Entrevistas

Pedro Henrique Lino Reis


 

Aprovado em 1º lugar para o cargo de analista na área de execução de mandados do TRT-10ª Região

 

A história do Pedro é mais uma que motiva e inspira. Ex-bancário e formado em Direito, Pedro largou a profissão há exatos três anos com uma única meta: passar em um concurso público!

Segundo ele, algumas experiências o motivaram à decisão: “Durante a faculdade, infelizmente optei por dar ênfase maior ao trabalho e, confesso, isso prejudicou bastante meu desempenho acadêmico. Então, durante dois anos fui amadurecendo a ideia de me dedicar exclusivamente ao concurso público pois acreditava, e ainda acredito, que o conhecimento é a chave de tudo, e para obtê-lo demanda tempo”, ressaltou. O Pedro foi aprovado em 1º lugar entre os candidatos que se declararam com deficiência.

Dentre as razões que o fizeram largar a iniciativa privada e dedicar-se exclusivamente ao mundo dos concursos estão a estabilidade do servidor público, a remuneração, a carga horária de trabalho e a qualidade de vida. Fatores determinantes para quem faz essa aposta.

Confira abaixo a entrevista completa que o Ponto dos Concursos fez com o Pedro:

Ponto dos Concursos - Desde o início dos estudos você sempre teve um foco ou foi descobrindo aos poucos?

Pedro Henrique - Sim, desde o início tive um foco: ser analista do Judiciário. Logo quando iniciei os estudos recebi ajuda do meu tio, Ricardo, servidor no TJDFT. Sem sombra de dúvida, ele foi um grande estimulador para que eu largasse tudo e me dedicasse exclusivamente ao concurso público. Lembro-me como se fosse hoje, quando comecei a estudar tive um grande apoio dele, uma injeção de ânimo e parceria.

Quais foram suas maiores dificuldades quando tomou essa decisão?

No meu caso, acho que foi a dependência econômica. Já trabalhava há algum tempo e tinha minhas economias. Podia sair com os amigos, comprar um presente para a namorada (risos). Enfim, tive de optar por depender financeiramente dos meus pais mais uma vez. Isso com certeza foi o mais difícil.

Pedro, explica um pouquinho para a gente qual a fórmula da sua aprovação, já que muitas pessoas acreditam que ela existe. Como estudava? Quantas horas por dia? Fez algum cronograma?

Acho que posso resumi-la em três palavras mágicas: foco, disciplina e perseverança. Juntas, elas fazem de você um grande concurseiro. O foco nada mais é que dar um norte a qual carreira você almeja, se identifica. Esse fator é imprescindível, pois a gama de matérias e de conteúdo varia de um concurso para outro. Assim, você evita um grande erro no mundo dos concursos: sair fazendo prova para tudo quanto é área. O foco ajudará na sua preparação e a obter êxito com maior rapidez. Ter disciplina é, para mim, o segredo do sucesso. Não adianta nada, por exemplo, ter um ótimo cronograma de estudos, contratar um coaching e, na hora do ‘vamos ver’ não cumprir o horário de estudo.

Como sempre ouvi na iniciativa privada, horário foi feito para ser cumprido. Levei comigo essa premissa e foi fundamental para o bom desempenho nos certames.

Somos seres humanos: cansamos, ficamos tristes, decepcionados com o mau desempenho nas provas, mas isso faz parte do jogo. E é aí que entra o último requisito, a perseverança. Perseverar é permanecer, insistir, não desistir. A perseverança é a qualidade que, com o tempo, irá lapidar o seu foco e a disciplina que, somados, o levarão à tão sonhada aprovação.

Iniciei a preparação com cursos tele presenciais, pois acho que é necessário um primeiro contato com os professores de cursinhos para depois partir para leitura de doutrinas, materiais em pdf, etc. Como tinha o dia inteiro livre para estudar, o dividi em duas etapas: no turno matutino, 3 horas e meia no cursinho e, no turno vespertino, de 6 a 7 horas na sala de estudo. Ao final do dia, estudava em média dez horas. Hoje, cheguei a uma conclusão de que cada um tem a sua carga horária de estudo, sejam duas horas diárias, seja o dia inteiro. O que vale realmente é a “qualidade do estudo”, ou seja, se o tempo que você dedicou surtiu efeito, foi proveitoso, conseguiu assimilar todo o conteúdo. Vale dizer, seu desempenho independe do número de horas sentado na cadeira, pois, afinal, quantidade não é sinônimo de qualidade. Se isso não fosse verdade, como é então que teríamos uma imensidão de pessoas que lograram êxito e trabalhavam em tempo integral?

Ter um cronograma de estudo é o princípio de tudo, momento em que você irá adequar a sua disponibilidade de horário com a quantidade de matérias exigidas no concurso que almeja. O cronograma é uma forma de organização do estudo, uma metodologia muito eficaz e essencial para o progresso em sua preparação.

No meu caso, após ler um pouco sobre métodos de estudo, passei a limitar em duas horas diárias para cada matéria, pois evita bastante o cansaço em longo prazo e também há uma melhor assimilação do conteúdo. Em média estudava de três a quatro matérias por dia. É fundamental em sua preparação fazer exercícios, resolver provas, porque é neste momento que será sedimentado o estudo, é a hora que perceberá qual matéria deve se dedicar mais ou até mesmo o conteúdo que a banca examinadora vem dando maior ênfase.

Em sua opinião, quando uma pessoa toma uma decisão como a sua, de largar tudo para se dedicar ao mundo dos concursos públicos, o que é mais difícil? Quais são as reais dificuldades de um iniciante?

Com certeza são as abdicações. Concurseiro não sai muito, normalmente não tem feriado, férias prolongadas (risos). O seu sucesso depende única e exclusivamente de você. Então, é melhor se privar, por certo período de tempo, e alcançar seu objetivo do que tentar conciliar festas, viagens prolongadas e postergar seu sonho. Isso é difícil às vezes de conseguir enxergar, principalmente quando se inicia no mundo dos concursos, mas lembre-se que o retorno, ao final, terá feito valer todas as suas abdicações. Há uma frase de Aristóteles que retrata bem isso: “As raízes do estudo são amargas, mas seus frutos são doces”. Pense nisso!

O que está sendo mais importante para você nesse momento?

Acho que o peso da responsabilidade de passar está bem menor agora. Estou bem mais tranquilo, leve.

Como recebeu a notícia da aprovação?

Foi um momento maravilhoso, uma sensação única. É o momento mais esperado por quem se dedica ao concurso público. Eu estava dentro da sala de estudos, quase quebrando a tecla F5 do notebook, até que saiu o resultado.

Com o coração acelerado e suando frio consegui visualizar o resultado, e então veio a grande alegria: tinha passado. Para saber se não estava delirando (risos) chamei na cabine ao lado minha namorada, que também é concurseira, grande parceira e que me acompanhou durante os três anos de dedicação, para conferir se era verdade e graças a Deus o meu nome estava lá.

Estuda por cursos presenciais e PDF? Qual a diferença que você vê entre um e outro?

Já estudei por cursos presenciais, mas há algum tempo estudo por PDF. Em um primeiro momento acho válido o contato com cursos presenciais ou até mesmo on-line. Penso que é imprescindível assistir à aula, haja vista ser o momento em que você formará um bom material de estudo, seja um caderno, seja um material digitado. Depois, esse conteúdo servirá para futuras revisões e complementações de estudo. O PDF, por sua vez, é um material perfeito para um estudo focado no edital, pois abarca todas as disciplinas previstas no conteúdo programático e, ao final, apresenta um rol enorme de exercícios de provas anteriores.

Recentemente você solicitou auxílio para um recurso, acha que é válido?

É válido. Infelizmente não consegui obter sucesso, mas o conteúdo exposto pelo professor do Ponto foi bom, ajudou a dar uma ideia de como recorrer. Acho que esse trabalho ajuda bastante, pois nos auxilia sobre a melhor maneira de debater e expor os motivos no intuito de majorar a nota.

Se pudesse fazer algo diferente, desde que começou a estudar até aqui, o que seria?

Talvez, ter feito um cronograma de estudos logo quando iniciei. Fui me atentar para isso só depois, portanto acho que me prejudicou um pouco.

Continua na luta por alguma outra vaga ou pretende parar por aqui?

Ainda continuo na empreitada dos Tribunais, mas, quando for nomeado, pretendo mudar o foco nos estudos. O meu próximo objetivo e meu grande sonho é ser membro de carreira do Ministério Público.

Quais dicas você dá para quem continua estudando?

Nunca desista de seus sonhos. Certa vez, durante uma aula num cursinho preparatório para concurso, escutei o professor dizer que existem dois tipos de concurseiros: aquele que passa e aquele que desiste. Ou seja, não há aquele que não passa, pois, mais cedo ou mais tarde, todos alcançam sua meta.

No ramo dos concursos as decepções são recorrentes, mas são essenciais para o seu crescimento, pois a cada frustração mais perto do pódio você estará. Acho que o lado espiritual também ajuda bastante. Independente do seu credo, das suas convicções religiosas, estar bem com o seu interior é fundamental. Estudar não é nada fácil, demanda muito esforço mental, sem contar no fator tempo, afinal, quando seremos aprovados? Para esta pergunta, infelizmente, ninguém tem a resposta. Portanto, faça sua parte, mantenha a calma, a força de vontade, o foco e a disciplina. Saiba esperar, porque ao final todo seu esforço terá valido a pena.