Prof. Igor Oliveira

30/11/2015 | 09:12
Compartilhar

Como ser mais eficiente, parte 3 - Pareto, o sagaz

Vilfredo Pareto foi um economista italiano que viveu entre 1848 e 1923. Em 1897 realizou um estudo onde concluiu que 80% da riqueza se concentrava nas mãos de 20% da população. A partir de então, a Lei de Pareto (ou 80/20) tem sido aplicada a outras áreas e atividades, especialmente como ferramenta de gestão. Por exemplo, deduz-se que, em uma livraria, uma pequena parcela de títulos (20%) é responsável pela maior parte do faturamento (80%). Numa simples análise, fica claro que a livraria hipotética, para maximizar seus esforços, deve focá-los na divulgação/gerenciamento da parcela de títulos que mais vende.

Sendo assim, reescrevendo o princípio e adequando-o ao nosso propósito, podemos afirmar que 20% de nossos esforços correspondem a 80% dos resultados alcançados. Alguns autores derivados costumam ser mais audazes que o próprio Pareto, como o escritor americano Sturgeon que afirma que “90% de qualquer coisa é lixo”.

Em termos objetivos, podemos afirmar que a maior de partes de nossos esforços são inócuos, ou seja não produzem quase nada de concreto em termos de resultado. Para comprovar a teoria, basta você observar como perde tempo com tarefas que apenas ocupam seu tempo, mas não agregam valor de fato como, por exemplo, conversas especulativas nos corredores do trabalho, redes sociais e joguinhos de celulares.

Uma aplicação prática do Princípio de Pareto é que devemos dar atenção ao que é importante primeiro e depois, se sobrar tempo, fazermos o restante. Dessa maneira, conseguimos garantir que ao menos uma parte de nosso dia será alocado a tarefas que, potencialmente, tem o condão de aperfeiçoar nossa vida, como estudar para um concurso público, por exemplo.

Nessa ótica, estudar é importante. TV não é importante. Dar atenção à família é importante. Joguinhos no celular não são importantes. Trabalhar é importante. Ver notícias no trabalho não é importante.

“A Coceira”, arqui-inimiga de Pareto

Quando começamos a dar atenção ao que realmente importa, sentimos uma vontade louca de migrar nosso foco para outro objeto. É uma espécie de coceira, uma sensação de impulso, que nos atiça a fazer algo não importante.

Muito provavelmente você já deve ter notado essa sensação antes. É aquela vontade de pegar o celular e ver a mensagem recebida quando você está lendo seu material de concurso.

Quando sucumbimos à coceira, geralmente inventamos desculpas para endossar o fato de não estarmos atuando de maneira consciente naquilo que interessa. Exemplo de desculpa é aquela de que uma emergência pode acontecer no momento dos seus estudos. Ora, convenhamos, a não ser que você seja médico ou bombeiro (Richard não era, tampouco Joseph), a maioria das situações ditas “emergenciais” podem esperar algumas horas. Além disso, quando não damos atenção a e-mails ou mensagens “urgentes”, muitas delas costumam se resolver sozinhas. Experimente não responder imediatamente um e-mail/mensagem e me conte. O próprio remetente costuma já resolver o problema.

“A Pausa”, o antídoto da coceira

Toda vez que você sentir necessidade de mudar de atividade quando estiver estudando ou realizando qualquer tarefa importante, basta que você tome uma atitude: nada. Isso mesmo que você escutou: nada.

Simplesmente não reaja ao impulso de sair da escrivaninha. Note o impulso, tome consciência dele e estabeleça uma pequena pausa sem fazer coisa alguma. O impulso vai passar. Aos poucos, aquela força invisível que quer tirar você da cadeira vai perdendo forças e deixará você em paz.

No início, como todo início, o impulso de fazer algo diferente ou sem importância será grande. Mas com a prática metódica, o intervalo necessário da pausa será cada vez menor.

Pareto nas disciplinas

Comprovadamente, há certos tópicos dentro das disciplinas que se repetem muito em provas de concurso. Para notá-los, basta você ter um pouco de sagacidade, assim como Pareto teve. Ao realizar as questões, perceba como certos blocos de informação se repetem. Quer ver um exemplo? Leia a frase abaixo extraída do documento chamado Tabela de Eventos, disciplina Contabilidade Pública:

O SIAFI somente validará os documentos de entrada de dados, em termos contábeis, se eles se apresentarem com os eventos que, no todo, completem partidas dobradas (total dos débitos igual ao total dos créditos).

Em que pese o fato de o Manual do SIAFI ser gigantesco, você só precisa saber os blocos de frases chaves que mais se repetem, assim como esse acima.

Com isso, você estudaria apenas uma pequena parcela da matéria (20%) visando a acertar a maior parte das questões que historicamente aparecem (80%). Na frase acima, você nem precisaria ter um entendimento profundo do seu significado. Basta apenas que você se acostume com a sonoridade e marque a resposta na prova. Veja:

(CESPE/TCU 2015) Para o fim de registro contábil, o SIAFI somente validará os documentos de entrada de dados que apresentarem eventos que, no todo, completem as partidas dobradas. Como forma de monitorar ações danosas ou fraudulentas, o usuário que ingressar no sistema terá registrado seu cadastro de pessoa física bem como o horário e o terminal de acesso.

(ESAF/DNIT 2013) O SIAFI somente valida os documentos de entrada dos dados contábeis que contiverem os eventos de que resulte a igualdade entre os totais dos débitos e dos créditos.

(FUNIVERSA/SEPLAG-DF 2010) O SIAFI validará os efeitos contábeis dos documentos de entrada independentemente de eles se apresentarem com os eventos.

(CESPE/CEHAP 2008) O SIAFI só validará os documentos de entrada de dados, em termos contábeis, se eles se apresentarem com os eventos que, no todo, completem as partidas dobradas.

(CESPE/TCU 2007) O SIAFI somente validará, do ponto de vista contábil, os documentos de entrada de dados, se eles se apresentarem com os eventos que, no todo, completem partidas dobradas.

É importante ainda que você seja pragmático e não fique inventando moda. Você não vai ler o manual do SIAFI todo só porque é “legal saber isso” ou por “medo de que possa ser cobrado qualquer coisa”. Se você entrar nessa, além de você ficar doido, você acabará não acertando aquelas questões que são, estatisticamente, carta marcada em provas de concurso.

Uma dica? Baseie-se nas questões. Leia a teoria, mas entenda que o seu esforço de compreensão do conteúdo deve levar em conta o que é cobrado, não o que parece ser uma boa estudar.

Recordando

Se juntarmos o Princípio de Pareto e o de Parkinson, criamos duas regras fundamentais da eficiência:

Regra 1 - dar atenção ao que é importante e fazer o que sobrar no tempo que sobrar (Pareto).

Regra 2 - ser implacável com as distrações quando estiver fazendo o que é importante (Parkinson).

Exemplo prático: deixar a TV e a rede social para o final de semana e alocar parte de seu tempo livre para estudar (Pareto). No momento em que sentar na escrivaninha para estudar se investir de uma determinação implacável para aprender o conteúdo, a ponto de desligar o celular para evitar distrações.

No início você sentirá dificuldades. É normal. Não se sinta frustrado. Todas as boas pessoas passam por essas dificuldades. Faz parte de todo o processo de experimentação.

Abs!

Igor Oliveira.

Curta minha fanpage no Facebook.

Siga-me no Twitter.

E-mail: igor[arroba]pontodosconcursos.com.br.

=====

Programa motivacional para concursos públicos.

E-Book gratuito "Ninguém quer ser concurseiro em uma tarde de verão".


Comentários

  • 07/12/2015 - Antonio Jose
    Mestre, muito obrigado pela excelente série de artigos a respeito da eficiência. Um final de ano repleto de paz, saúde e prosperidade para o Sr. e toda a sua família e que seja do mesmo modo em 2016. Fique com DEUS. Grande abraço ;)
  • 07/12/2015 - Prof Igor Oliveira
    Valeu Antônio! Eu é quem agradeço. Infelizmente neste final de semana não consegui parar para escrever...rs...sinto mesmo. Semana que vem envidarei esforços para tanto. Abs!
  • 06/12/2015 - Andre Luiz
    Achei super produtivo seus 3 Artigos! Ficou show para refletir no final do ano rs
  • 06/12/2015 - Prof Igor Oliveira
    Valeu fera! rs...some não! Gosto muito de tu! Abs!
  • 05/12/2015 - Vitor Caminski
    Boa Fuzileiro! Excelente artigo, excelente analogia usada. Parabéns! Abraços!
    Chivunk!
  • 05/12/2015 - Prof Igor Oliveira
    Caraca véio! Tu sumiu! rs...depois me manda um e-mail...rs...obrigado pelo comentário! Adsumus!
  • 03/12/2015 - LOPES
    Professor gostaria de relatar uma característica pessoal, a vontade repentina de fazer outras coisas aparece após alguns dias de estudo mais continuo, vem com uma grande intensidade, ai vem a TV, a internet, como o senhor disse, não levantar da escrivaninha, a solução é não fazer nada! Esperar e ai....voltar a estudar.
  • 03/12/2015 - Prof Igor Oliveira
    Mas cara, aí é meio diferente. É como dieta. Alguém consegue fazer dieta o ano todo sem parar? Duvido! São ciclos. Eu tb sou assim. Eu costumo tirar uns dias de folga controlados, para chutar o pau da barraca mesmo...rs...talvez seja uma boa pra vc. Abs!
  • 03/12/2015 - Luciana
    Professor, os seus artigos da série "Como ser mais eficiente" estão realmente excelentes, tocando nas feridas :D Parabéns e muito obrigada!
  • 03/12/2015 - Prof Igor Oliveira
    Disponha Luciana! Conte comigo! Semana que vem acho que vou escrever mais um. Estou na dúvida ainda se teremos, além da semana que vem, mais outro. Abs!
  • 30/11/2015 - Phelippe
    Excelente professor! Esse método dos 80/20 está funcionando bem nas minhas fichas, pois agora lembro o conteúdo semanalmente sem esquecê-los, graças às dicas suas dicas. Ah, essa tal da coceira já melhorou bastante. Valeu mesmo Igão.
  • 30/11/2015 - Prof Igor Oliveira
    hehe...pode crer. Melhora mesmo. É só treinar. Aliás, tudo é treino, né Phelippe? rs...abs!
  • 30/11/2015 - Joseane
    A coceira é boa hein Igor. Incrível, mas é bem assim mesmo.
  • 30/11/2015 - Prof Igor Oliveira
    hehe...pode crer. É bem assim, né? Abs!
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: