Prof. Renato Fenili

18/10/2013 | 18:21
Compartilhar

Aos futuros EPPGG....olha o estudo de caso!!

Caro(a) amigo(a)



Até amanhã, iremos trabalhar dois estudos de caso. Irei disponibilizar não só o caso, mas uma proposta de resolução, com o texto final redigido.


O primeiro caso é sobre o item 7 da programação de Gestão Governamental.

 

 

            O servidor Mintzberg Jr., Gestor Governamental experiente, com passagens pelos Ministérios da Saúde e da Educação, bem como pela Agência Nacional de Águas, foi designado para compor a equipe da Coordenação Geral de Gestão Estratégica, unidade administrativa do Departamento de Planejamento do MPOG.

            Ao assumir a nova atribuição no Ministério do Planejamento, Mintzberg Jr. tomou ciência sobre a gestão estratégica conduzida naquele órgão, cujo horizonte é compreendido entre 2012 e 2015, salientando-se da seguinte forma os principais aspectos:

 

o sistema de planejamento e gestão adotado é o Balanced Scorecard (BSC), contemplando as seguintes perspectivas: impactos para a sociedade, resultados institucionais, processos internos e ações de sustentação;

 

o mapa estratégico está disponível na página 16 do documento constante do seguinte link:http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/Arquivos/publicacao/planejamento_estrategico/130314_planejamento_estrategico.pdf

 

a despeito dos esforços empreendidos, não se tem logrado êxito significativo na consecução do objetivo estratégico “Adotar as melhores práticas de gestão e governança, eliminando gargalos críticos dos processos e fluxos administrativos”, constante da perspectiva “ações de sustentação”. Eis  a descrição deste objetivo, conforme consta do Planejamento Estratégico 2012 – 2015 do MPOG:

 

Para que uma organização atinja seus objetivos finalísticos, é imprescindível que ela conte com processos de apoio eficazes. Frequentemente, falhas nesses processos ocasionam prejuízos na execução da estratégia do órgão. Estas falhas podem ser causadas por inúmeros fatores, tais como: emprego de procedimentos inadequados ou obsoletos, insuficiência dos perfis profissionais adequados, acordos de nível de serviço precariamente definidos e inadequação dos sistemas de informação existentes. Assim, este objetivo visa identificar e sanar um conjunto relevante de deficiências críticas dos processos e fluxos administrativos do Ministério, implementando as ações gerenciais necessárias para tal. O impacto gerado por estas ações deve trazer ganhos mensuráveis aos processos finalísticos e ser visivelmente percebido pelas autoridades do Ministério.

Além disso, o fato de o Ministério do Planejamento adotar uma determinada boa prática agrega credibilidade ao respectivo processo. Sendo órgão central, não é possível sustentar a recomendação de práticas, regulamentações ou normativos se o provedor não a aplica em sua própria gestão. Nessa situação, tanto a prática em si quanto a a capacidade do provedor são questionadas. [...]

 

 Em especial, o gargalo no processo de aquisição de materiais e contratação de serviços, entendido como um dos mais transversais em organizações[1],  é o grande responsável pela barreira na consecução do citado objetivo;

 

O único indicador associado a este processo é o tempo para a conclusão de uma aquisição / contratação que, atualmente, aproxima-se de 120 dias;

 

Há uma série de variáveis quantitativas disponíveis e associadas ao processo em tela, atinentes aos últimos 4 anos: capacidade de recursos humanos envolvidos, número de tramitações processuais, número de compras / contratações efetuadas, montante financeiro despendido, tempo para a conclusão da demanda, horas de capacitação do pessoal da área de compras  etc.

 

O Diretor da Coordenação Geral de Gestão Estratégica, ciente do óbice na consecução do citado objetivo, bem como no intuito de colher subsídios para o próximo ciclo estratégico, solicitou ao servidor Mintzberg Jr. a análise da situação, e a subsequente elaboração de um texto sucinto, o qual discorresse sobre os seguintes aspectos:

adequação (ou não) das perspectivas atuais contempladas no Mapa Estratégico do Ministério do Planejamento, frente às perspectivas clássicas do Balanced Scorecard;

Em face do objetivo estratégico em pauta, propor técnica(s) de diagnóstico aplicável(is) ao processo de aquisição / contratação;

No mesmo contexto, propor técnica(s) de definição de prioridades;

Abordar a possibilidade de se proceder à construção e análise de cenários e, caso julgado pertinente, qual a técnica que seja mais bem aplicável;

Propor indicador(es) de tendência ao processo, avaliando a pertinência de seu uso se cotejado(s) a indicadores de capacidade.

Momento oportuno de se aplicar as eventuais melhorias vislumbradas no processo em análise.

 

           

 

          Amanhã haverá a resolução do caso!

 

E bora estudar! 

 

 

 

 

[1] Conforme análise capitaneada pelo Tribunal de Contas da União.


Comentários

  • 19/10/2013 - Luiz Fernando
    E aí professor, qual sua opinião em relação à decisão do Joaquim Barbosa? Pode refletir na da futura decisão do TRF? Obrigado pela sua opinião e bora voltar pros estudos...
  • 20/10/2013 - Prof Renato Fenili
    Oi, Luiz!

    Deixe para se preocupar com isso após a prova! Agora é foco em fazer um excelente estudo de caso!
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: