Prof. Júnia Andrade

09/09/2015 | 15:28
Compartilhar

Redação - FCC - 7 erros que prejudicam a sua aprovação

REDAÇÃO - FCC - SETE ERROS QUE PREJUDICAM A SUA APROVAÇÃO

         Analisando as correções dos examinadores da FCC, eu, professora Júnia, e o professor Marco Antônio (o “Macarrão”) elegemos sete erros que condenam mesmo as redações dos alunos. Vale a pena conferi-los, antes de enfrentar a prova escrita!

Boa leitura!

Erro nº 1 - A estética do prejuízo

      O maior problema estético das provas abertas em concurso é a letra pouco ou nada legível. Parece que estamos falando algo bem óbvio, mas, considerando em especial nossa era digital, não o é.

      Hoje os antigos cursos de caligrafia estão sendo “ressuscitados” graças à percepção que muitos candidatos já estão tendo sobre a grafia ilegível que possuem.

      O advogado Roberto Teles, por exemplo, que tentava passar em concurso para juiz, sempre foi muito estudioso e chegou à conclusão de que não lhe faltavam exatamente mais conteúdos, porque os problemas do seu texto não estavam nos argumentos.

      Depois de muito sofrer com a negativa nas discursivas, descobriu que prejuízo na nota das provas originava-se sempre do fato de que examinadores não conseguiam entender o que estava escrito nas suas respostas. Conclusão: ele não pensou duas vezes e se matriculou em um curso de caligrafia para dar fim ao problema. Situação contornada: ele foi aprovado no concurso seguinte.

      Então, amigos, a lição do Roberto serve para todos. Façam uma autocrítica sobre o formato da letra de vocês. Para isso, recomendamos um teste simples: peçam a algum colega ou a algum professor para ler em voz alta um parágrafo inteiro escrito por vocês. A depender da velocidade da leitura ou da presença/ausência de truncamento (gagueira) na leitura alheia, você saberá na exata medida se está precisando melhorar a sua letra.

      Vale lembrar o seguinte: exclusividade para letra cursiva em concursos é mito. Você pode escolher a forma da sua letra à vontade, poderá inclusive misturar cursiva com letra de forma. O importante é entregar letras cristalinas para o examinador, porque ele não pode e não deve perder tempo com ilegibilidades.

Erro nº 2 - A leitura incorreta do tema

        A FCC pode trazer tema isolado, em formato de frase, ou pode trazer tema implícito em texto. Identificar essa diferença temática é simples: quando não há a frase isolada após o enunciado da discursiva, o tema é derivado do texto ou dos textos que precedem o comando da prova.

        No caso de o tema estar implícito em um ou mais textos, recomendamos que você leia o texto e grife suas ideias centrais. Na redação, recupere partes do texto e siga promovendo um debate entre parcelas do conteúdo do texto e suas reflexões sobre elas.

        Então, surge a dúvida de muitos: “podemos copiar o texto”?

        Gente, quando o texto é a fonte temática, será preciso sim extrair partes dele para associá-las às nossas reflexões favoráveis ou não a tais partes.

Erro nº 3 - A introdução pouco eficaz

        Não vamos perder tempo com o que é ineficaz.

        Vamos aprender o correto: uma introdução eficaz para a FCC é aquela que aborda objetiva e precisamente o tema. Isso significa retomar palavra chave do tema ou dos textos (quando estes simbolizam o tema). Mas você não pode achar que a retomada de palavra-chave do tema é suficiente para confeccionar uma introdução eficaz.

        A introdução, além de servir para esse trabalho objetivo, deve apresentar, em síntese, a estrutura da dissertação. Trata-se de uma herança que ganhamos das antigas epopeias clássicas (poemas que contam feitos de um herói ou de um povo). Nas antigas epopeias, o aedo (narrador) fazia da introdução ou da proposição (melhor nome) meio de apresentação do conteúdo do poema.

        Então, amigos, na abertura do texto, além de mencionar os termos substanciais do tema, apresentem resumidamente suas principais ideias, de modo que o examinador tenha noção do que será desenvolvido em seu texto.

Erro nº 4 - Falta de planejamento

         Há um conselho que sempre passamos aos alunos, mas estes custam a compreender o porquê da sugestão: fazer a redação, antes de resolver a prova objetiva – pelo menos planejar a redação.

        Infelizmente, quando deixamos a redação por último, temos que correr contra o tempo previsto para o encerramento do concurso. Basicamente esse pode ser visto como o maior erro cometido pelos candidatos, porque um texto precisa de planejamento, para que ele ganhe lógica, clareza e coerência.

        Sem planejamento, ou seja, sem esquematizar os títulos que queríamos dar a este artigo, por exemplo, ele ficaria pouco produtivo, pouco eficiente.

        Então, antes de começar sua redação, faça como seus professores: pense no que quer resumir na introdução. Se você trabalhar bem a introdução, estará garantindo 50% do valor da redação, porque terá uma noção exata de como irá distribuir o assunto no correr do texto.

        Depois de planejar a introdução, pelo menos anote quais meios de prova ou de defesa argumentativa que quer empregar para que seu texto ganhe força de persuasão. Aproveite também para promover uma escala cartesiana na argumentação: apresente em primeiro plano suas ideias e provas mais fortes, deixando sempre por último as mais fracas.

Erro nº 5 - Fontes argumentativas débeis

        Argumentos extraídos do nosso conhecimento de mundo, do que vemos na TV, do que lemos nos famosos jornais e revistas semanais, nos portais “batidos” da internet, infelizmente hoje têm pouco valor para a FCC. Na verdade, a banca refuta essas ideias, porque as considera “vazias” e pouco reflexivas. É um mal da nossa época midiática e a FCC inclusive trouxe este assunto para a prova de redação do TRT da 3ª região (técnico), em 2015.

       Somos “bombardeados” com muita informação sem reflexão, por falsas verdades, jogos da mídia capitalista, denuncismos que “engolimos” sem fazer a “mastigação mental” necessária sobre a finalidade de tudo o que lemos.

        Observem que os temas da FCC hoje são reflexivos e considerados difíceis para a maioria dos candidatos. A banca aborda assuntos como relações de alteridade, conteúdos da literatura contemporânea, problemas gerados pelo consumismo, papel da arte engajada etc.

        Ela tem feito um verdadeiro filtro para peneirar candidatos nos processos seletivos. Mas aí você se pergunta como superar isso. Se você não dispõe de tempo para leituras mais consistentes, talvez seja a hora de investir em cursos que trabalham bem esses conteúdos clássicos da FCC. Do contrário, ficará difícil superar a prova de redação, porque realmente a banca, há anos, não solicita mais assuntos que sejam meramente atualidades midiáticas.

        Se precisar de nossa ajuda, temos no momento, no setor de discursivas do Ponto dos Concursos, dois importantes cursos: um de redação para o TRE-SE e outro para o TRE-PB – em que o aluno passará por aulas ao vivo para aprender a desenvolver argumentos alinhados às expectativas da FCC.

Redação para o TRE-SE

Redação para o TRE-PB

Erro nº 6 - Circularidade

        Uma redação precisa avançar, ou seja, crescer em sua argumentação. Todavia, quando escrevemos um texto sem planejá-lo, é comum que nossa escrita caia em circularidade.

        A circularidade aparece principalmente quando abordamos um assunto, ingressamos em outro e voltamos ao assunto anterior com a intenção inocente de complementá-lo.

        Até concordamos que existem ótimos textos com circularidade, mas é preciso ter o dom da escrita para que a circularidade não seja mera repetição ou imprecisão discursiva.

        O certo e o seguro é você começar uma ideia argumentativa e finalizá-la mesmo, antes de avançar para uma segunda ideia.

        Em resumo, evite voltar a assuntos que você já apresentou em alguma passagem anterior do seu texto.

Erro nº 7 – Desconhecer a função da conclusão

        Concluir um texto é sintetizar de modo inteligente suas ideias. Quando falamos sobre resumir, sintetizar, estamos falando em reiteração, mas isso não significa cópia do que você já escreveu. É preciso usar bem sua amplitude vocabular e mesclar parte do que você já anotou com alguma reflexão final, mas sem fazer que esta transpareça argumento novo.

        As falhas clássicas de conclusão, em concurso público (há diferença em redações para o Enem, por exemplo), são as seguintes: deixar perguntas em aberto ou deixar frases esperançosas ou românticas que aparecem como soluções simplórias para problemas complexos que foram apresentados no texto.

        É isso, candidatos! Aguardem as próximas dicas!

***

Profa. Júnia Andrade e prof. Marco Antônio


Comentários

  • 10/09/2015 - ERLANDSON
    Professora Júnia, você tem previsão quando será lançado um curso regular de redação para Tribunais( TRT, TRF e TRE), com foco na FCC e CESPE? gostaria de muito fazer

    qual o seu e-mail para contato?

    Aguardo resposta
  • 18/09/2015 - Prof Júnia Andrade
    Vamos lançar um curso regular em outubro, Erlandson
  • 09/09/2015 - Wilian Bezerra Andra
    Boas dicas, professora! Parabens...
  • 18/09/2015 - Prof Júnia Andrade
    Obrigada, Wilian! Semanalmente colocarei artigos no site do Ponto.
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: