Prof. Fernando Mesquita

02/07/2013 | 20:10
Compartilhar

O poder do inconsciente

Uma das forças mais potentes que há em nós é o poder do inconsciente. Mesmo assim, subestimamos ele constantemente.

Você já começou a fazer questões ou uma prova qualquer, viu o tópico, achou que a resposta era uma e marcou a outra (e errou)? Se você já passou por isso, você já subestimou seu inconsciente. E, se você está estudando para concursos há mais de meia hora na vida, certamente já passou por isso.

Enquanto o consciente (ou seja, aquilo que pensamos e em que prestamos atenção) pode processar cerca de uma dezena de informações simultâneas, o inconsciente processa milhares de vezes mais. Então, quando você lê uma questão, enquanto você acha que está pensando nela, seu inconsciente já começou a processar aquilo e procurar a resposta vários segundos antes de você chegar ao final do item (o que é, inclusive, a fonte da ansiedade, do pânico, da tranquilidade, do alívio, da leitura dinâmica e da fotoleitura e da impressão de que você já viu aquele item no último mês, mas isso tudo é assunto para outro artigo).

Os mesmos princípios aplicam-se à leitura dos mapas mentais, por exemplo. No coaching, gosto muito de trabalhar com eles, porque, em minha opinião, são a MELHOR ferramenta de estudos, embora nem todo mundo se adapte a eles, o que é normal. O mapa mental utiliza demais o inconsciente para processar todas aquelas informações em forma de cores, posicionamento e desenhos. Ao final de um determinado período, você leva cerca de 2 segundos para revisar um mapa completamente e isso, claro, só é possível com a ajuda do inconsciente. Gosto de contar que um antigo cliente que treinei, no auge dos estudos, chegava a revisar 1500 mapas por dia. Em uma hora e meia. Todos os dias. E ele passou bem colocado.

O livro Blink: a decisão num piscar de olhos, do escritor Malcolm Gladwell, fala sobre a importância de se atentar para as decisões rápidas e para a força do inconsciente. Isso nos permite resolver as provas mais rapidamente, acessar uma "força" que muitas vezes é negligenciada e melhorar nossos resultados sem necessariamente aumentar nossos esforços.

É claro que é necessária cautela, também. O autor Daniel Kahneman, no livro "Rápido e Devagar: duas formas de pensar" faz um claro contraponto a Gladwell e mostra falhas nas teorias apresentadas pelo primeiro. Entretanto, não chega a negar a validade de seus achados, mas nos faz perceber o assunto com mais atenção.

O importante disso tudo é que você comece a se atentar para o fato de que sua mente é capaz de absorver, processar e te entregar muito mais do que você acha que ela é. Portanto, passe a prestar mais atenção nela e a cuidar no que ela te diz.

Ao longo do coaching (que, inclusive, tem sido um trabalho muito bacana), trabalhamos alguns pontos que tangenciam a importância e a potência do inconsciente - mesmo que você não perceba conscientemente.

Se estiver precisando de uma mãozinha, estou com vagas para o intensivo da Câmara (Assistente Administrativo) abertas. Dê uma olhada na aula demonstrativa ( http://goo.gl/A8TTh ) e garanta sua vaga.

E você? Tem prestado atenção àquela ferramenta tão importante que é o inconsciente?

Sucesso e bons estudos
Fernando Mesquita
fernando.mesquita@pontodosconcursos.com.br


Comentários

  • 03/07/2013 - Meire
    Prof. esse artigo foi feito pra mim, comigo já aconteceu várias vezes isso, eu nunca tive resposta, só agora lendo esse espaço maravilhoso, me dou contada interferência do inconsciente para meus estudos. Valeu demais! Grande abraço!
  • 03/07/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Olá, Meire. Essa é realmente uma situação muito comum. Fico feliz que você tenha percebido, porque várias pessoas passam a vida sem entender por que certas coisas acontecem. Use sua mente cada vez mais a seu favor, não contra você. Bons estudos e sucesso.
  • 03/07/2013 - Maria Emirene
    Muito interessante esse artigo, vou dar mais atenção nos mapas mentais nos meus estudos.
  • 06/07/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Bacana, Emirene. Dê mesmo. São uma grande ferramenta. Abraço e até o coaching
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: