Prof. Fernando Mesquita

03/08/2013 | 10:51
Compartilhar

O sucesso de A a Z - [E] <b>E</b>xcelência

"Mas Fernando, quando você falou que ia escrever todos os dias, REALMENTE quis dizer TODOS os dias?" Sim. Todos os dias. E sábado, cá estamos. Tirando a poeira dos artigos no fim de semana do Ponto. Obrigado pela audiência, inclusive - isso mostra seu compromisso com a consistência, que foi o que nos trouxe aqui em primeiro lugar.

Nota: o artigo sobre discilplina foi muito bem recebido e agradeço por isso. Não considero nenhuma discussão aqui encerrada, portanto voltaremos nesses tópicos em breve - senão durante a série Sucesso de A a Z, certamente depois dela. Então, mande seu comentário e sua consideração - por email ou por recado na página do artigo.

 

Em relação à enquete de ontem, sobre discilplina, coloco rapidamente o resultado, que nos revela que 82,3% de nós somos menos disciplinados do que gostaríamos.

 

 

Ao final de nossa série, analisarei os dados completos e farei alguns paralelos, ok? Obrigado pelas quase 300 participações recebidas. Vocês são demais.

Para o artigo de amanhã (sim, domingo) temos os dois temas abaixo e já peço ajuda quanto ao desenrolar deles também. Participe e ajude a escrever nossa história aqui.

 



Eu poderia passar aproximadamente uma semana e meia falando sobre isso, mas tentarei ser mais breve.

A escritora Lya Luft publicou um artigo que falava sobre o assunto. Segundo ela:

Quando falo em excelência, não me refiro a ser o melhor de todos, ideia que me parece arrogante e tola. Nada pior do que um arrogante bobo, o tipo que chega a uma reunião, seja festa, seja trabalho, e já começa achando todos os demais idiotas. Nada mais patético do que aquele que se pensa ou se deseja sempre o primeirão da classe, da turma, do trabalho, do bairro, do mundo, quem sabe? Talento e discrição fazem uma combinação ótima.

Então, excelência para mim significa tentar ser bom no que se faz, e no que se é. Um ser humano decente, solidário, afetuoso, respeitoso, digno, esperançoso sem ser tolo, idealista sem ser alienado, produtivo sem ser viciado em trabalho. E, no trabalho, dar o melhor de si sem sacrificar a vida, a família, a alegria, de que andamos tão carentes, embora os trios elétricos desfilem e as baladas varem a madrugada.

Estamos carentes de excelência. A mediocridade reina, assustadora, implacável e persistente. Autoridades, altos cargos, líderes, em boa parte desinformados, desinteressados, incultos, lamentáveis. Alunos que saem do ensino médio semianalfabetos e assim entram nas universidades, que aos poucos — refiro-me às públicas — vão se tornando reduto de pobreza intelectual.

A autora foi extremamente feliz ao balancear excelência e humildade. A busca pela excelência, quando bem conduzida, invariavelmente leva as pessoas a um estado de desenvolvimento tal em que, de fato, é difícil encontrar pessoas à altura de seus trabalhos. Isso pode, como infelizmente vemos cotidianamente em colegas talentosos, afetar a forma como essas pessoas se relacionam com seu meio - tornando-as muitas vezes insensíveis e arrogantes. É preciso cuidar para que isso não aconteça.

A excelência trata de várias vertentes da vida, mas como aqui temos nos concentrado nos estudos, limitar-me-ei a esse tópico. Pode ser definida, em termos simples, como procurar fazer o que se faz da melhor forma possível, corrigindo erros e desvios e procurando-a como um processo de desenvolvimento, não como resultado.

Falo muito sobre procrastinação, porque sei que esse é um problema não só meu ou só (possivelmente) seu, mas de muitas pessoas. Queremos o resultado sempre hoje, mas deixamos a ação sempre pra amanhã. Excelência tem a ver com reconhecer que os primeiros passos são parte fundamental no desenvolvimento de uma rotina vencedora. Tem a ver com reconhecer suas próprias fraquezas e combatê-las, em uma ingrata luta entre a motivação e o amanhã. E tem a ver com sempre, sempre fazer o melhor que pode ser feito.

Nos estudos, tem a ver com não se contentar com uma pontuação abaixo do que você pode atingir. Não é ser "bom o suficiente", mas ser o melhor que você pode ser. É respeitar seus limites de desenvolvimento, mas saber que estamos em constante evolução e que nosso melhor desempenho de ontem pode sim servir como base para o de hoje. É tomar a decisão de bem fazer, uma decisão que muitas pessoas não tomam de fato (e que causa sofrimento desnecessário e prolongado).

Falo também para você que já é servidor público (em breve, escreverei um pouco sobre nossa responsabilidade pós-concurso). Não se contente em saber que foi aprovado. Se você encontrou seu órgão dos sonhos, faça-o cada dia melhor. Contribua para com uma prestação de serviços públicos (internos ou externos) que seja excelente. Faça seu melhor. Se ainda não está onde gostaria, não negligencie seu órgão. Dê seu melhor, mas também concentre-se em encontrar o que precisa para subir o próximo degrau.

Nos estudos e na vida, procure sempre se desenvolver e tornar-se um vetor de desenvolvimento e de melhoria. Quando você muda o mundo ao redor de você, você muda o mundo dentro de você.

"Seja a mudança que você quer ver no mundo" disse Gandhi. E essa mudança vem quando você entende que é nossa responsabilidade fazer do mundo um pouco melhor a cada dia.

Você cuida da sua excelência? Deixe um comentário e me diga como você lida com a excelência em sua vida, ok?

Abraço e sucesso,

 

Fernando Mesquita
Coach | Ponto dos Concursos
fernando.mesquita@pontodosconcursos.com.br

Este artigo faz parte do grupo "Sucesso de A a Z", meu compromisso estabelecido com a grande comunidade do ponto em 29/07/2013. Um artigo por dia, cada um com uma letra do alfabeto no título. Sugestões? Comentários? Ansiedades? Deixei seu recado e faça parte de nossa crescente comunidade.


Comentários

  • 08/08/2013 - Ana Paula
    Fernando! Quando terminares "Sucesso de A a Z" poderias começar "Sucesso de 01/01/XX a 31/12/XX" !!! Minha motivação só se mantém pq leio todos dias teus artigos! Pode acreditar que tu estás fazendo um bem enorme a muitas pessoas! Obrigada!
  • 08/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Hehehe... não seria uma ideia ruim, não, Ana Paula. Mas tenho alguns projetos que podem ajudar nessa próxima etapa. Precisamos pensar em termos de próximos passos sem monopolizar a página do Ponto, afinal de contas. Mas tem sido uma experiência muito interessante e farei todo o possível para dar sequência a ela depois da letra Z. Obrigado por comentar. Grande abraço,
  • 05/08/2013 - Viviane
    Fernando, o seu texto de hoje é ESTIMULANTE, no sentido de nos encorajar e nos incentivar a nos tornarmos melhores. Para mim a excelência é irmã do equilíbrio, tão difícil de alcançar em meio a esta fase de dúvidas, medos e pressões, externas e internas. Assim a excelência é mais uma construção que um projeto e envolve dedicação e muito sacrifício.
    Excelência é uma palavra de origem latina: EXCELLENTIA. Significa "elevação, grandeza, superioridade". O termo latino deriva do verbo EXCELLERE, "erguer, elevar". Este, por sua vez, é uma junção de outros dois: o prefixo EX (para fora) e o verbo CELLERE (erguer), verbo aparentado do substantivo COLLIS, que significa "colina, lugar onde se sobe". Portanto, excelente é o que se destaca como alto, elevado. É o que sobe, cresce. Voa melhores voos. E se não pode ser tomado por uma superioridade, sem dúvida o será por uma superação.
    abs,
  • 07/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Viviane, é verdade - o equilíbrio é fundamental. Acredito sempre em procurarmos alterar o equilíbrio elevando nossos padrões. Com certeza você está no caminho certo. Obrigado pelo comentário e por acompanhar nossa série. Abraço,
  • 04/08/2013 - Ana Zilda
    Olá professor, ler os teus artigos tem sido muito significativo para meu amadurecimento, vários aspectos. Sou uma pessoa que me cobro bastante, sempre querendo ser excelente nas coisas que faço. De fato, existe uma linha muito tênue entre a excelência e a arrogância/prepotência, por isso, é torna tão importante refletirmos sobre desenvolver atitudes humildes diante das conquistas. Outro aspecto que achei interessante (e que sempre procuro por em prática) é procurar dar o nosso melhor, mesmo nas coisas com as quais não nos identificamos (um trabalho, por exemplo), acredito que a gente se torna até mais produtivo. Mais uma vez obrigada pelos artigos, esses, sim, são excelentes!! Abraços e sucesso!
  • 04/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Ana Zilda, fico muito feliz. Esses dias têm sido intensos para mim também, e espero que todos estejamos um pouco melhores ao final do período. Precisamos, de fato, ter mais compromisso pra com nossas tarefas - mesmo aquelas que não são nossas por opção. Concordo plenamente com você. Obrigado pelo comentário. Sucesso e bons estudos.
  • 04/08/2013 - ROBERSON DO VALE
    prof. tenho ,há um bom tempo, procurado enxergar além do que vejo. e os teus textos ,somados às coisas que acontecem a minha volta, têm contribuído para me levado a crer que estou no caminho certo. obrigado pela tua dedicação!!!
  • 04/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Roberson, obrigado pelo comentário. Fico feliz de poder ajudar. Fique firme na luta. Abraço,
  • 03/08/2013 - Amanda Dantas
    Nossa professor, cada palavra escrita é de grande sabedoria. Como tem sido difícil manter essa tal "Excelência". A maior cobrança vem de nós mesmos e muitas vezes o desânimo também vem acompanhando.Continue com esse belo trabalho.
  • 04/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Amanda, a excelência é muitas vezes mais uma expectativa do que uma realidade, infelizmente. Gostaria que nossas metas fossem cada vez mais "excelentes". O mundo seria melhor. Transformar o desânimo em desejo de atingir o objetivo é uma necessidade - e ajuda nesses momentos. Mas o processo é um pouco longo. Obrigado por comentar. Abraço e bons estudos.
  • 03/08/2013 - Leandro
    Cada dia me surpreendo ainda mais com a excelência de seus artigos Professor. Continue firme, mantendo a consistência, você está nos ajudando bastante!!!
  • 04/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Fala, Leandro. Fico feliz. Obrigado por comentar e mantenha-se firme.
  • 03/08/2013 - Carolina Almeida
    Excelente é o senhor, professor! :P Olha, vou imprimir todos os artigos do senhor e fazer um caderninho de cabeceira! Obrigada pela disponibilidade de postar coisas tão importantes pra nós!!
  • 04/08/2013 - Prof Fernando Mesquita
    Carolina, sugiro que chame seu caderno de "Devaneios navegáveis nos momentos estranhos dos estudos". Me parece simpático - além de justo =D. Fique firme aí. Obrigado por comentar. Abraço,
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: