Prof. Diego Fontes

22/07/2017 | 17:39
Compartilhar

O que esperar do próximo edital da ABIN?

Finalmente saiu a tão esperada autorização do próximo concurso da ABIN! Foram mais de 5 anos de uma longa espera. Agora é questão de tempo... e de pouco tempo...  para que o edital seja publicado. O que esperar desse edital? Vamos conversar um pouco sobre os editais anteriores e ensaiar algumas previsões com base nessa perspectiva histórica. Agora chega de conversa e vamos ao trabalho!

 

O seu tempo de estrada não é tão essencial como em outros concursos

Os últimos concursos da ABIN foram em 2008 (para a área fim) e em 2010 (seleção voltada para a área meio ou de apoio). Havia mais de 5 anos que a Agência tentava a autorização de um novo certame. Nesse tempo surgiram vários outros concursos, o que tornou bastante improvável que uma grande quantidade de candidatos mantivesse a preparação especificamente para o concurso da ABIN. Essa talvez seja a maior vantagem desse certame, todos os concorrentes sairão mais ou menos da mesma linha de partida, uma vez que os conhecimentos exigidos nas provas da ABIN são bastante específicos e dificilmente são cobrados em outros concursos. Por essa razão esse certame é singular, foge à regra geral dos concursos públicos; nele o seu tempo de estrada nessa vida de concurseiro não é o fator mais importante para a aprovação. Pude ver isso na prática durante o tempo em que trabalhei na ABIN, conheci muitos colegas de trabalho que nunca haviam estudado para outros concursos públicos.

 

Distribuição das vagas

As carreiras da ABIN estão basicamente divididas em áreas fim e meio. A sua área fim, em linhas gerais, está incumbida da realização das principais competências da instituição; por sua vez, a área meio (ou área de apoio) aglutina os serviços de natureza administrativa, como gestão de licitações e contratos, gestão de pessoas, serviço médico, entre outros, e também possui atribuições de gestão técnico-administrativas, suporte e apoio logístico às ações da área fim da Agência. Na área fim temos as carreiras de Oficial de Inteligência e Agente de Inteligência, já na área meio as carreiras de Oficial Técnico de Inteligência e Agente Técnico de Inteligência. A autorização do Planejamento contemplou praticamente todas as carreiras, à exceção da carreira de Agente Técnico de Inteligência. Observe a distribuição das vagas:

 

Oficial de Inteligência  - 220 vagas

Oficial Técnico de Inteligência - 60 vagas

Agente de Inteligência - 20 vagas

 

 

Fases do concurso

 

Carreiras de Oficial de Inteligência e Agente de Inteligência

O último concurso, realizado em 2008, ocorreu em três etapas. A primeira etapa foi de prova objetiva (40 itens de Conhecimentos Gerais e 110 de Conhecimentos Específicos), na qual uma marcação errada no gabarito anulava um acerto, e de prova discursiva valendo 10 pontos tratando sobre temas da atualidade. Ressalte-se que o edital costuma exigir temas da atualidade, mas em todas as últimas discursivas da ABIN foram cobrados temas específicos da Atividade de Inteligência, por isso é essencial a leitura dos exemplares da Revista Brasileira de Inteligência disponibilizados no site da ABIN. Já a segunda etapa envolveu uma investigação social e funcional, mediante o preenchimento de uma longa Ficha de Informações Pessoais – FIP, a realização de uma prova de capacidade física com testes de natação e de corrida, uma criteriosa avaliação médica e a realização de uma avaliação psicológica, que consistiu na aplicação de uma bateria de testes de personalidade, raciocínio, memória, atenção, entre outros. É importante ressaltar que a investigação social e funcional perdura todo o certame, ou seja, o aluno pode ser reprovado por essa investigação até mesmo nos últimos dias do Curso de Formação. E isso já aconteceu em concursos anteriores. Como antecipei, a terceira e última etapa envolve a realização de um Curso de Formação em Inteligência (CFI) no Complexo da ABIN na cidade de Brasília/DF com duração de 400 horas/aula em horário integral e dedicação exclusiva. O CFI é a etapa mais importante do concurso, já que define a classificação final dos candidatos e as cidades de lotação para os Oficiais de Inteligência.

Carreira de Oficial Técnico de Inteligência

O último concurso, realizado em 2010, também ocorreu em três etapas. Vamos pontuar então as principais diferenças em relação ao concurso de 2008, da área fim da instituição. Na primeira etapa, a prova objetiva consistiu em 50 itens de Conhecimentos Gerais e 100 de Conhecimentos Específicos, no mesmo esquema pelo qual uma marcação errada no gabarito anulava um acerto. O edital de 2010 já não mencionou que a discursiva exigiria tema da atualidade como fez o de 2008, mas que poderia fazer referência a qualquer dos pontos das disciplinas cobradas no conteúdo programático. A segunda etapa teve apenas investigação social e funcional e avaliação médica, não tendo previsto a realização de prova de capacidade física e aplicação de baterias de avaliação psicológica. Já a terceira etapa, o CFI, teve duração menor, contando com 250 horas/aula.   

 

Cidades de Lotação

Considerando os concursos de 2008 e de 2010, as carreiras de Oficial Técnico de Inteligência e Agente de Inteligência tiveram lotação apenas na cidade de Brasília/DF. Por sua vez, na carreira de Oficial de Inteligência havia a possibilidade de lotação em qualquer parte do território nacional onde a ABIN tivesse sede, a qual seria determinada pela classificação dos candidatos no Curso de Formação em Inteligência (CFI) e não pela classificação na primeira etapa do concurso. As vagas disponíveis em todo o território nacional foram divulgadas quando da convocação para o CFI, ou seja, não foram disponibilizadas de imediato no edital de abertura do concurso. 

 

Locais de realização das provas

Tanto no concurso de 2008 quanto no de 2010, a primeira e a segunda etapas foram aplicadas nas 26 capitais estaduais e no Distrito Federal. Apenas o CFI foi realizado exclusivamente na cidade de Brasília/DF.

 

Previsão do cronograma

A autorização para realização do próximo concurso da ABIN foi publicada no DOU no último dia 14 de julho. A Agência terá até seis meses para publicar o edital de abertura do concurso. Dentro desse prazo haverá a escolha da banca organizadora, a qual nos últimos concursos tem sido atribuída sempre ao CESPE. Considerando que a ABIN tem bastante pressa para realização deste concurso, apostaríamos num prazo de 3 meses para a publicação do edital. Já com relação ao prazo entre a publicação do edital e a aplicação das provas, no concurso de 2008 esse prazo foi de 60 dias, enquanto no concurso de 2010 foi de 71 dias. Então teríamos aí um prazo máximo de aproximadamente 8 meses para realização das provas, contando a partir de 14 de julho; entretanto, considerando a pressa da ABIN em realizar o certame, apostaríamos que esse prazo máximo até a data da prova seria de aproximadamente 5 meses.     

 

Inovações Legislativas e Alterações na Legislação de Interesse da Atividade de Inteligência

Vamos agora tecer algumas considerações a partir do conteúdo programático da disciplina “Legislação de Interesse da Atividade de Inteligência” para a carreira de Oficial de Inteligência, uma vez que para estes cargos a legislação cobrada é mais abrangente, abarcando os conteúdos das carreiras de Agente de Inteligência e de Oficial Técnico de Inteligência. De 2008 até aqui tivemos as seguintes inovações e alterações legislativas, considerando o conteúdo programático da carreira de Oficial de Inteligência:

 

  • O Decreto nº 6.408/2008 foi revogado pelo Decreto nº 8.905/2016.
  • A MPv nº 434/2008 foi convertida na Lei nº 11.776/2008.
  • A Lei nº 6815/80 foi revogada pela Lei nº 13.445/2017, a nova Lei de Migração, com efeitos a partir 20 de novembro de 2017, já que teve a vacatio legis de 180 dias.
  • A Medida Provisória nº 2.186-16 de 23 de agosto de 2001 e a Lei nº 11.111/2005 foram revogadas pela Lei nº 13.123/2015.
  • Boa parte da Lei nº 8.159/91 foi revogada pela Lei nº 12.527/2011, a Lei de Acesso à Informação (LAI). O Decreto nº 7.724/2012 regulamenta a LAI no âmbito do Poder Executivo Federal.
  • O Decreto nº 4.553/2002 e o Decreto nº 5.301/2004 foram revogados pelo Decreto nº 7.845/2012.
  • Foi publicada a Política Nacional de Inteligência (PNI) no dia 29 de junho de 2016, por intermédio do Decreto nº 8.793/2016.
  • A Política de Defesa Nacional (Decreto nº 5.484, de 30 de junho de 2005) foi atualizada pela Política Nacional de Defesa prevista no Decreto Legislativo nº 373, de 2013.
  • Foi publicada a Lei nº 13.260, de 16 de março de 2016, que ficou conhecida como Lei Antiterror.

 

Considerando as mencionadas alterações e inovações legislativas que incidiram na Legislação de Interesse da Atividade de Inteligência cobrada no concurso de 2008 para a carreira de Oficial de Inteligência, acreditamos que o próximo edital da ABIN deverá contemplar o seguinte conteúdo programático para essa carreira:

 

  1. Lei nº 9.883/99 e alterações - institui o Sistema Brasileiro de Inteligência, cria a Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, e dá outras providências.PDF
  2. Decreto nº 4.376/2002 e alterações - dispõe sobre a organização e o funcionamento do Sistema Brasileiro de Inteligência, instituído pela Lei nº 9.883/99, e dá outras providências.
  3. Decreto nº 8.793, de 29 de junho de 2016 - Fixa a Política Nacional de Inteligência.
  4. Decreto nº 8.905, de 17 de novembro de 2016 - Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança da Agência Brasileira de Inteligência, remaneja cargos em comissão e substitui cargos em comissão do Grupo Direção e Assessoramento Superior - DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE.
  5. Lei nº 11.776/2008 - dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos da Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, cria as Carreiras de Oficial de Inteligência, Oficial Técnico de Inteligência, Agente de Inteligência e Agente Técnico de Inteligência e dá outras providências.
  6. Lei n.º 6.634/79 – dispõe sobre a Faixa de Fronteira, altera o Decreto-lei n.º 1.135, de 3 de dezembro de 1970, e dá outras providências. Decreto n.º 85.064/80 – regulamenta a Lei n.º 6.634, de 2 de maio de 1979, que dispõe sobre a Faixa de Fronteira
  7. Política Nacional de Defesa, prevista no Decreto Legislativo nº 373, de 2013.
  8. Lei nº 7.170, de 14 de dezembro de 1983. Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, estabelece seu processo e julgamento e dá outras providências.DF
  9. Lei nº 13.123, de 20 de maio de 2015. Regulamenta o inciso II do § 1º e o § 4º do art. 225 da Constituição Federal, o Artigo 1, a alínea j do Artigo 8, a alínea c do Artigo 10, o Artigo 15 e os §§ 3º e 4º do Artigo 16 da Convenção sobre Diversidade Biológica, promulgada pelo Decreto no 2.519, de 16 de março de 1998; dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade; revoga a Medida Provisória no 2.186-16, de 23 de agosto de 2001; e dá outras providências.FO
  10. Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração.VÍ
  11. Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991 - Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.
  12. Decreto nº 3.505, de 13 de junho de 2000 - Institui a Política de Segurança da Informação nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal.DF
  13. Decreto nº 7.845, de 14 de novembro de 2012 - Regulamenta procedimentos para credenciamento de segurança e tratamento de informação classificada em qualquer grau de sigilo, e dispõe sobre o Núcleo de Segurança e Credenciamento.
  14. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências.
  15. Decreto nº 7.724, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que dispõe sobre o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do caput do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição.
  16. Parte Especial do Código Penal (Decreto Lei nº 2.848/40) e alterações, no referente aos seguintes tópicos: Título I, Capítulo VI, Seção IV - dos crimes contra a inviolabilidade dos segredos; Título VIII, Capítulos I e II - dos crimes de perigo comum e dos crimes contra a segurança dos meios de comunicação e transporte e outros serviços públicos. Título X, Capítulos III e IV – da falsidade documental e de outras falsidades; Título XI, Capítulo I - dos crimes praticados por funcionário público contra a administração em geral.
  17. Lei nº 13.260, de 16 de março de 2016 - Regulamenta o disposto no inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal, disciplinando o terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais e reformulando o conceito de organização terrorista; e altera as Leis nos 7.960, de 21 de dezembro de 1989, e 12.850, de 2 de agosto de 2013.

 

Não descartaria ainda a possibilidade de ser exigido conhecimento da Resolução do Congresso Nacional nº 2, de 22 de novembro de 2013, que “dispõe sobre a Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência (CCAI), comissão permanente do Congresso Nacional, órgão de controle e fiscalização externos da atividade de inteligência, previsto no art. 6º da Lei nº 9.883, de 7 de dezembro de 1999”.

Recomendo que você tenha cuidado para não estudar por materiais desatualizados. Observe bem se o material que você está estudando contempla todas essas alterações e inovações. O nosso curso de Legislação de Interesse da Atividade de Inteligência está sendo elaborado tendo em perspectiva o que existe de mais atualizado na legislação, com base no conteúdo programático que acima expomos. Por fim, lhe convido a acessar a nossa Aula Demonstrativa que estará disponível no site do Ponto a partir do dia 24 de julho, na próxima segunda-feira. Espero que aprecie o conteúdo e participe enviando sugestões ou críticas. 

Um forte abraço e até a próxima!

Professor Diego Fontes.

 


Comentários

  • 13/01/2018 - Lorrayne Drumond
    Boa noite, professor. Minha dúvida diz respeito a etapa física, tive um problema de saúde a pouco tempo (trombose) e ainda nao me recuperei totalmente para fazer grandes esforços, existe alguma proteção em relação a isso? E o CFI tem treinamentos fisicos tambem ?
  • 17/01/2018 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Lorrayne!
    Não existe previsão... vc concorrerá em situação de igualdade com os demais candidatos.
    O CFI tem treinamentos físicos, mas pelo menos no meu curso não valiam nota.
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 13/01/2018 - leandro
    Professor Gostaria de saber quais são as Disciplinas cursadas no curso de formação de inteligencia ?
  • 17/01/2018 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Leandro!
    São várias disciplinas, mas no meu curso apenas 3 eram avaliadas: produção do conhecimento de inteligência, contrainteligência e operações de inteligência.
    Obrigado pela participação!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 09/01/2018 - ANDRESSA
    Olá, ainda está disponível a inscrição para o curso preparatório?
  • 10/01/2018 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Andressa!
    Está sim. Vou deixar os links:

    Caso você queira participar da Turma Elite (para todas as disciplinas):
    https://www.pontodosconcursos.com.br/CursosOnline/Detalhes/59794/turma-elite-oficial-tecnico-de-inteligencia-area-1-abin-redacao-inclusa

    Se você quiser apenas o meu curso de Legislação:
    https://www.pontodosconcursos.com.br/CursosOnline/Detalhes/58781/atividade-de-inteligencia-e-legislacao-correlata-oficial-de-inteligencia-area-1-abin

    Se tiver interesse no meu curso de discursiva isolado (está dentro da Turma Elite):
    https://www.pontodosconcursos.com.br/CursosOnline/Detalhes/59716/discursivas-para-abin-oficial-de-inteligencia-area-1-com-correcao-individual

    Obrigado pelo interesse!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 08/01/2018 - Magno Soares
    Olá Prof. Diego, para a prova da ABIN é exigido ser fluente em inglês e espanhol?
  • 10/01/2018 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Magno!
    Não precisa ser fluente, basta ter um repertório de vocabulário básico para acertar as questões objetivas da prova.
    Obrigado pela participação!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 03/01/2018 - Gabriel
    Olá, tenho 17 anos e estou a procura de algum concurso a nível médio, acha que esta é uma boa opção? Por se tratar de um órgão que trabalha com o serviço de inteligência, no que este concurso pode se diferenciar dos outros falando sobre dificuldade das provas. Obrigado!!
  • 10/01/2018 - Prof Diego Fontes
    É sim uma boa opção se você tiver identificação com a área de inteligência.
    Se for fazer pela remuneração, recomendo os concursos de nível médio do Judiciário. do Legislativo ou das Cortes de Contas,
    pq o nível médio da ABIN não tem uma remuneração tão atraente e o cargo também não é muito valorizado dentro da instituição.
    Obrigado pela participação!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 23/12/2017 - Jonas
    Professor, muito obrigado pelo artigo.
    Vou tentar o cargo de Agente de Inteligência. A minha cidade é uma capital e tem superintendência da ABIN. Vão me lotar aqui mesmo ou em Brasília-DF?
  • 08/01/2018 - Prof Diego Fontes
    Sim. Todas as vagas de Agente são para Brasília.
  • 14/12/2017 - Arthur
    Ótimo texto! Parabéns, Prof.! Gostaria de saber qual apostila o senhor recomenda para estudar para o concurso da ABIN, já ouvi algumas indicações a respeito do material da Nova Concursos, porém, gostaria de sua opinião profissional e pessoal.
  • 14/12/2017 - Prof Diego Fontes
    Obrigado, Arthur!
    Recomendo nossos cursos aqui do Ponto dos Concursos.
    Abraço.
    Prof. Diego Fontes.
  • 10/12/2017 - regis
    professor quais materias o sr acha que cairá nessa prova?
  • 13/12/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Regis.
    Escrevi um artigo sobre esse assunto para o Ponto.
    Acesse em:
    http://blog.pontodosconcursos.com.br/o-que-esperar-do-proximo-edital-da-abin/
    Abraço.
    Prof. Diego Fontes
  • 10/12/2017 - Augusto
    Professor, muito obrigado por me responder no outro comentário. Sim, não é qualquer um que pode trabalhar na ABIN, concordo totalmente. É que me assustei um pouco ao olhar no site do Cebraspe (antigo Cespe) e ver quantas pessoas foram sendo eliminadas do concurso na segunda e terceira fase.
    Professor, sou funcionário público do Município e ainda estou em estágio probatório. Acha que, se eu conseguir chegar à terceira fase, eu consigo obter permissão do órgão para me afastar das minhas atividades, sem vencimento, para realizar o CFI? Porque não é razoável me pedir que eu abra mão do meu cargo já conquistado, no qual tenho ido muito bem, para tentar a aprovação na ABIN durante o CFI (e se eu for reprovado? Aí fico sem ABIN e sem meu cargo!). E quanto tempo dura o CFI em meses (sei que são 400 horas/aula)?
    No mais, obrigado pelo seu excelente artigo esclarecendo vários pontos.
  • 13/12/2017 - Prof Diego Fontes
    Entendo sua preocupação, Augusto.
    Isso vai depender do seu regime jurídico aí no Município... dê uma olhada se existe alguma espécie de licença dessa natureza prevista em lei municipal. Em 2008 aconteceu algo semelhante com uma pessoa que teve que se exonerar do cargo de Delegado estadual e acabou sendo reprovado no curso de formação da ABIN... ficou sem os dois. Não deixa de ser um risco... o CFI dura aproximadamente 3 meses.
    Obrigado pela participação.
    Abraço,
    Prof. Diego Fontess.
  • 04/12/2017 - Thífane
    Olá professor, tenho ceratocone no olho direito e fiz transplante de córnea no olho esquerdo e uso lente rígida para corrigir a visão do olho direito, será que poderei ser desclassificada do concurso por isso ?
  • 13/12/2017 - Prof Diego Fontes
    Se você consegue enxergar bem, mesmo com correção, acredito que não terá problemas, Thífane.
    Obrigado pela participação!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 03/12/2017 - Augusto
    Boa noite, professor.

    Agora que a ABIN não está mais sujeita ao GSI, extinto, toda essa seleção rigorosamente militar ainda é passível de ocorrer? E no caso de quem chegar à terceira etapa, o CFI, vai ter que se manter durante o curso com recursos próprios? Porque vamos combinar que sair de onde quer que seja e ir para Brasília passar meses no curso não é pra qualquer bolso não.
    Obrigado.
  • 04/12/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Augusto! Tudo bem?
    Seleção militar...? Não considero que a seleção da ABIN seja "rigorosamente militar". É uma seleção rigorosa, de fato... não dá pra colocar qualquer pessoa em uma Agência de Inteligência na qual circulam informações de elevado grau de sensibilidade. Durante o Curso de Formação o candidato recebe uma bolsa que equivale a 50% da remuneração do cargo. Se ele já for servidor público da União, poderá optar por continuar recebendo a remuneração integral do seu cargo.
    Obrigado pela participação!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 10/11/2017 - Andre
    Boa tarde! Também tem TAF no curso de formação, além do exigido no concurso? Seria só natação e corrida? Obrigado!
  • 10/11/2017 - Prof Diego Fontes
    No meu curso de formação não teve TAF... só na segunda etapa do concurso mesmo.
    Abraço!
  • 06/11/2017 - Roberta
    Boa noite!!
    Para Oficial de Inteligência, na segunda etapa a prova de capacidade física envolve os dois testes? De natação e corrida? Ou um ou outro?
    Obrigada!
  • 09/11/2017 - Prof Diego Fontes
    Dois testes! Natação e corrida. A não ser que alterem a Instrução Normativa que regulamenta a prova de capacidade física.
    Obrigado pela participação.
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 05/11/2017 - luciana pereira lope
    PROFESSOR. obrigado pelas dicas:
    minha pergunta é, na investigação social ,que tipos de fatores desclassificaria o candidato?
    obrigado.
  • 09/11/2017 - Prof Diego Fontes
    Em relação a esse assunto, recomendo que dê uma olhada na Instrução Normativa que regulamenta a Investigação Social no âmbito da ABIN:

    http://www.cespe.unb.br/concursos/ABIN2008/InstrucoesNormativas/arquivos/IN001_INVESTIGA____O_SOCIAL___06AGO08.PDF

    Qualquer dúvida pode mandar uma nova pergunta.
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 28/10/2017 - Jorge
    Professor. Durante a realização do curso de formação em Brasilia o vencimento vem normalmente ou apenas um valor mínimo para se manter?
  • 09/11/2017 - Prof Diego Fontes
    Metade da remuneração do cargo.
    Mas se você já for servidor público federal pode optar por receber a remuneração integral do cargo que ocupa.
    Obrigado pela participação!
    Prof. Diego Fontes.
  • 18/10/2017 - bertoni
    Prof. no concurso da ABIN de 2008, para agente de inteligencia, se um candidato tivesse acertado 121 perguntas e errado 29 teria chances de passar na primeira etapa. Grato.
  • 09/11/2017 - Prof Diego Fontes
    O corte da prova de 2008 foi mais alto para o cargo de Agente de Inteligência... beirou os 100 pontos líquidos.
    Obrigado pela participação!
    Prof. Diego Fontes.
  • 04/10/2017 - Ana Paula
    Ótimo artigo! Pena que só o encontrei agora. Minha dúvida é a seguinte: será que o edital vai exigir taf para todos os cargos?
  • 04/10/2017 - Prof Diego Fontes
    Obrigado pelo comentário, Ana Paula!
    Em relação ao TAF, se seguir a lógica dos últimos concursos, só vai exigir para os cargos da área-fim (Oficial de Inteligência e Agente de Inteligência).
    Obrigado pela participação.
    Prof. Diego Fontes.
  • 15/08/2017 - Melina
    Professor, parabéns e obrigada pelo ótimo trabalho e por adiantar o cronograma. Vi aqui em outro comentário que irá divulgar novo post atualizando o apanhado de artigos da RBI. Estou ansiosa! Também gostaria de saber se teria alguma dica sobre a CESPE. Já li que é recomendável deixar questões que não se sabe em branco. Sendo o total 150, qual o máximo que se poderia deixar em branco? Quantas você deixou quando passou para agente de inteligência? Obrigada!
  • 17/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Melina!
    Agradeço demais pelo feedback. Esse tipo de retorno do aluno, seja em forma de elogios ou de críticas, é muito importante para que possamos sempre melhorar a qualidade das nossas aulas.
    Essa atualização das indicações de artigos da RBI será publicada ainda essa semana em forma de artigo aqui no site do Ponto!
  • 17/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Essa questão de deixar em branco é bem pessoal. Conheço colegas que foram aprovadas em concursos do Cespe marcando todos os itens. Isso nunca aconteceu comigo. No concurso da ABIN em 2008, por exemplo, deixei 30 em branco. Se não estou enganado, no gabarito preliminar fiquei com 103 pontos e no definitivo subi para 109. Ou seja, errei pouquíssimos itens daqueles que marquei. Isso se repetiu em todos os outros 5 concursos do CESPE nos quais fui aprovado e nomeado.
  • 17/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Naquelas provas que tinham 120 itens, eu costumava marcar 100. Para fazer isso você precisa estar bem preparado e ter muita frieza na hora de marcar. É o critério que sempre utilizei... "se tiver 1% de dúvida deixarei em branco"... claro que você tem que marcar uma quantidade mínima na prova (que eu considero pelo menos 100 de 120 ou 120 de 150)... daí quando mesmo usando o meu critério ("se tiver 1% de dúvida deixarei em branco") não atingia essa quantidade mínima, eu buscava complementar marcando as questões que tinha mais certeza entre as que havia deixado em branco.
  • 17/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Mas já adianto que não sou coach para concursos públicos, nem tenho formação nessa área. Também nunca fiz nenhum estudo estatístico em relação a isso. Apenas compartilhei contigo a minha experiência pessoal que me levou a 6 aprovações e nomeações. Funcionou para mim, não significa que vai dar certo com outra pessoa.
    Muito obrigado pela participação, Melina!
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 09/08/2017 - Luis Felipe St
    Prof, minha única graduação superior é num tecnologo em comercio exterior (reconhecido pelo mec) e atualmente faço Direito, mas até a posse nao terei terminado. Voce tem conhecimento de algum O.I tecnologo? Eu poderia ter problemas por conta disso? E outra dúvida que é mais uma curiosidade; Tenho formação na aviação e ja trabalhei como piloto, tem alguma area na abin que essa experiencia seria interessante?
  • 16/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Luis!
    O cargo de Oficial de Inteligência (área-fim) aceita formação em qualquer curso de nível superior, inclusive o de tecnólogo. Não há exigência de bacharelado ou de licenciatura.
    Em relação a sua experiência como piloto, pode sim ser aproveitada. Não como piloto da ABIN, obviamente... hehehe mas imagine, por exemplo, que você seja lotado na área de operações e precise recrutar alguém dessa área de aviação... como você já foi piloto, teria uma maior facilidade em se aproximar do alvo. Sacou?! Outro exemplo... suponho que você como piloto já esteve em diversas cidades do país... e deve conhecer muita gente de diferentes áreas de interesse... em inteligência networking é tudo! Enfim... qualquer experiência profissional anterior pode ser aproveitada, mesmo que seja de forma indireta.
    Muito obrigado pela participação!
    E não se esqueça de marcar presença na nossa palestra hoje às 20h30.
    Abraço,
    Prof. Diego Fontes.

  • 02/08/2017 - Bianca
    Prof,
    Qual a real chance de ter vagas para as capitais? Você acha que são altas? Como você já falou, depende da classificação no CF, mas gostaria de ter uma noção real, pq ficar lotada em Brasília, não seria muito bom para mim.
    Outra pergunta: Qual período de duração do CF? As aulas são de segunda à sexta?
    Muito obrigada pelos esclarecimentos.
  • 03/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Bianca!
    Com certeza haverá vagas para as capitais, mas acredito que não para todas elas. A maior parte das vagas deve se concentrar na Região Norte e em Brasília. As aulas do CFI costumavam ser de segunda a sexta.
    Obrigado pela participação!
    Prof Diego Fontes.
  • 02/08/2017 - Gustavo
    Prof. vc acredita que o Teste de Aptidão Física pode ser modificado?
    A instrução Normativa é de 2008.... será que teremos mais exigências?
    Obrigado e Parabéns pelo excelente trabalho, aguardando a aula 2.
    Abs
  • 03/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Gustavo, não acredito que o teste físico seja modificado.
    Muito obrigado pela participação e até a próxima aula!
    Abraço!
    Prof. Diego Fontes.
  • 02/08/2017 - Paulo
    Professor, com base na sua experiência, quais matérias acha que tem maior chance de serem incluídas no próximo edital? Pelo de 2010, Raciocínio Lógico e Matemático me parece bem provável, bem como Informática básica(talvez até alguns temas mais avançados). O que acha?
  • 03/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, Paulo!
    Não acredito que essas disciplinas sejam cobradas para o cargo de Oficial de Inteligência. Para os demais cargos já não seria tão improvável. De qualquer forma, recomendo que concentre seus estudos no que é certeza ser cobrado: Português, Legislação de Inteligência e uma língua estrangeira (inglês ou espanhol).
    Obrigado pela participação!
    Prof. Diego Fontes.
  • 01/08/2017 - Victor
    Professor, muito bom o seu artigo! Estou com uma dúvida quanto ao Curso de Formação em Inteligência (CFI), a terceira etapa. Pelo último edital, o CFI é eliminatório e classificatório. Isso quer dizer que, por exemplo, mesmo se você obter uma média 9,0 no CFI, se todos os outros candidatos obtiverem uma média maior, você poderá não se classificar dentro do número de vagas? Então tem formação de cadastro reserva? Abraço!
  • 01/08/2017 - Prof Diego Fontes
    Obrigado pelo feedback, Victor!
    O CFI tem uma média mínima de 70% por disciplina.
    Quem não atingir essa média mínima em cada disciplina é eliminado.
    A questão de ser classificatório é para fins de escolha de lotação, já que o CFI é quem define a classificação final do candidato e a preferência de escolha é de acordo com a sua colocação.
    Ok?!
    Obrigado pela participação!
    Abraço!
    Prof Diego Fontes.
  • 30/07/2017 - Andre
    Bom dia professor! Quem ja faz parte da Polícia Judiciária e opte pelo carfo de OI após o CFI tem mais chance de ir p área de análise de informações ou operacional? Obrigado
  • 30/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Bom dia, André. A sua experiência anterior com certeza será levada em consideração na escolha da sua lotação, especialmente se você já tiver trabalhado na área de inteligência da Polícia. Mas o que decide mesmo é o seu desempenho durante o Curso de Formação. Você será constantemente avaliado durante o período do CFI.
    Obrigado pelo contato.
    Forte abraço,
    Prof. Diego Fontes.
  • 30/07/2017 - Henrique
    - Boa noite professor. Por que vários candidatos foram excluídos durante o curso de formação ? ... tem a pedido e outros exemplos. Segundo, limite de idade interfere muito, pois vi que no curso de formação tem aula de defesas pessoal, natação, corrida e etc... ) se eu entrar lá com uma pequena dor no joelho e correr 1000 mts em 12 minutos, metade da TAF, isso me desclassificaria ? Vi um outro coach mencionar que transferência é muito dificil na ABIN, ou seja, se me mandarem para a AMAZONIA ficaria lá uns bons 7...10 anos... é isso ? Nossa, mil dúvidas rs rs... Sou ex aluno e ex coachee do Igor, abs
  • 31/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Boa noite, Henrique!
    Não vários, mas alguns foram excluídos por faltas graves, infelizmente não posso falar sobre elas porque o processo foi sigiloso. Mas não se preocupe. Foram faltas realmente graves. No meu concurso não houve prova física durante o CFI, mesmo constando na grade educação física e defesa pessoal. Tivemos aulas dessas disciplinas, mas não fomos submetidos a exames eliminatórios. Remoção é realmente um tema bastante sensível. Imagine que muitos dos candidatos que entraram no concurso de 2008 ainda estão em suas lotações originais, aguardando ansiosamente a finalização do próximo concurso público para que possa haver processo de remoção antes da ocupação das novas vagas. Mas veja o lado bom... na ABIN você só será lotado em Capitais. Espero ter respondido todas as suas dúvidas.
    Forte abraço!
    Prof. Diego Fontes.
  • 25/07/2017 - RODRIGO
    Professor poderia explicar melhor a questão do Porte de arma para a ABIN?
  • 25/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Rodrigo, acompanhe a página principal do Ponto. Essa semana lançarei um eBook gratuito respondendo essas e mais curiosidades reais dos meus alunos. Uma das perguntas diz respeito justamente ao porte de arma para a Abin. Obrigado pela participação. Forte abraço.
  • 24/07/2017 - Pedro
    Professor, para complementar minha dúvida anterior, é comum os novos servidores serem lotados na área operacional? Obrigado!
  • 24/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Sim. Não é nada incomum. Depende muito da avaliação do seu perfil e do seu desempenho durante o Curso de Formação. Obrigado pelo contato! Abraço!
  • 22/07/2017 - André Lins
    Parabéns pelo texto, lúcido e coerente!
  • 22/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Valeu, André. Só lembrando que antecipamos o lançamento da nossa aula demonstrativa. Já está disponível! Espero suas críticas e sugestões. Um abraço!
  • 22/07/2017 - Bianca
    Prof.
    Quais são as carreiras que mais viajam?
    Obrigada
  • 22/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Bianca, com certeza as carreiras da área fim: Oficial e Agente de Inteligência. Na área fim o servidor pode ser lotado na área de Análise ou de Operações... normalmente quem é lotado na área de Operações de Inteligência viaja bastante.
  • 20/07/2017 - ALESSANDRO BAUM
    Artigo de leitura indispensável e de fundamental importância para quem está pensando em fazer esse concurso. Parabéns ao professor pelo trabalho de pesquisa de atualização da legislação brasileira de inteligência.
  • 20/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Muito obrigado, Alessandro! Em breve teremos mais novidades. Não deixe de conferir a nossa Aula Demonstrativa na próxima segunda!
  • 20/07/2017 - Vinícius
    Excelente artigo professor. Poderia sugerir uma coisa? Gostaria que o senhor fizesse novamente um apanhado dos artigos importantes publicados pela Revista Brasileira de Inteligência. Outra coisa, não estou conseguindo acessar as edições antigas da revista no site da ABIN. Há possibilidade de consegui-las em outra fonte?
  • 20/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Muito obrigado pela sugestão, Vini. Você pode baixar as edições da RBI por esse link: http://www.abin.gov.br/central-de-conteudos/publicacoes/
    Em breve postarei um novo artigo nos moldes que você sugeriu, já atualizado com as novas edições da RBI. Não deixe de acompanhar a nossa aula demonstrativa na próxima segunda-feira. Abraço!
  • 20/07/2017 - Pedro
    Professor, servidor da Abin viaja muito? Obrigado pelo artigo!
  • 20/07/2017 - Prof Diego Fontes
    Os servidores lotados na área operacional costumam viajar bastante.
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: