Prof. Juliana Renz

06/10/2015 | 00:57
Compartilhar

Histórias de concurseiros

Histórias de concurseiros



 



Era uma vez um jovem que estava prestes a se formar, mas ele não sabia que rumo tomar em sua profissão. Após, sua formatura mandou alguns currículos para empresas privadas, entretanto não foi chamado a nenhuma entrevista. As empresas não contratavam mais recém-formados, queriam os pós-graduados e o jovem não tinha condições financeiras para pagar uma especialização.



Com essa exigência do mercado de trabalho, o jovem viu a sua oportunidade nos concursos públicos, tendo a ajuda da família começou a estudar. Porém, seus estudos eram até hilários, pois teve um ensino médio muito fraco, como consequência não sabia nada de português, tão pouco de matemática, então, tinha dificuldades até na acentuação gráfica, a sua própria língua parecia latim diante de seus olhos e ouvidos. O jovem pensava: “Não separe sujeito do verbo, mas cadê esse tal de sujeito?”. “Oração explicativa é com vírgula e a restritiva não vai vírgulas, como assim?”. “Na voz ativa o sujeito é quem pratica a ação, não vejo ação nenhuma”.



O jovem persistiu no meio das suas grandes dificuldades com as disciplinas, iniciou um curso de raciocínio lógico, foram tantas as descobertas. Para aprimorar mais seus conhecimentos, o direito foi seu próximo passo de estudos, enquanto estava nas aulas sentia-se em outro mundo, logo se adaptou e pensou: “Poxa, por que não ensinam essa tal Constituição na escola, até é bem útil para o dia-a-dia”.



Para superar todas essas lacunas de conhecimento, o jovem trancou-se por horas, dias, meses a fio, vida social já não fazia parte do seu cronograma. Ah, o cronograma, pois é... tudo precisava estar ali escrito, as tarefas precisavam ser compridas. Para tomar um sol, ele levava seu cachorro passear, era seu grande amigo de estudos. Foram tantas as recusas de convites para sair, para namorar, para assistia a televisão que o jovem recusou, amigos até se distanciaram porque o menino só dizia: “não posso, tenho que estudar”.



Passaram-se alguns anos e o jovem venceu suas lacunas de ensino, conseguiu entender com muito êxito vários assuntos cobrados em provas de concursos públicos. Hoje, desfruta dos anos de luta, “tudo que se planta tem que se colher um dia” e o jovem colheu, trabalha todos os dias, recebe seu salário que paga suas contas e ainda sobra para o lazer e as economias, viaja várias vezes ao ano, namora, ri com os amigos e comemora os anos de glória pela sua superação.



É isso aí pessoal, são tantas as histórias dos concurseiros, muitos talvez passam por outras coisas, outros até desistem no meio da caminhada, mas independente do percurso, arregacem as mangas e abracem suas escolhas com toda a fé e a força de vontade que possuírem, no final cada pingo de suor terá valido a pena.



Abraços


Comentários

  • 06/10/2015 - Viviane
    Adorei a singeleza da história e me encontrei em vários momentos nela, espero vivenciar também o seu desfecho. Obrigada pela partilha.
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: