Prof. Ricardo Akl

23/03/2016 | 12:08
Compartilhar

Elaboração de recursos

Olá, concurseiros!

Hoje falarei sobre algo que considero uma fase dos concursos: os recursos. Neste artigo abordarei apenas os recursos referentes aos gabaritos preliminares das questões objetivas e ao padrão de resposta das discursivas.

Após um longo domingo de prova, precedido de alguns meses de estudo, surge o seguinte pensamento: "Esta semana não tocarei nos livros. Vou relaxar, tomar uma cerva, etc.".

"Tah tranquilo, Tah favorável?" NÃO! Vou explicar... Para isso, focarei no modus operandi do CESPE, a mais temida banca, que realiza boa parte dos principais concursos públicos do país.

Normalmente, o CESPE publica o gabarito preliminar das provas objetivas e o padrão de resposta da(s) provas(s) discursiva(s) dois dias após a realização do concurso. E pessoal, acreditem, os recursos modificam totalmente as colocações dos candidatos, ainda mais no CESPE que uma questão errada anula uma certa. Eu  conheço uma pessoa que ganhou 20 (vinte) pontos na prova objetiva de um concurso para o TCU, após a publicação do gabarito definitivo.

Conclusão: o dia que sai o gabarito preliminar (terça-feira) deve ser reservado para o candidato rever questão por questão, com o objetivo de (1) analisar o que errou para entender o assunto e não errar mais e (2) avaliar as questões duvidosas para elaborar os recursos.

Os dois dias seguintes (quarta-feira e quinta-feira) são para a elaboração de recursos, ou seja, o descanso "pós-concurso" iniciará apenas na quinta-feira à noite.

Mas Ricardo, vários candidatos elaboram recursos, o CESPE analisa todos? SIM! Acreditem, eu já vi mais de uma mudança de gabarito justificada com o texto de recursos que eu mesmo elaborei. O melhor disso é ver a postura que o CESPE adota atualmente, os avaliadores estão sendo humildes o suficiente para reconhecer o erro e modificar o gabarito. Parabéns ao CESPE neste quesito.

Falamos dos recursos referentes ao gabarito preliminar da prova objetiva, agora falaremos dos recursos para o padrão de resposta da prova discursiva.

A divulgação do padrão de resposta da prova discursiva é uma iniciativa que o CESPE adotou recentemente. Imagino que isso ocorreu para evitar a  subjetividade da correção deste tipo de prova. Os candidatos ficavam desconfiados dos critérios adotados para correção. Algo que foi amenizado com a iniciativa supracitada.

E, Ricardo, vale a pena contestar o padrão de resposta se eu tenho pouquíssimas chances de ter a prova discursiva corrigida? VALE SIM! Conheço pessoas que deixaram a questão discursiva em branco porque achavam que não tinham chance após a realização da prova objetiva. Adivinhem? Tiveram os nomes relacionados na publicação do resultado com notas excelentes na prova objetiva e com ZERO na prova discursiva... Então, concurseiro, não duvide da sorte, da sua inteligência e nem da mudança de gabarito. Veja o seu rascunho da questão discursiva e elabore recurso para que o padrão de resposta do CESPE adote o que você escreveu, mesmo se achar que suas chances são mínimas.

Vale ressaltar que os recursos devem ser embasados com materiais de boa referência científica. Não utilizem a Wikipédia para suas justificativas, pois as bancas querem fundamentos mais robustos.

Ressalto que falamos dos recursos preliminares. Após a publicação do resultado da prova discursiva, são abertos os recursos individuais para tentar convencer a banca que você falou o que ela esperava. Este outro tipo de recurso será assunto para mais um artigo.

Vou parar por aqui, mas gostaria que assimilassem a ideia de que os recursos devem ser encarados como mais uma fase dos concursos, pois você poderá figurar entre os aprovados em razão do esforço despendido nisso.

Por hoje é só! Caso tenham dúvidas, enviem e-mails para ricardoakl@yahoo.com.br

Abraços.

Ricardo Akl.


Comentários

Ainda não há comentários

Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: