Prof. Fernando Mesquita

20/08/2013 | 10:19
Compartilhar

O Sucesso de A a Z - [V] <b>V</b>erso e Prosa - A importância de escrever

Concursando tem de ser artista. Além de equilibrar todas as necessidades da vida pessoal e profissional, ainda precisa ser escritor profissional. É isso?

Quase.


Por pouco, este artigo não apareceu em nossa série, mas reconheço que a escrita é um grande problema para muitos de nós. Tem gente que sente calafrios só de pensar naquela folha pautada de redação, pronta para ser apresentada aos candidatos. Sei que, nesse momento, só de pensar nisso, tem gente suando frio. Mas não há motivo para pânico.


Escrever, como você bem sabe, é uma atividade fundamental, não só para o concurso, como também para sua carreira. Seja de nível médio, seja de nível superior, é esperado do servidor público que consiga se comunicar de forma clara, objetiva e sucinta por meio do código escrito, submetendo à aprovação de sua chefia aquilo que se estabelece como comunicação oficial.


Além disso, é provado que o próprio ato de escrever ajuda na organização das ideias, o que o torna automaticamente uma pessoa mais clara, em todos os aspectos comunicativos.


Nesse momento, vamos falar especificamente da dissertação, ok?


[Nota: Tive por hábito, ao longo de nossa série, evitar temas que eu não domine. Não sou professor de português e não pretendo aqui dar nenhum tipo de fórmula mágica - apenas uma estrutura com a qual estou acostumado e que, nos últimos 10 anos, tem funcionado comigo. Aceito sugestões para melhorar o processo]

 

Começo, meio e fim.

A redação nada mais é do que um texto com um encadeamento lógico que ideias que leva (ou deveria levar) a uma conclusão.

Por mais que a dica seja óbvia, muitas pessoas esquecem que uma redação (assim como quase qualquer texto) precisa ter começo, meio e fim.

 

A redação de atualidades

A regra é simples: em uma redação de conhecimentos gerais, por exemplo, o começo pode conter uma breve abordagem do assunto com duas possibilidades de argumentos - favorável e contrário. O desenvolvimento pode conter (em dois ou mais parágrafos), argumentos relativos a cada um dos tópicos levantados na introdução. A conclusão, por fim, deve fechar o conteúdo e assumir uma das posturas. A estratégia é infalível.

Naturalmente, o sugerido acima é uma simplificação que comporta diversas modalidades. Há várias técnicas de introdução, de desenvolvimento e de conclusão que são exploradas em detalhes em obras especializadas. Entender essa estrutura inicial, entretanto, é ter a certeza de ser aprovado com altas notas na maioria das redações de estrutura mais simples.

 

A redação técnica

A redação técnica é aquela que explora conhecimentos de determinadas áreas ou disciplinas. Recentemente, em uma prova de tribunal para o cargo de Analista Administrativo, o tema foi o Balanced Scorecard (BSC), uma ferramenta do planejamento estratégico.

Quanto a redações técnicas, é importante conhecer razoavelmente o assunto. Caso o candidato não soubesse as quatro dimensões da ferramenta (Clientes, processos internos, financeira, aprendizado e crescimento), ficaria imensamente difícil rascunhar o texto. E muitos candidatos saíram sem ter a menor ideia do que se tratava (eu mesmo, que fui fazer a prova, achei graça dos comentários do pessoal nos portões: "e aquela parada lá da redação? BCS (sic)? Não sabia nem como errar".

A dica é: se o edital cobrar temas específicos (técnicos) na redação, prepare-se de acordo. Quando estiver estudando ou revisando as matérias, crie pequenos cartões com aqueles temas mais comuns e os que você menos domina. 

No caso específico de Administração, por exemplo, cada cartão pode conter, a respeito do assunto: definição, criadores, expoentes doutrinários (aqueles autores mais importantes) momento histórico (data e conjuntura), vantagens, desvantagens e aplicação, bem como principais características. Esse cartão, além de te ajudar a obter uma excelente nota na hora de escrever, ainda vai ajudar a entender os tópicos com mais profundidade, porque a preparação para escrever é diferente da preparação que usamos para simplesmente marcar a opção certa no cartão de respostas.

Também é de grande valia analisar provas anteriores para o mesmo cargo e provas para cargos semelhantes para saber o que tem sido cobrado. As bancas costumam seguir tendências em termos de assuntos e de dificuldade. Pratique as redações anteriores - o pior que pode acontecer é você se aprofundar em assuntos importantes.

Por fim, claro, se tiver tempo, faça o máximo de redações possíveis sobre os mais variados temas - a melhor forma de se manter alinhado com as possbilidades de cobrança.

 

Fique de olho - os erros comuns

 

Fuga do tema - começo minha redação falando sobre programas de TV. O desenvolvimento trata da juventude e das drogas e encerro falando sobre a necessidade de o governo ser mais atuante em sua legislação sobre os royalties do petróleo. Fuga do tema significa nota zero. Fique ligado.

 

Palavras difíceis - se não souber exatamente o significado de uma palavra, não use. Palavras pouco comuns, quando bem utilizadas (com parcimônia e no contexto certo) podem denotar, ao examinador, um certo grau conhecimento da língua, o que pode ter impacto positivo. Cuidado para não dificultar muito e parecer pedante. Um texto bem escrito e bem concatenado vale mais do que um bando de palavras difíceis amontoadas.

 

Uso da primeira pessoa - a modalidade de redação cobrada nos concursos, costumeiramente, é a dissertação argumentativa - texto em que se apresentam fatos ou opiniões sobre determinado assunto. Embora sejam opiniões, evite o uso da primeira pessoa. Em vez de “Eu acredito”, use “acredita-se”.

 

Eco - segundo Dad Squarisi, “a rima é qualidade da poesia, mas defeito da prosa. É o eco.” e cita como exemplo:

 

“Houve muita provocação e confusão na reunião da diretoria”.

 

A importância do rascunho revela-se nesse momento. Quando fecha o tempo, percebemos um certo incremento de um sentimento de perda de tempo. Queremos correr. O rascunho, então, ajuda a evitar o tão falado e difamado eco, vilão de qualquer redação. Basta prestar atenção e ver que o efeito não é tão bom. Percebeu?

Escreva, escreva, escreva. Crie um blog, conte histórias, escreva um diário. Mas comece a escrever. Leia. Aprenda algumas ferramentas da língua. Se quiser se aprofundar no tema, recomendo o livro Comunicação em prosa moderna, do autor Othon M. Garcia. Excelente livro que trata dos principais pontos do discurso, sem as preocupações excessivas com a gramática - é voltado para o comunicar.

Como você tem se comunicado? Deixe um recado e comunique-se, abra-se, escreva um versinho ou diga o que acha dos temas de redações que tem encontrado ao longo de sua trajetória. Adicione o escrever à sua rotina - fundamental para o sucesso.

 

Sucesso e boas redações.

 

Fernando Mesquita

Coach | Ponto dos Concursos

fernando.mesquita@pontodosconcursos.com.br

 

Este artigo faz parte do grupo "Sucesso de A a Z", meu compromisso estabelecido com a grande comunidade do ponto em 29/07/2013. Um artigo por dia, cada um com uma letra do alfabeto no título. Sugestões? Comentários? Ansiedades? Deixei seu recado e faça parte de nossa crescente comunidade.

Comentários

  • 21/08/2013 - Bruno
    Fiz uma prova discursiva em meu primeiro concurso sério ATRFB 2012, com certeza se tivesse tirado uma nota extremamente boa, ficaria entre as vagas do concurso, subiria muito minha posição, mas não fiquei nem entre os excedentes. Porém no meu caso, eu ainda não estava muito preparado para o tema. Por fim, o que quero dizer é que quando se faz uma prova discursiva de ótima a excelente, suas chances de ser aprovado e galgar uma posição na frente da tabela aumentam muito. Treinar, treinar e treinar, essa é minha dica.
  • 26/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Fala, Bruno. É verdade, uma boa nota na discursiva costuma ajudar bastante. Também já passei por essa questão de não estar preparado para o tema, apesar de uma boa colocação na discursiva, o que mostra a necessidade de equilíbrio na preparação e cuidado com todas as etapas. Obrigado pelo comentário e sucesso,
  • 20/08/2013 - Silvana
    E como é importante escrever bem nas provas discursivas. Confesso que não tenho treinado escrever redações com frequência por estar estudando atualmente para provas objetivas, mas sei o quanto isso tb é importante. Tenho aprendido que quanto mais a mensagem for transmitida de forma simples e objetiva melhor. É bom pensar na figura do examinador, em dizer logo pra ele em seu texto aquilo que ele está esperando "ouvir" / ler. Já fui eliminada de uma prova escrita em que fiz pontuação excelente na objetiva. Foi o MPU de 2010. Fiz algo em torno de 78% na objetiva e tirei menos de 5 na subjetiva. Bastava tirar 5 para ser aprovada com colocação muito boa! Foi uma prova do CESPE. Mas sei exatamente o que me tirou da jogada. Não foi falta de conhecimento sobre a pergunta, foi apenas a ansiedade de mostrar conhecimento que não era o desejado pelo examinador. De lá pra cá sempre penso no que o examinador quer saber e não no que eu quero dizer.
  • 26/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Silvana, escrever bem, de fato, é fundamental. Praticar, nem que seja de vez em quando - uma vez por semana, quiçá mais, é sempre interessante. 78% realmente é uma nota excelente. Por um lado, indica que seu esforço na discursiva tem dado certo, não é? Continue praticando e muito em breve conseguirá o que quer. Obrigado por comentar. Abraço e sucesso,
  • 20/08/2013 - Grazielle Rodrigues
    "Sei que, nesse momento, só de pensar nisso, tem gente suando frio." Me identifiquei na hora! Morro de medo de escrever. E para piorar já fui reprovada em redação. =/
    Vou seguir a sugestão de escrever sempre, mesmo que seja um diário, um blog ou algo parecido.

    Ah, aproveito para parabenizá-lo pelos artigos professor! Estou "in love" com os artigos do "Sucesso de A a Z". rs

  • 26/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Grazielle, hehehe... Sabia que pegaria alguém no "suar frio". Mas é isso mesmo. Tem certas partes da prova que dão calafrios só de pensar. Nossa tarefa como candidatos competitivos, em parte, é lidar com essa ansiedade e combatê-la adequadamente. Muito obrigado por comentar, acompanhe toda a série e o livro, que deverá ser lançado em breve, ok? Abraço e sucesso.
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: