Prof. Bruno Fracalossi

08/05/2013 | 20:46
Compartilhar

Gabaritos do simulado de Ciência Política.

Olá pessoal, tudo bem?

Conforme prometido, seguem os gabaritos comentados do simulado postado no meu artigo anterior:

01 - (QUESTÃO INÉDITA) - Acerca dos conceitos básicos da Ciência Política, especificamente ao Consenso, analise os enunciados abaixo:

I - O termo Consenso denota a existência de um acordo entre os membros de uma determinada unidade social em relação a princípios, valores, normas, bem como quantos aos objetivos almejados pela comunidade e aos meios para alcançá-lo;

II - a existência de um Consenso total é bastante comum em sociedades homogêneas;

III - O termo Consenso pode ser descrito como um meio-termo ou como uma convergência absoluta de opiniões;

IV - O grau de Consenso em uma sociedade é variável;

V - Uma outra função do consenso é a de conter ou reduzir o uso da violência como meio de solução das controvérsias. Finalmente, o consenso pode ser considerado como fator de cooperação e como elemento fortalecedor do sistema político; ajudará uma sociedade a superar momentos de dificuldade como, por exemplo, casos de guerra ou de crise econômica.

Indique a alternativa que forma a sequência correta:

a) F V V V F

b) F F V V F

c) V F F V V

d) V V F V V

e) V F F F V

Temos que achar a sequência correta.

O item I está correto. Essa é uma definição exata de Consenso.

O item II está errado. Lembrem-se bem disso, pois acredito que possa cair alguma questão assim em sua prova.

Bobbio diz que o Consenso total praticamente não existe. Conforme vimos na questão anterior, é mais razoável se falar em graus variáveis de Consenso, e não no Consenso em si.

Tanto em sociedades homogêneas quanto em sociedades heterogêneas, o que irá variar é o grau desse consenso.

O item III também está incorreto. O Consenso jamais pode ser confundido com um meio-termo, já que o meio-termo refere-se ao fim almejado, e o Consenso não.

O Consenso refere-se a um meio para se chegar à uma solução. Ele não é necessariamente um meio-termo. O Consenso envolve uma negociação para se chegar a um denominador comum, mas não necessariamente a um meio-termo.

Outro erro do item está na expressão do Consenso como uma convergência absoluta de opiniões.

Não há essa convergência absoluta de opiniões. Para se chegar ao Consenso, ambas as partes ocorrerão em perdas e ganhos, sempre.

O item IV está correto. O grau de consenso é variável nas sociedades.

Por fim, o item V também está correto. O Consenso possui a função, segundo Bobbio, de conter ou reduzir o uso da violência.

Gab. - Letra c

02 - (QUESTÃO INÉDITA) Marque a alternativa incorreta sobre os postulados do termo Conflito:

a) O conflito é uma forma de interação entre indivíduos, grupos, classes, organizações ou coletividades. Ele é antagônico e desagregador.

b) Pode ocorrer com o uso de violência. Essa violência pode ser considerada um instrumento utilizável num Conflito social ou político. Não o único, mas é necessariamente o mais eficaz.

c) Todas as situações de conflito são antagônicas e perturbam a ação ou a tomada de decisão por parte da pessoa ou de grupos. Trata-se de um fenômeno subjetivo, muitas vezes inconsciente ou de difícil percepção. As situações de conflito podem ser resultado da concorrência de respostas incompatíveis, ou seja, um choque de motivos, ou informações desencontradas.

d) O conflito pode ter origem econômica, religiosa, cultural, étnica, territorial e na maior parte das vezes está envolvida a falta de recursos e a disputas entre esses. Esses recursos podem ser a riqueza, o prestígio social, poder, cargos, terras etc.

e) A supressão dos conflitos é, contudo, relativamente rara. Assim como relativamente rara é a plena resolução dos Conflitos, isto é, a eliminação das causas, das tensões, dos contrastes que originaram os Conflitos (quase por definição, um Conflito social não pode ser "resolvido"). O processo ou a tentativa mais freqüente é o de proceder à regulamentação dos Conflitos, isto é, à formulação de regras aceitas pelos participantes que estabelecem determinados limites aos Conflitos.

Temos que achar a alternativa incorreta.

A letra a está correta. Realmente, o conflito é uma forma de interação entre indivíduos. Ele é antagônico, pois envolve lados, e também é desagregador, já que geralmente o conflito causa distúrbios.

A letra b está incorreta, e é o nosso gabarito. O conflito pode ocorrer com o uso da violência, mas essa violência não é o meio mais eficaz para resolvê-lo, já que, assim que ela cessar, o conflito poderá voltar.

A letra c também está correta. Todas as situações de Conflito são antagônicas e perturbam a situação vivida por ele. O conflito é sim subjetivo, já que a magnitude dele é diferente para cada agente envolvido. Além disso, ele também pode ser de difícil percepção.

A letra d está perfeita.

Por fim, temos a letra e correta também.

Eu acredito que o utem e será cobrado na sua prova.

Os conflitos são raramente plenamente resolvidos.

Pode-se reprimí-lo, através do uso da força, ou administrá-lo, pela política.

A chance de um conflito político ser plenamente resolvido é praticamente nula.

Gab. - Letra b

03 - (QUESTÃO INÉDITA) - Analise os postulados abaixo sobre o termo Política e indique quais das alternativas abaixo estão corretas:

I - Política é a resolução pacífica dos conflitos.

II - O termo política surgiu na Grécia. Vem do radical politikós, ou polis, que eram as cidades gregas na Antiguidade. Então, política tem a ver com o que está nas cidades em geral. É o estudo da vida em sociedades ou nas polis.

III - O poder político pertence à categoria do poder do homem sobre natureza, não à do poder do homem sobre outro homem. Esta relação de poder é expressa de mil maneiras, nas quais se reconhecem fórmulas típicas da linguagem política: como relação entre governantes e governados, entre soberanos e súditos, entre Estado e cidadãos, entre autoridade e obediência etc.

IV - Embora a possibilidade de recorrer à força seja o elemento que distingue o poder político das outras formas de poder, isso não significa que ele se resolva no uso da força; tal uso é uma condição necessária, mas não suficiente para a existência do poder político.

V - A política não pode ser caracterizada como uma relação de distinção entre amigos e inimigos.

VI - Na ética da convicção seguimos valores ou princípios absolutos - tais como não matar, não roubar, não mentir. Neste caso, a intenção é sempre mais importante do que o resultado concreto das nossas ações. É a ética da moralidade do indivíduo. Para a ética da responsabilidade, maquiavélica ou weberiana, serão morais as ações que forem úteis à comunidade, e imorais aquelas que a prejudicam, visando apenas interesses particulares.

VII - Maria das Graças Rua explicita política como o conjunto de procedimentos e instrumentos formais e informais destinados à resolução armada de conflitos quanto a bens públicos.

a) I, III, VI, VII

b) I, II, III, VII

c) I, II, IV, VI

d) II, III, IV, V, VI

e) III, V, IV, VII

O item I está correto. Essa é a definição clássica moderna da Política.

O item II está incorreto. A origem da palavra política é da Grécia, nas polis, que eram as cidades gregas.

O item III está incorreto. O estudo da Política, dentro da Ciência Política, expressa uma relação de um HOMEM sobre outro HOMEM, não sobre a natureza. O ítem inverteu os conceitos.

O item IV está correto. A política pode envolver o uso da coerção, mas essa não é a mais usual e nem a mais eficaz.

O item V está incorreto. A política é, segundo Bobbio, caracterizada como uma relação de amigos x inimigos.

O item VI está correto também, e foi bem explicado na nossa parte teórica.

Por fim, o item VII está errado. Graças Rua expressa a política como uma resolução PACÍFICA dos conflitos, e não armada.

Gab. - Letra c

04 - (QUESTÃO INÉDITA) - Sobre os conceitos de Poder, marque a alternativa correta:

a) Segundo Bobbio, em seu significado mais geral, a palavra Poder designa a capacidade ou a possibilidade de agir, de produzir efeitos. Ela pode ser referida a indivíduos e a grupos humanos, mas não a objetos ou a fenômenos naturais.

b) Poder também pode ser definido como uma relação entre dois sujeitos, em que um impõe ao outro a própria vontade e lhe determina o comportamento.

c) Em relação ao conceito de Poder, pode dizer-se que não existe praticamente relação social na qual esteja presente, de qualquer forma, a influência voluntária de um indivíduo ou de um grupo sobre o comportamento de outro indivíduo ou de outro grupo.

d) Na visão moderna do termo, dada por Max Weber, Poder significa toda probabilidade de impor a própria vontade numa relação social, sempre sem resistências, seja qual for o fundamento desta probabilidade.

e) O Poder deriva simplesmente da posse ou do uso de certos recursos, e não da existência de determinadas atitudes dos sujeitos implicados na relação.

Temos que achar a alternativa correta sobre os conceitos de Poder.

A letra a está correta, já que, ao contrário do que o enunciado diz, a palavra Poder pode sim se referir a objetos e a fenômenos naturais.

A letra b está perfeita e é o nosso gabarito. Poder é uma relação em que o agente A se impõe sobre o agente B.

A letra c está incorreta. As características presentes no enunciado estão em TODAS as relações sociais que envolvem o Poder.

A letra d também está errada. No poder, sempre há resistências. Se não houver resistência, teremos a autoridade.

Por fim, a letra e peca ao afirmar que o poder não relaciona as atitudes dos envolvidos. Relaciona sim. Não basta ter a posse de algo para conseguir convencer a outra parte.

Podemos citar o exemplo do poder econômico: suponha que o agente A ofereça determinada quantia para o agente B matar o agente C. Se B for uma pessoa honesta e de princípios morais e religiosos, ele não aceitará a proposta por dinheiro nenhum. Observamos então que a posse dos recursos econômicos não moldou a atitude de B.

Gab. - Letra b

05 - (QUESTÃO INÉDITA) - Marque a alternativa incorreta:

a) Autoridade é um gênero ou uma simples fonte de poder. É a base de qualquer tipo de organização hierarquizada, sobretudo no sistema político. É uma espécie de poder continuativo no tempo, estabilizado, podendo ser caracterizado como institucionalizado, ou não, em que os subordinados prestam uma obediência incondicional, ao indivíduo ou a instituição detentores da Autoridade. Ou seja, a Autoridade transmite a mensagem de ordem sem dar razões ou algum argumento de justificação e os indivíduos subordinados a esta autoridade aceitam e obedecem sem questionar.

b) Segundo Bobbio existem três formas de se classificar o poder da autoridade: a primeira é a forma coercitiva sobre a qual a autoridade estabelece suas diretrizes baseadas na aplicação de sanções físicas; a remunerativa, na qual a autoridade é baseada no controle de recursos e das redistribuições materiais; e a normativa, baseada na alocação dos prêmios e privações simbólicas.

c) Ainda segundo Bobbio, uma outra e mais comum definição de autoridade considera que nem todo o poder estabilizado é autoridade, mas somente aquele em que a disposição de obedecer de forma incondicional se baseia na crença da legitimidade do poder. Ou seja, o poder da autoridade é considerado legitimo por parte dos indivíduos ou grupos que participam da mesma relação de poder. Nesta concepção, a autoridade tem o direito de mandar e os subordinados o dever de cumprir com as diretrizes proferidas pela aquela. Portanto, na autoridade, é a aceitação do poder como legítimo que produz a atitude mais ou menos estável no tempo para a obediência incondicional às diretrizes que provêm de uma determinada fonte. Obediência torna-se durável, mas não permanente, pois de tempos em tempos a legitimidade do poder desta autoridade sofre a necessidade de ser reafirmada.

d) Portanto, segundo Bobbio, ainda que como tipo puro constitua a forma mais plena de poder socialmente reconhecido e aceito como legítimo, na realidade da vida social e política, a Autoridade é muitas vezes contaminada e apresenta, sob vários aspectos, uma característica de ambigüidade. Ela pode ser: a) geradora de violência, na medida em que a crença na legitimidade de alguns consente o emprego da força em relação a outros; b) pode ser "falsa" na medida em que a crença na legitimidade não é uma fonte mas uma conseqüência psicológica, que tende a esconder ou a deformar; c) pode ser apenas "aparente", na medida em que o titular legítimo do poder não detém o poder efetivo; d) e pode transformar-se em autoritarismo, na medida em que a legitimidade é contestada e a pretensão do governante em mandar se torna, aos olhos dos subordinados, uma pretensão arbitrária de mando.

e) Os conceitos a seguir representam as definições corretas de:

Poder - LEGITIMIDADE. O AGENTE "A" CRÊ NO PODER DO AGENTE "B". ELE CONFIA EM "B" COMO MERECEDOR DE RECEBER A OBEDIÊNCIA.

Autoridade - O AGENTE "A" OBEDECE O AGENTE "B" NÃO POR CRER NELE, MAS POR MEDO, DINHEIRO, NECESSIDADE ETC.

Nesta questão, temos que achar a alternativa incorreta:

A letra a está correta. A característica principal da autoridade é a obediência incondicional.

A letra b também está perfeita. Foi retirada do dicionário de política do Bobbio.

A letra c está certa. Apesar de a autoridade, na maioria das vezes, ser uma forma de poder estabilizada no tempo, Bobbio sugere que, às vezes, essa estabilização pode não ocorrer.

A letra d também está perfeita.

Por fim, temos o nosso erro na letra a. Ela inverte as explicações dos conceitos de Poder e Autoridade.

Gab. - Letra e

06 - (QUESTÃO INÉDITA) - Marque as alternativas que formam uma sequência correta em relação ao conceito de Dominação:

I - Dominação é a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem de determinado conteúdo, entre determinadas pessoas indicáveis.

II - Segundo Magalhães, a diferença fundamental do conceito de dominação em relação ao conceito de poder, conforme formulados no pensamento weberiano, é o fato de que uma relação de dominação supõe que a obediência prestada aos comandos fundamenta-se no reconhecimento daqueles que obedecem ao conteúdo obrigatório das ordens que lhe foram dadas.

III - Uma relação de dominação supõe que a obediência aos comandos fundamenta-se no reconhecimento dos que obedecem ao conteúdo obrigatório dos ordenamentos. Implica o reconhecimento da autoridade de que está investida a fonte desses ordenamentos.

IV - São três os tipos principais de Dominação: a tradicional, a carismática e a racional-legal.

a) F F F F

b) F F F V

c) F F V V

d) F V V V

e) V V V V

Item I - Verdadeiro. Esse é o conceito clássico de Dominação.

Item II - Verdadeiro. A diferença entre a Dominação e Poder, é que, na dominação, há a obediência do agente B ao A independentemente de maiores explicações ou sentimento de medo. Na Dominação, B respeita A pela legitimidade que A tem para dominar B.

Item III - Verdadeiro. Continuação da alternativa anterior.

A legitimidade resulta na autoridade, e na dominação.

Item IV - Verdadeiro também. Essa é a classificação dada por Max Weber.

Gab. - Letra e

07 - (QUESTÃO INÉDITA) - Acerca dos conceitos básicos de Ciência Política, indique qual das alternativas forma uma sequência correta:

I - Legitimidade é a capacidade de um determinado poder para conseguir obediência sem necessidade de recorrer à coação que supõe a ameaça da força. A legitimidade é o reconhecimento da autoridade, essencial à dominação. Resulta da convicção de que o poder deriva de valores comuns e finalidades compartilhadas.

II - São elementos da soberania: é um poder (faculdade de impor aos outros um comando a que eles ficam a dever obediência) originário, que não depende de outros, perpétuo (não pode ser limitado no tempo) e absoluto (não está sujeito a condições ou encargos postos por outrem, não recebe ordens ou instruções de ninguém e não é responsável perante nenhum outro poder). Ou seja, a Soberania é una, alienável, prescritível e divisível.

III - Alguns autores dividem a Soberania em três posições: Limitada - defendida por Locke. Nessa posição, a Soberania deve atender às leis impostas pelo Estado, ou seja, ela é limitada; Absoluta - defendida por autores como Hobbes e Rousseau. Para eles, a lei é uma ordem técnica, racional, mas ela não exerce efeitos sobre a Soberania. De acordo com essa posição, o poder soberano não conhece limites. Arbitrária - a lei é o capricho do mais forte. O que possui mais poder, detém também a Soberania.

IV - A Ideologia possui dois significados: um fraco e outro forte. No significado fraco, Ideologia é um conceito neutro, que prescinde do caráter eventual e mistificante das crenças políticas. No significado forte, Ideologia é um conceito negativo que denota precisamente o caráter mistificante de falsa consciência de uma crença política.

V - Segundo Bobbio, parte da literatura política designa com o termo Hegemonia (da palavra grega egemonia, que significa "direção suprema", usada para indicar o poder absoluto conferido aos chefes dos exércitos, chamados precisamente egemónes, isto é, condutores, guias) a supremacia de um Estado-nação ou de uma comunidade político-territorial dentro de um sistema. A potência hegemônica exerce sobre as demais uma preeminência não só militar, como também freqüentemente econômica e cultural, inspirando-lhes e condicionando-lhes as opções, tanto por força do seu prestígio como em virtude do seu elevado potencial de intimidação e coerção; chega mesmo a ponto de constituir um modelo para as comunidades sob a sua Hegemonia.

a) V V V V V

b) V V V V F

c) V F V V V

d) F F V V V

e) V F F V V

Vamos comentar as alternativas:

I - Verdadeiro. Esse é um bom conceito de Legitimidade. Um poder legítimo transforma-se em autoridade.

II - Falso. A alternativa está toda correta até chegar ao seu final. De forma contrária àquilo que expressa o item, a Soberania é una, inalienável, imprescritível e indivisível.

III - Verdadeiro. As informações deste item estão no Dicionário de Política do Bobbio. O autor realmente expressa o descrito na alternativa.

IV - Verdadeiro. Perfeito. A ideologia é dividida em dois conceitos: o forte e o fraco.

V - Verdadeiro. Descrição correta do termo Hegemonia.

Gab. - Letra c

QUESTÃO DISCURSIVA

De acordo com o último edital do concurso de EPPGG/09, as provas dissertativas seriam aplicadas da seguinte forma:

10.1 - A Prova Discursiva, a ser aplicada somente para os candidatos a que se refere o subitem 9.3, será constituída de 4 (quatro) partes e valerá, no máximo, 120 (cento e vinte) pontos.

10.2 - Esta prova versará sobre o desenvolvimento de 6 (seis) temas, sendo 1 (uma) Análise de Caso e 1(uma) Dissertação, em um mínimo de 45 (quarenta e cinco) e em um máximo de 60 (sessenta) linhas cada e 4 (quatro) questionamentos, em um mínimo de 8 (oito) e em um máximo de 15 (quinze) linhas cada, em letra cursiva legível, com caneta esferográfica (tinta azul ou preta), observados os roteiros estabelecidos na prova, conforme quadro a seguir:



O tema da prova de Ciência Política foi abordado em uma das questões discursivas, com no mínimo 8 e no máximo 15 linhas.

A pontuação da questão poderia chegar aos 10 pontos, sendo 5 pontos referentes ao uso do idioma, e os outros 5 pontos ao desenvolvimento do tema.

Podemos observar que a questão valia uma boa pontuação. O equivalente a quase 7 questões objetivas de CPO.

Não há segredos para se elaborar uma boa discursiva!

O examinador quer um texto escrito de forma simples, objetiva, com letra legível e sem preciosismos. Faça períodos e parágrafos curtos. O examinador considera bastante este quesito.

Também é muito importante se abordar, de forma clara, todos os tópicos listados pela banca.

Para começarmos, irei resolver a questão discursiva da última prova de EPPGG:

A ESAF não disponibiliza as provas discursivas anteriores em seu site, mas eu consegui o enunciado dela através de um aluno:

Comente as funções de fiscalização, planejamento e incentivo do Estado, conforme o que determina o art. 174 da CF88: "Art. 174. Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado."

Essa questão foi mais relacionada ao tema de Direito Constitucional do que propriamente ao de Ciência Política.

Temos que ser bem sucintos na resposta, já que dispomos de 15 linhas somente. Sugiro respondê-la sem inventarmos moda. Nós somos candidatos a um cargo público, e não um Machado de Assis da vida. Em razão disso, temos que escrever da forma mais simples possível. É isso que o examinador deseja. Ele quer bater o olho na sua redação e entender prontamente o que está escrito ali, sem precisar ler uma segunda vez.

Vamos usar a divisão clássica: introdução, desenvolvimento e conclusão; com parágrafos e períodos curtos.

Segue então uma sugestão de resposta:

A Constituição Federal, em seu artigo 174, dispõe que o Estado deve exercer as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, de forma vinculada para o setor público, e direcionadora para o setor privado. (na introdução, é recomendável que você repita o descrito no enunciado)

O artigo em voga procurou preservar e fortalecer o capitalismo por meio da correção das falhas do mercado e das desigualdades da concorrência irrestrita no livre-mercado. Ao mesmo tempo, procurou também proteger os direitos individuais, a propriedade privada e a capacidade produtiva do empresariado.

O setor público deve atender, de forma plena, a todas essas diretrizes adotadas pelo Estado, em atenção ao princípio da legalidade. Já o setor privado deve somente se basear nessas diretrizes, respeitando as proibições estipuladas, mas sem ficar obrigado a elas.

Verifica-se então que os postulados do livre mercado e da livre iniciativa pautam o ordenamento jurídico e a vida do povo brasileiro.Viram como é simples!

Fomos direto ao ponto, sem floreios desnecessários.

Escrever redação para concurso é muito fácil, basta conhecermos o assunto.

Um abraço.

Prof. Bruno Fracalossi





Comentários

Ainda não há comentários

Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: