Prof. Bernardo Barbosa

20/08/2014 | 13:24
Compartilhar

Velocistas e maratonistas.

Olá amigos do Ponto!


Para quem estava achando que ano eleitoral é devagar em termos de concurso público, 2014 está deixando claro que uma coisa não tem nada a ver com outra. Vários certames já ocorreram este ano e vários outros estão com datas marcadas.

Assim, aquela turma que gosta de começar a engrenar nos estudos "apenas quando o edital está na praça" e acreditava que2014 seria fraco em razão das eleições, agora está tendo de correr e correr muito para conseguir dar conta de tanta matéria em tão pouco tempo.

A propósito, no último fim de semana o homem mais rápido do mundo, o jamaicano Usain Bolt, esteve no Rio de Janeiro para uma apresentação.

"Bernardo, pirou? o que uma coisa tem a ver com outra?"

Ao longo desses anos atuando como professor, e mais recentemente também como Coach, tenho identificado determinados perfis de concurseiros, em regra associados a resultados positivos ou a fracassos.

Dentre vários, gostaria de conversar hoje com vocês sobre os "velocistas" e os "maratonistas".

Não sei se você acompanha as competições de atletismo, mas poderia me dizer quantas maratonas (42 km de corrida) o Usain Bolt já ganhou?

Se você não sabe, eu vou te ajudar: NENHUMA.

"Ué Bernardo, mas você não acabou de dizer que ele é o homem mais rápido do mundo?"

É nesse ponto que eu quero chegar.

Ser rápido, veloz, imbatível nos 100m e 200m rasos, não significa ter preparo, endurance, estratégia para ganhar uma corrida de 42 Km. São provas completamente diferentes e que exigem preparação, treinamento, e principalmente ATITUDE MENTAL, extremamente distinta.

Uma coisa é a explosão muscular, é manter a velocidade no máximo por cerca de 10 segundos. Outra coisa é resistir dezenas de minutos correndo, dor no pé, na musculatura, fome, sede, calor, frio ao longo de quilômetros e quilômetros de prova, sem perder o foco, sem descuidar da estratégia.

Da mesma forma meu amigo, minha amiga, uma coisa é durante o curso da faculdade, dar aquele "viradão" estudando toda a matéria de Direito Penal ou de Constitucional do bimestre. Tomar um "red bull", decorar os cadernos, grifar os livros, fazer um resumo com anotações mais importantes, lançar remissões no código ou na constituição e, na manhã seguinte...Pimba! nota 10 na prova!

"E sou fera!". Sem dúvida, um excelente "velocista".

Uma situação distinta é essa mesma pessoa, que se formou com um CR altíssimo na faculdade, sempre tido como bom aluno por todos os colegas e professores, partir agora para um concurso público, com um edital imeeenso, composto de mais de uma dezena de matérias. Será que essa mesma estratégia vai funcionar?

Se você acompanhou meu raciocínio até aqui vai responder: "claro que não!"

Mas muitos, talvez a maioria dos concurseiros, fazem exatamente isso. Ficam agoniados esperando o edital sair, para só então dar um "sprint".

"O edital já saiu? Qual a previsão? O que o pessoal do correioweb está dizendo? Conhece alguém que trabalhe lá para dar uma informação?"

E nisso o tempo vai passando e esse "atleta" segue preocupado com a data da competição, ao invés de se preparar de forma adequada para essa "maratona" dos estudos.

Publicado o edital, começa o desespero!!! Centenas de páginas de livro são "estudadas" em poucas horas, exercícios feitos de forma atabalhoada, vários cursos on line são adquiridos sabendo-se de antemão que será impossível assistir (e anotar e revisar e assimilar) todas as aulas, pois o dia, apesar do edital publicado, continuará tendo apenas 24 horas!

E segue nosso velocista treinando para uma prova de 100m, quando na verdade o que o espera é uma árdua, duríssima e inclemente MARATONA.

Por outro lado, o aluno que se planeja para estudar a médio longo prazo, procura organizar seu tempo de forma a ir cobrindo os pontos do edital, resumindo, fazendo exercícios, REVISANDO. Vai avançando em uma velocidade mais lenta, mas de forma eficaz, decidida, disciplinada.

Segue treinando para a maratona, focando em vencer de forma eficiente cada quilômetro, cada curva, cada ladeira, cada obstáculo ao longo da sua jornada. Apesar da fome, sono, frio, cansaço, segue nosso maratonista avançando pelos pontos do edital, construindo a sua vitória a cada firme "passada" na longa estrada do conteúdo programático. Sem parar jamais! Disciplina, regularidade, constância de propósito! Esses são os faróis que o guiam na árdua jornada.

Amigos, da mesma forma que ninguém vence uma maratona, dando vários "piques" de 100/200m ao longo da prova, ninguém passa em concurso levado pela empolgação surgida a cada edital, com consequente viradas de noites, estudo superficial, frenético, para logo em seguida (após novo fracasso), sentar embaixo de uma árvore completamente exaurido, deixar de treinar, e ficar parado esperando o próximo edital.

Eu me formei no segundo semestre de 2001 e não fiz a prova para Delegado de Polícia Federal de 2002 (foquei primeiro e passei na OAB). Mas comecei para estudar para o próximo concurso imediatamente após a prova de 2002. Quando o edital saiu em 2004 eu já tinha estudado todo o programa do concurso anterior mais de DUAS VEZES! Não foi à toa que passei em 7º colocado.

Já nosso velocista, inconformado, pergunta: "estou exausto, virei noites durante 3 meses, li (sabe-se lá como...) quase todos os livros do edital, fiz centenas de questões...Por que não passei???"

Simples. Concurso é maratona, não é coisa para velocista!

E se você está precisando de uma força para treinar para a sua "maratona", estou abrindo a segunda turma de Coaching para Concursos com início no dia 25, próxima semana. Será uma honra "suarmos a camisa" juntos visando ao seu sucesso. Maiores informações no link abaixo:

Coaching para Concursos com o Prof. Bernardo Barbosa - Turma 2

Afinal, como diz o gênio Einstein: "Insanidade é fazer a mesmas coisas e esperar obter resultados diferentes."

Um forte abraço e firme nos estudos!

Prof. Bernardo Barbosa


Comentários

  • 21/08/2014 - Pericles
    Muito bom o seu texto, professor.
    Digo o mesmo aos meus amigos, acerca do empenho necessario para passar num concurso.
    Pena que alguns acabam desistindo.
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: