Prof. Renato Fenili

24/07/2013 | 22:44
Compartilhar

AFT!! Modelo de Gestão da Fundação Nacional da Qualidade !!

Caros(as) amigos(as),

 

Muitos têm me perguntado acerca de um tópico específico do edital do CESPE para AFT, constante da programação da disciplina Administração Geral e Pública. Trata-se do Modelo de Gestão da Fundação Nacional da Qualidade, que tem caído com regularidade na provas mais recentes da banca. No curso isolado aqui no Ponto, o Modelo de Excelência de Gestão é apresentado, bem como diversas questões do CESPE são comentadas. Por ora, farei uma apresentação das principais facetas deste modelo, comentado duas questões da banca, ok?

 

Caminhado para o seu 23º ano de existência, a Fundação Nacional da Qualidade é uma instituição brasileira, sem fins lucrativos, voltada ao estudo, ao fomento e à disseminação de práticas em termos de excelência na gestão das organizações.

Criada em 11 de outubro de 1991, trata-se de uma iniciativa conjunta de organizações privadas e públicas, inicialmente concebida para administrar o Prêmio Nacional da Qualidade. Ao longo do tempo, o escopo de atuação da FNQ tornou-se abrangente, buscando parcerias com entidades internacionais, e envidando esforços em prol da consolidação de seu Modelo de Excelência da Gestão® (MEG®).

Para fins de nosso estudo, é de grande interesse os fundamentos e os critérios que dão forma ao Modelo de Excelência da Gestão® (MEG®).

O Modelo de Excelência da Gestão® é baseado em 11 (onze) fundamentos de excelência, que espelham, segundo a FNQ, práticas encontradas em organizações de elevado desempenho. Tais fundamentos são assim apresentados:

 

- Pensamento Sistêmico;

- Aprendizado Organizacional;

- Cultura da Inovação;

- Liderança e constância de propósitos;

- Orientação por processos e informações;

- Visão de futuro;

- Geração de valor;

- Valorização das pessoas;

- Conhecimento sobre o cliente e o mercado;

- Desenvolvimento de parcerias;

- Responsabilidade social. 

 

A fim de colocar em prática estes fundamentos, o Modelo de Excelência da Gestão® estabelece, ainda, 8 (oito) critérios, por meio dos quais a lógica da dinâmica modelo é estabelecida. Os critérios são assim arrolados:

 

    • liderança;
    • estratégias e planos;
    • clientes;
    • sociedade;
    • informações e conhecimento;
    • pessoas;
    • processos, e
    • resultados

 

A representação do Modelo de Excelência da Gestão®, dada por meio da concatenação desses critérios, é apresentada a seguir:


 

O funcionamento do MEG® é dado por meio do conceito de PDCA [2](planejar – executar – monitorar – agir). De acordo com a explanação constante do próprio sítio da FNQ na internet:

A figura representativa do MEG simboliza a organização, considerada como um sistema orgânico e adaptável ao ambiente externo. O MEG é representado pelo diagrama acima, que utiliza o conceito de aprendizado segundo o ciclo de PDCA (Plan, Do, Check, Action).

O sucesso de uma organização está diretamente relacionado à sua capacidade de atender às necessidades e expectativas de seus clientes. Elas devem ser identificadas, entendidas e utilizadas para que se crie o valor necessário para conquistar e reter esses clientes.

Para que haja continuidade em suas operações, a empresa também deve identificar, entender e satisfazer as necessidades e expectativas da sociedade e das comunidades com as quais interage — sempre de forma ética, cumprindo as leis e preservando o ambiente. De posse de todas essas informações, a liderança estabelece os princípios da organização, pratica e vivencia os fundamentos da excelência, impulsionando, com seu exemplo, a cultura da excelência na organização. Os líderes analisam o desempenho e executam, sempre que necessário, as ações requeridas, consolidando o aprendizado organizacional.

As estratégias são formuladas pelos líderes para direcionar a organização e o seu desempenho, determinando sua posição competitiva. Elas são desdobradas em todos os níveis da organização, com planos de ação de curto e longo prazos. Recursos adequados são alocados para assegurar sua implementação. A organização avalia permanentemente a implementação das estratégias e monitora os respectivos planos e responde rapidamente às mudanças nos ambientes interno e externo. Considerando os quatro critérios apresentados, tem-se a etapa de planejamento (P) do ciclo PDCA.

As pessoas que compõem a força de trabalho devem estar capacitadas e satisfeitas, atuando em um ambiente propício à consolidação da cultura da excelência.


Com isso, é possível executar e gerenciar adequadamente os processos, criando valor para os clientes e aperfeiçoando o relacionamento com os fornecedores. A organização planeja e controla os seus custos e investimentos. Os riscos financeiros são quantificados e monitorados.

Conclui-se, neste momento, a etapa referente à execução (D) no PDCA. Para efetivar a etapa do Controle (C), são mensurados os resultados em relação a: situação econômico-financeira, clientes e mercado, pessoas, sociedade, processos principais do negócio e processos de apoio, e fornecedores.

Os efeitos gerados pela implementação sinérgica das práticas de gestão e pela dinâmica externa à organização podem ser comparados às metas estabelecidas para eventuais correções de rumo ou reforços das ações implementadas. Esses resultados, apresentados sob a forma de informações e conhecimento, retornam a toda a organização, complementando o ciclo PDCA com a etapa referente à ação (A).

Essas informações representam a inteligência da organização, viabilizando a análise do desempenho e a execução das ações necessárias em todos os níveis. A gestão das informações e dos ativos intangíveis é um elemento essencial à jornada em busca da excelência.

 

Veja alguns exemplos de como este conteúdo já foi cobrado pelo CESPE:

 

    1. (CESPE / ANP / 2013) O modelo de excelência da gestão da fundação nacional da qualidade permite que os vários elementos de uma organização sejam avaliados individualmente. 

 

O Modelo de Excelência da Gestão da FNQ, baseado nos fundamentos e nos critérios vistos anteriormente, permite uma avaliação conjunta dos elementos organizacionais, em especial pela sua concepção de que há relações de interdependência entre eles (aspecto inerente ao próprio conceito de Pensamento Sistêmico, um dos fundamentos de excelência).

 

Nas palavras da publicação do FNQ:

 

O Modelo estabelece uma orientação integrada e interdependente para gerir uma organização. Considera que os vários elementos da organização e as partes interessadas interagem de forma harmônica e balanceada nas estratégias e resultados. Assim, o MEG permite que os vários elementos de uma organização possam ser implementados e avaliados em conjunto, de forma interdependente e complementar.

 

        Com esse entendimento, a assertiva está errada.

 

 

    1. (CESPE / TJ – AC / 2012) O modelo de excelência gerencial (MEG) proposto pela Fundação Nacional da Qualidade apoia-se no PDCA (plan, do, check, act), importante ferramenta de melhoria contínua proveniente da escola da qualidade. 

 

Como vimos, o MEG realmente está baseado na lógica do PDCA. A questão está correta.



 

 

 

 

É isso por hoje!!

 

Grande abraço a todos e ótimos estudos!!!



[1] Fonte: http://www.mbc.org.br/mbc/uploads/biblioteca/1300823597.7285A.pdf. Acesso em 18.07.2013.



[2] Também poder-se-ia utilizar o conceito de PDCL: planejar – executar – monitorar – aprender.



[3] Fonte: http://www.mbc.org.br/mbc/uploads/biblioteca/1300823597.7285A.pdf. Acesso em 18.07.

 

 


Comentários

  • 24/07/2013 - Rosana
    Adm Geral - AFT
Comentar este artigo
MAIS ARTIGOS DO AUTOR
Compartilhar: