Entrevistas

Tiago Teodoro


Aprovado em 1º lugar para Analista de Apoio Judiciário e Administrativo da 6ª Região do TJ/GO

“O primeiro concurso que eu passei foi no próprio TJ/GO, quando o concurso ainda era feito nas comarcas, para o cargo de Escrivão Judiciário (hoje Analista Judiciário, Área Judiciária). Eu tinha 20 anos e estava no terceiro ano da faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás. Passei em terceiro lugar e só tinha uma vaga. A primeira colocada não quis, a segunda também não, aí me chamaram”, assim o Tiago resumiu sua entrada no mundo dos concursos. Concurso que ele assumiu e logo depois pediu para sair.

Com uma demanda grande de serviços, ele pediu exoneração com alguns meses no cargo. Pouco tempo depois veio o arrependimento e logo voltou a batalhar por uma vaga no serviço público. Em julho do ano passado assumiu no Banco do Brasil. Não satisfeito, assim que surgiu o edital do TJ/GO, começou a estudar e conseguiu essa excelente classificação.

Confira aqui a história do Tiago:

Ponto dos Concursos – Tiago, como foi sua preparação dispondo de pouco tempo para estudar?

Tiago Teodoro – A minha preparação foi um pouco atípica, desorganizada. Na verdade eu tinha entrado no banco em meados de julho, mas só fui para a agência no comecinho de agosto, no mês que saiu o edital do TJ/GO. Eu ainda estava me acomodando, arrumando a casa, aprendendo as coisas no trabalho.

Na verdade, o momento não foi muito auspicioso, mas a oportunidade que havia surgido era aquela e, por mais imperfeita que fosse, valeria a pena tentar agarrá-la.

Esse foi o primeiro concurso estadual (unificado) do TJ/GO, antes as seleções ocorriam em cada comarca. Todo primeiro concurso tem o costume de chamar muita gente, muitos excedentes, e acreditei que, mesmo que não fosse tão bem na prova, por conta do exíguo tempo de que dispunha para estudar, poderia ser chamado dentro do prazo de validade do concurso.

Comecei então a estudar. Em termos de horas, eu acho que deu mais ou menos uma hora e meia por dia, estudando uma e, quando muito, duas matérias por dia.

Pode parecer pouco, mas a verdade é que eu não consigo muito mais do que isso.

Ponto dos Concursos – Tiago, o que você acredita ter sido fator determinante para a sua aprovação?

Tiago Teodoro – Pergunta difícil... Na verdade, ela é difícil porque a gente nunca acha que vai passar. Mas, certamente, algumas coisas ajudaram como o fato de haver várias questões sobre uma mesma matéria, o que reduziu a quantidade de coisas para estudar e foi ótimo para quem tinha pouco tempo.

Além disso, a excelente qualidade do material do Ponto foi de uma precisão cirúrgica, isto é, ele tratava de todos os assuntos relevantes sem perder tempo com bobagem. Economizou até minha organização pessoal, já que as aulas são compostas, na maioria, de teoria, tópicos de revisão e exercícios. O fato de o cronograma seguir o programa do edital ponto a ponto evitou que eu tivesse que ficar buscando um assunto num material, outro em um livro, outro na internet, etc.

Também contribuiu a questão de eu já estar trabalhando (como escriturário do Banco do Brasil), o que reduziu muito a pressão pelo fato de contar com uma rede de sustentação financeira, ainda que modesta, mas permitiu me manter e investir na minha preparação.

Ponto dos Concursos – Você estudava por cursos presenciais ou online? Qual sua preferência e motivação?

Tiago Teodoro – Bom, só fiz curso (tele)presencial uma vez, em 2010, quando fui fazer OAB. Depois disso, só deu o Ponto.

Então eu nem saberia dizer dos outros, mas posso dizer que o curso online correspondeu a todas as minhas expectativas e satisfez todas as minhas necessidades, permitindo adequar o ritmo de estudos à minha capacidade. Isso me fez economizar muito tempo por ser tudo muito completo, organizado e totalmente focado na prova.

Ponto dos Concursos – Gostaria de deixar alguma observação sobre a sua classificação?

Tiago Teodoro – Essa questão de classificação é engraçada. Acredito que o que define quem fica em primeiro, segundo ou terceiro é a sorte, é o fato de acertar uma questão a mais, de deixar de cometer um erro simples de ortografia na redação, a diferença é muito sutil.



Equipe Ponto dos Concursos.