho importante frisar a questão do treino. Conhecer a banca e como ela cobra as questões é fundamental. Manter o equilíbrio na sua vida pessoal também é de extrema importância. 

Analise se é o que você quer pra sua vida mesmo e não desista, jamais! Vale muito à pena. Você vai mudar de vida! 

"O  concurso público fecha duas portas: a da pobreza e a da riqueza" (autor desconhecido).

 

Coach Igor Oliveira

Ponto  - Professor, quais foram os maiores desafios na preparação da Hione?

Igor Oliveira - Cada pessoa reage de uma maneira diferente à pressão. Algumas congelam diante da descarga de adrenalina. Outras ficam eufóricas, tagarelas. A Hione se encaixa no último caso.

De fato, ela estava vivendo uma enorme pressão. Ela é mãe, estava insatisfeita com o trabalho e precisava melhorar rapidamente sua renda. Quando me procurou, estava extremamente agitada, ansiosa e querendo resolver “pra ontem” e de qualquer maneira seus problemas.

Trazer a Hione para um estado mental minimamente calmo foi, sem dúvida, o maior desafio, pois é impossível render nos estudos guiado pelo desespero. É preciso ter clareza de pensamentos para exercer a disciplina genuína. Mas a Hione é muito guerreira e estava disposta a ouvir. Raça e humildade. Eram justamente os ingredientes de que precisava.

Resumidamente, trabalhamos em duas frentes:

- Técnicas de estudo – a insegurança da Hione se refletiu numa necessidade compulsiva por escrever. Na ciência cognitiva isso é chamado de “ilusão de competência”, quando o aluno toma atitudes passivas que geram apenas uma sensação de conforto. Movida pelo medo de esquecer a Hione copiava muito na esperança de, ao colocar suas ideias em algo concreto (papel), lembrar do que estudou. No entanto, atitudes inconscientes não agregam conhecimento. O aprendizado humano pressupõe posturas ativas. Copiar por copiar, ler por ler (contando páginas para acabar), grifar por grifar são ilusões de competência. Não agregam conhecimento. Apenas geram uma falsa sensação de segurança.

Assim, não basta apenas saber a técnica fria. É preciso dar vida a ela. Saber aplicá-la, respeitando o perfil cognitivo do candidato. Houve matérias, por exemplo, que utilizamos resumos. Já outras não fizemos resumo algum e ainda houve matérias que nem estudamos, pois a análise custo versus recompensa apontou no sentido de que não valia a pena. Tudo foi analisado, quantificado e transformado em metas.

- Motivação/psicológico – como disse, a Hione estava muito agitada, fruto da necessidade de ter que resolver logo sua situação de vida. Compreensível, claro. No entanto, o Coach tem que atuar no sentido de atender as necessidades do aluno, não suas vontades. Como ela estava muito eufórica, querendo abraçar o mundo, precisei lançar mão de uma técnica que aprendi na Aviação Naval e que a Agência Espacial Americana (NASA) ensina aos seus astronautas.

Os astronautas, diante um evento crítico, que tem o potencial de imobilizá-los de medo, são orientados a desviar sua atenção para outro objeto, como uma conversa com o amigo sobre um jogo de futebol, por exemplo. Esse desvio momentâneo de atenção pode ser a deixa para que o astronauta recobre suas capacidades e foque nos procedimentos de emergência. Com efeito, a atenção regula a emoção. Se você desvia, por um instante, a atenção de uma criança fazendo pirraça, por exemplo, muito provavelmente ela vai parar com a pirraça.

Essa pausa momentânea costuma ser o suficiente para um abrandamento da atividade da região do cérebro responsável pela manifestação das reações emocionais. A ideia era simples: desviar a atenção da Hione da agitação ou dos problemas, ancorar o foco na missão e compactuar com ela determinados protocolos, que ela pudesse utilizar em situações de “emergência”, como se fossem os procedimentos de emergência de uma aeronave. Eu costumo utilizar muito esses protocolos no coaching, pois são de fácil implementação e funcionam bem na prática.

Um psicólogo americano chamado William James (meu favorito) disse assim “aja como se o que você faz fizesse diferença, porque faz”. Ou seja, você não precisa acreditar que é disciplinado, calmo e otimista, basta que você aja dessa forma. E, de tanto insistir, o comportamento passará a modular os pensamentos. Foi esse nosso protocolo. Diante da euforia ou da insegurança, a Hione deveria, pelo menos, tentar agir com serenidade e disciplina. Só agir. Mesmo que estivesse fingindo.

No caso da Hione, de tanto insistir, ela, por fim, já repetia: “tem que se manter tranquila, né professor”? Ou então: “melhor não pensar e fazer, né professor”? A Hione, após repetir mecanicamente certas condutas, desviou sua atenção do medo e passou a agir e pensar de forma diferente. Muito interessante, né? O melhor de tudo que ela nem sabia o que estava rolando nos bastidores. Bobinha (risos).

A vontade gigante da Hione de melhorar de vida, a escolha adequada de que caminho trilhar em cada disciplina, o estabelecimento de protocolos mentais e metas de estudos formou o arcabouço da aprovação da Hione.

É preciso deixar claro que o candidato, para passar, deve amadurecer. Não apenas nas disciplinas, mas como pessoa também. Ele precisa saber como lidar com pressão, enfrentar seus medos e impulsos para dar cabimento às metas de estudo. Se o candidato não agir hoje, não haverá um dia que ele vai mudar de repente. Isso não cai do céu. Mas é possível melhorar com treino e técnica correta.

 

Ponto  - A notícia da aprovação de um aluno é sempre acolhida com muita emoção. Quais as maiores sensações de um Coach, que age diretamente lidando com emoções, frustrações e direcionamento?

Igor Oliveira - Não existe liderança sem sacrifício. Não posso mandar o aluno ser calmo e disciplinado se eu mesmo não sou. Assim, a cada aluno que passa pelas minhas mãos eu cresço muito também, pois vivo cada processo de forma intensa. É desafiador, mas extremamente gratificante ver outra pessoa melhorar de vida e saber que você fez parte daquilo.

Meus alunos são pessoas comuns, que fazem faxina, pagam contas, levam seus filhos à escola, trabalham e tem problemas em casa. É bacana demais ver pessoas como a Hione vencendo a si mesmas e conquistando seus objetivos.

Eu me sinto privilegiado por acordar todos os dias e ter um propósito na vida.

 

Ponto - Uma mensagem para a Hione?

Igor Oliveira - Querida Hione, a lição que gostaria que você tirasse disso tudo é que é possível. Mesmo com filho, trabalho complicado, dificuldades de toda sorte, é possível.

Tudo começou a acontecer na sua vida com um simples passo, quando você decidiu sair da inércia. Muitas pessoas que conheço passam a vida reclamando que não tem dinheiro, apoio, não conquistam o que querem, mas também não se movem. Não dão o primeiro passo.

Vencer a inércia é difícil, mas não poderia ser diferente. As melhores frutas pertencem aos mais audazes, perspicazes, que sabem o momento de lutar e de parar.

Que você realize seus sonhos sempre Hione e que, quando tudo ficar ruim, lembre-se do que enfrentou para estar aqui, hoje. Nunca Hione, mas nunca mesmo, esqueça quem você é de verdade.

Foi um grande prazer servir ao seu lado.

Adsumus!

Igor Oliveira.